Jogadores do Cruzeiro comemorando mais um gol na Libertadores (Foto: EFE/ Marcos Pin)

Por Loui Jordan

A Copa Libertadores da América, teve sua 3ª rodada iniciada na noite da última terça-feira (02) e foi encerrