Rede municipal retornou com as aulas na segunda-feira. Investimentos são em obras, reformas, ampliações e compra de ônibus escolares

A Secretaria Municipal de Educação está com tudo pronto para a volta às aulas. Os estudantes da rede municipal retornaramm nesta segunda-feira (02). São ao todo 4 mil crianças, distribuídas em 23 estabelecimentos educacionais. O Município é responsável pelos estudantes das creches, educação infantil, ensino fundamental séries iniciais e finais (João de Abreu e Escola Agrícola). Compete ainda à Prefeitura, o ensino para jovens e adultos no CESU (supletivo) e EJA, que formam cidadãos no ensino fundamental e médio, sem falar nos Centros Municipais de Educação Infantil. As chamadas Creches são ao todo 10 unidades, que cuidam de cerca de 1,1 mil crianças.

Muitos encontraram nesta volta material didático novinho usado por escolas particulares, ônibus novos, salas reformadas, carteiras novas, obras concluídas, outras em andamento e à disposição dos profissionais que recarregaram as energias durante as férias. São ao todo cerca de 750 servidores que atendem a educação: professores, educadores, diretores, orientadores, supervisores, serviços gerais, motoristas, monitores de ônibus, a equipe da Secretaria, e todos são bem qualificados para atender da melhor maneira as crianças. A maioria dos servidores municipais está na Secretaria de Educação. A Administração resolveu a questão dos educadores infantis, paga o Piso Nacional do Magistério e incentiva os profissionais que são os alicerces de uma boa educação. As creches ganharam novos colchonetes, brinquedos e câmeras. As escolas receberam carteiras, carrinhos de pipoca e algodão doce, cama elástica e outros materiais. Investimentos que chegam a R$3 milhões.

O vice prefeito e secretário de Educação Erik dos Reis Roberto – Erik Professor – (PSDB), recebeu nossa equipe , para uma entrevista exclusiva.para o Jornal da Equipe Positiva. Ressaltando sempre o apoio incondicional do prefeito Paulo Luis Rabello (PPS), a quem atribui os adjetivos de competência, honestidade e seriedade com o dinheiro público, o que permitiu que mais de 70% dos compromissos da pasta já fossem cumpridos. A determinação que Erik recebeu do Executivo, é oferecer uma educação de qualidade e igualitária para todas as crianças independente da classe social.

Denis Pereira – A Voz da Notícia

ÉrikENTREVISTA

EQUIPE POSITIVA – Como o Município está preparando escolas e profissionais para a volta as aulas?

Erik Professor – Nós fizemos algumas alterações e modificações na estrutura da Secretaria para melhor atender as crianças. Este ano teremos um atendimento diferenciado, haja vista que ano passado já tivemos um atendimento especializado para crianças com necessidades especiais, com acompanhamento individualizado de um instrutor/monitor e para 2015, atenderemos as crianças com dificuldades de aprendizagem. Haverá professores atendendo com intuito de recuperar as defasagens e dificuldades, de maneira que as crianças saiam da escola lendo, escrevendo e fazendo as operações fundamentais. Reestruturamos e fizemos uma remodelagem no Atendimento Educacional Especializado (AEE). Além disso, temos a meta de ampliar as vagas nos Centros Municipais de Educação Infantil, as Creches. Por falar em creche é bom dizer que zeramos a fila que existia com 147 crianças em dezembro de 2014 e ampliamos mais 100 vagas para o início de 2015. Tudo isto graças ao apoio incondicional do prefeito Paulo Luis Rabello. De acordo com o secretário, a educação é a menina dos olhos do gestor, porque ele acredita que se faz uma cidade diferente investindo na educação e este é o seu desejo.

Em termos de estrutura, o que mudou de 2014 para 2015?

Erik Professor – A lei federal alterou o ensino obrigatório que iniciava aos 6 anos e agora deverá começar aos 4 anos, ou seja, as crianças devem estar na escola. Então a partir deste ano, elas vão para a escola. Passam a ter também os 200 dias letivos e frequentar as unidades escolares em meio período com aulas. Com isso, ampliamos o número de vagas das creches, em cerca de 250 vagas para o ano de 2015.

Algumas reformas e melhorias aconteceram e obras ainda estão acontecendo. Fale um pouco sobre elas.

Erik Professor – Ao longo destes dois anos nós reformamos sete escolas, dentre elas, a Escola Cônego Victor. Trocamos o assoalho por piso, remodelamos os banheiros e ainda há adequações que ainda serão feitas na cozinha e quadra. Os pais que estudaram lá devem lembrar muito das tábuas no chão, as crianças corriam riscos de se ferirem. Reformamos escolas da zona rural: Lolita, Valda Tiso e Bananeiras. No Quilombo reformamos a Escola Manoel Jacinto e terminamos a construção da Creche; iniciamos a construção da ampliação da Escola Edna de Abreu no bairro Santa Edwiges que irá atender, em meados deste ano, o dobro do número de alunos, evitando que as mães tenham que levar seus filhos para o centro da cidade. Fizemos a cobertura da quadra da Escola Antonieta Ferracioli; construção e cobertura da quadra da Escola Agrícola. Isto sem contar as reformas que fizemos nas Creches e dentro das escolas. Levamos a Escola Solange Mendonça Reis para junto ao prédio da Escola Antonieta Ferracioli; trouxemos para o antigo prédio do Solange o Pólo Educacional atendendo melhor e ampliamos o número de alunos, que hoje são cerca de 800. A Escola do CAIC nunca havia sido reformada desde a sua inauguração, e agora reformamos, pintamos e melhoramos o atendimento para todas as crianças.

Escola Edna de AbreuUma grande obra é a ampliação da Escola Edna de Abreu que vai possibilitar dobrar o número de alunos atendidos. Esta é uma reivindicação antiga da comunidade?

Erik Professor – O fato é verdadeiro. A obra é um grande clamor, um desejo dos moradores dos bairros, que foi demonstrada durante a campanha eleitoral. O prefeito Paulo Luis foi muito solicitado para que construísse uma escola. Quando assumi a Secretaria de Educação, o prefeito me colocou duas metas que era compromisso para atender bem a população. O primeiro era fazer com que a Escola Edna de Abreu pudesse ter suas atividades ampliadas para que as crianças não necessitassem pegar ônibus e saírem do bairro. O prédio é uma construção moderna, com corredores amplos, banheiros adaptados para cadeirantes e crianças com necessidades especiais, as portas abrem todas para fora, terá uma ampla sala para professores, setor administrativo, diretoria, biblioteca, sala de informática, entre outros. O investimento é todo do município em torno de R$800 mil. No início do ano letivo, nós  vamos funcionar provisoriamente num prédio cedido pela Igreja até que a ampliação fique pronta. Compramos carteiras novas e depois vamos adquiri o material necessário para este ano letivo. Outra solicitação do prefeito Paulo Luis foi com relação aos professores, onde eles desejavam receber o Piso Nacional da Educação. Adequamos o orçamento para cumprirmos o compromisso, e hoje, Três Pontas, é um dos poucos municípios do País que paga o piso, mais um terço extraclasse, valorizando de fato o professor. Há de ressaltar também que proporcionamos aos professores efetivos e contratados Pós-Graduação na área da educação. Gostaria de ressaltar que os professores irão receber, no final deste mês de janeiro, um reajuste de 13,01%, que representa um ganho real.

Quadra esteA Secretaria de Educação está construindo uma quadra coberta na Escola Agrícola. De onde vieram os recursos para esta obra?

Erik Professor – Este foi um pedido das crianças e dos professores daquela escola, para que tivéssemos um olhar diferenciado e pudéssemos fazer pelo menos uma quadra. Os recursos vieram do Governo Federal fruto de um trabalho feito desde o início de 2013 e felizmente logramos êxito na verba de construção e cobertura da quadra. Graças a Deus e graças ao relacionamento do prefeito Paulo Luis com as duas esferas de governo, com o apoio político forte que tem, as pessoas confiam nele por ser um homem de palavra, de princípios, honesto e verdadeiro. Não só a população, mas também os deputados, assessores dos parlamentares e secretários de Estado depositam nele confiança e tem a certeza que não serão traídos. O prefeito através de sua rede de amigos deputados, que o apoiaram na campanha, conseguiu este grande feito para a comunidade rural.

A Secretaria adquiriu material didático para as crianças da rede municipal?

Erik Professor – Em 2014 nós investimos no material para crianças de 4 e 5 anos, para que elas tivessem um atendimento diferenciado e usássemos uma mesma linguagem em toda rede educacional municipal. O que é usado na escola A é o mesmo da escola Z. Cada professor tinha o seu planejamento. A partir de 2014 nós passamos a ter o material didático. Este ano investimos R$400 mil e o material é ainda melhor, mais bem elaborado, que vai proporcionar um melhor aprendizado de forma lúdica, ou seja, as crianças aprendem brincando. O kit que compramos é usado em redes particulares de ensino em todo Brasil. A gente pretende ampliar para as creches, maternal III, II e I, mas será feito gradativamente, começando pelo maternal III, de acordo com a possibilidade financeira. É também um compromisso do prefeito Paulo Luis, onde ele dizia que seu governo daria os mesmos direitos as crianças e estudantes, seria de forma igualitária sem distinção. Isto mostra que o município está comprometido com a educação e com um ensino de qualidade, haja vista que nossos professores são qualificados, e posso dizer que são os melhores professores da região. A maioria tem pós-graduação em áreas específicas.

OnibusA Secretaria de Educação adquiriu 8 ônibus novos para o transporte escolar. Quantos já chegaram?

Erik Professor – Estes ônibus vieram para agregar. Temos uma frota um pouco antiga e estamos fazendo a reposição. Chegaram seis e outros dois devem aportar na cidade nos próximos dias. Com isto, vamos diminuir os gastos com manutenção em pelo menos 20%. O investimento é de aproximadamente R$ 2 milhões de reais. 

Outros veículos também foram comprados?

Erik Professor – Iniciamos o mandato assumindo compromissos e realizando. Compramos um veículo, uma caminhonete para atender as necessidades da Secretaria, dois microônibus para o transporte escolar. Trabalhamos para que as crianças sejam atendidas com qualidade e respeito.

Vocês modificaram a merenda escolar que é servida nas escolas e nas creches?

Erik Professor – Faremos chamada pública, para que o produtor rural possa atender o Município, denominada agricultura familiar, que de acordo com a lei federal devemos adquirir no mínimo 30% dos produtores rurais. Ampliamos o atendimento da merenda escolar, porque elas passam boa parte do dia, na creche ou na escola e elas precisam ser bem alimentadas. Temos o café da manhã, o lanche, o almoço, a sobremesa, o café da tarde. Antes as verduras eram servidas três dias da semana, hoje são cinco dias. Introduzimos o peixe neste ano que passou. Inclusive em algumas visitas que fizemos nas escolas, teve um menininho que nos disse: “lá em casa nunca tinha comido peixe”. Isto nos dá uma satisfação muito grande. Estamos servindo uma merenda de qualidade. Vocês e a comunidade, estão convidados para acompanhar como o produtor rural entrega seus produtos para as escolas, embalados, ensacados e separados. Ampliamos a quantidade de carne servida em três vezes mais.

Três Pontas já tem escola em tempo integral?

Erik Professor – Temos o PAJA no CAIC. Ano passado começamos na Escola Agrícola o atendimento de algumas crianças que ficam o dia todo na escola. Este ano vamos atender a zona rural, para que as famílias entendam que o que tem na cidade tem nas comunidades rurais. Vamos atender na escola Valda Tiso, Sobradinho e Bananeiras que vão ter a escola em tempo integral. Lá eles ficarão até às 15 horas na escola.

Criou-se muita polêmica na época a junção da Escola Solange Mendonça Reis na Escola Antonieta Ferracioli. A secretaria sente que hoje os pais entenderam a intenção da Administração?

Erik Professor – É bom que se diga que houve uma dificuldade na partilha de prédios, não dá parte da população, mas de pessoas que queriam denegrir a imagem da Administração. A verdade é que temos o compromisso de cuidar das crianças com responsabilidade. Desde muito antes, quando eu ainda estudava e nem passava pela minha cabeça ser secretário de educação, ouvia dizer que no Solange tinha escorpiões. Temos que zelar pela segurança dos seus filhos e a tranquilidade dos pais que passam esta responsabilidade para a escola. Assumi a responsabilidade de resolver este problema, só achei estranho aparecer tantos escorpiões, mas problemas devem ser resolvidos. Fizemos a partilha dos prédios porque onde o Solange funcionava não era para educação infantil, cheio de escadas, não tinha espaço para um parquinho, o espaço para o recreio é muito pequeno. Nós levamos as crianças para o Antonieta Ferracioli porque lá é um espaço escolar. Felizmente as crianças se adaptaram muito bem e as famílias estão muito satisfeitas. Reformamos e cobrimos a quadra. Além da segurança, os pais agora tem a tranquilidade de deixar seu filho na escola. Com isto, nós trouxemos o Pólo Educacional que funcionava junto com uma escola, que são adultos, para o Solange. Depois disso, nós não ouvimos mais falar em escorpiões no antigo prédio do Solange.

Outra polêmica foi a mudança no CESU que fechou e deu lugar a outra modalidade de ensino. É verdade que mais pessoas se formaram a partir desta mudança?

Erik Professor – É verdade sim.  Em 2013, nós fizemos um levantamento no atendimento do CESU, são os jovens e adultos que pararam de estudar e querem retomar os estudos. Nós tínhamos 14 profissionais na época e tivemos 27 pessoas que formaram no ensino fundamental e no médio. Fizemos uma remodelagem no ensino do CESU e em 2014, foi um projeto piloto que funcionou muito bem. De 14 profissionais diminuímos para 4 para fazer o atendimento dos alunos e tivemos a alegria de formar 78 pessoas. Esta é uma questão de gerenciamento. O CESU continua funcionando na Escola Cônego Victor e as matrículas podem ser feitas a partir desta segunda dia 02 de fevereiro. A nossa preocupação é com o atendimento de qualidade e com o dinheiro público. Estas medidas foram e são tomadas visando o respeito ao dinheiro público e a qualidade do ensino em nosso município.

Foi compromisso e já foi cumprido, o pagamento do Piso Nacional do Magistério aos professores. De que forma a Secretaria acertou as finanças para pagar o que é direito dos profissionais?

Erik Professor – O prefeito Paulo Luis preza muito pela palavra e pelo compromisso. Tivemos um Plano de Governo registrado no Cartório Eleitoral, com metas e objetivos, e na área da Educação, o pagamento estava fora do plano, mas assinamos um compromisso com os professores e honramos mais um objetivo. O compromisso, assumido pelo prefeito Paulo Luis, não era só pagar o piso era e é também de valorizar o profissional, mas também ao educando e seus familiares. Ele pediu que a gente adequasse a Secretaria para fazer este pagamento. Precisávamos enxugar alguns gargalos que existiam na Secretaria. Foi o caso do CESU, onde a gente tinha 14 profissionais e eram gastos só na folha de pagamento cerca de R$30 mil e reduzimos para 4 e investimos cerca de R$10 mil. Ou seja, ampliamos a oferta e reduzimos o gasto com a folha; fizemos em 2013, através de estudos, alguns ajustes nas escolas, a implantação da assiduidade, que diminuiu bastante o número de atestados médicos, é de certa forma valorizar e incentivar que o profissional vá trabalhar e não falte, com isto economizamos. Gastávamos, só para se ter uma ideia, com os atestados médicos cerca de R$60 mil por mês. Agora o custo baixou para R$33 mil. Tínhamos o PAJA onde havia quatro professores, dois de manhã e dois a tarde, remanejamos estes profissionais porque já havia monitor para fazer este atendimento. Cortamos o gasto também com o AEE, que tinha 19 professores no ensino especializado que atendia todas as escolas, passamos para 9. Estas mudanças mexeram com a vida de muitas pessoas, mas foram todas em prol da economia para que pudéssemos fazer aquilo que os professores queriam: receber os seus direitos, o Piso e um terço extraclasse.

Qual era a situação das educadoras infantis que foi resolvida pela Secretaria de Educação?

Erik Professor – A situação das educadoras infantis é uma situação muito delicada. Porque com a ascensão do Plano de Cargos e Salários feito pela gestão anterior, extinguiu-se o cargo. Quando assumimos a Prefeitura, existia educador infantil, mas não existia o cargo, as atribuições e o quantitativo. Analisamos e preparamos em 2013 para acertarmos a situação das meninas, o que foi feito em 2014. Mandamos um Plano de Cargos e Salários do Magistério para a Câmara Municipal, para que apreciassem e votassem em favor das educadoras. E a situação foi regularizada. Elas [educadoras] ganhavam um salário mínimo e por força judicial um complemento. Com a nossa proposta elas passaram a receber aquilo que é de lei, ou seja, o Piso Nacional da Educação, mais as vantagens que elas tem direito, como pós-graduação, assiduidade, quinquênio, que vão incidir sobre o vencimento básico que agora é maior. Antes era um salário mínimo, agora é de R$1.917,78 para 40 horas. Houve uma valorização do profissional. As pessoas que não acreditavam que seríamos capazes de fazer isto, fomos. Três Pontas é um dos poucos municípios que valoriza o profissional, especialmente o profissional da educação. Ao redor daqui muitos ainda pagam salário mínimo.

Você falou muito em honrar compromissos. A Secretaria vai conseguir cumprir tudo o que foi prometido na campanha eleitoral?

Erik Professor – Estou muito satisfeito porque dos compromissos assinados e registrados pelo prefeito Paulo Luis, nós já cumprimos mais de 70%. Isto nos deixa num patamar de tranquilidade muito grande. Mostra o compromisso e a seriedade com a coisa pública. O lema não poderia ser diferente, “Felicidade é Coisa Séria” e dinheiro público é coisa séria. Enquanto a gente vê tantos e tantos roubos e rombos na administração pública, como Mensalão, Petrolão, é dinheiro que sai pelas cuecas, meias e malas, pela bolsa, é obra sendo super faturada, obras em duplicidade como tivemos aqui em Três Pontas, dinheiro público sendo gasto em viagem particular, obras inacabadas que também tem exemplos aqui na cidade, porque não tiveram competência para terminar e a nossa Administração está fazendo, pois levamos a sério a coisa pública. E quando a gente encontra pessoas honestas como o prefeito Paulo Luis, a população tem que apoiar, porque é de administrador sério, honesto e íntegro que a população precisa. Quero abrir aqui um parênteses só para mostrar que a confiança da população no prefeito Paulo Luis é tão grande, que ele leva o dinheiro público a sério, num português bem claro, que ele não rouba, é que 86% dos contribuintes pagaram seu IPTU em 2014. Isto é um marco na história de Três Pontas. As pessoas pagam porque sabem que o dinheiro delas está sendo levado a sério e gasto com transparência.

Considerações Finais.

Erik Professor –Gostaria muito de agradecer aos servidores. Aos serviços gerais, monitores, motoristas, professores, educadores, supervisores, diretores, agentes administrativos, a equipe da Secretaria, todas as pessoas envolvidas que trabalham com as nossas crianças. Os nossos desejos, sonhos e compromissos só puderam e só podem ser concretizados graças ao trabalho incansável de cada uma dessas valorosas pessoas. Agradeço ao prefeito Paulo Luis pelo apoio incondicional à Secretaria Municipal de Educação. O prefeito deseja que a Secretaria seja modelo no sul de Minas, como vem sendo. Recebemos visita de vários secretários da região, de Boa Esperança, Guapé, Ilicínea, Nepomuceno, Paraguaçu, Elói Mendes e Santana da Vargem, e todos foram unânimes em dizer que Três Pontas é uma referência em educação. Agradeço também a população que soube esperar com paciência, e serenidade as mudanças necessárias. Não são mudanças para nós, são para os nossos filhos, para melhor atendimento deles, para melhorar a qualidade do ensino. Agradeço ainda à população que depositou em nós a confiança de cuidar de seus filhos, cuidamos de aproximadamente 4 mil crianças. Tenham a certeza que cumpriremos com muito zelo os compromissos que fizemos durante a campanha e registramos em Cartório e muito mais: temos o maior carinho e respeito pelos seus filhos.

(Jornal Equipe Positiva – edição de janeiro de 2015)

COMPARTILHAR

Comentários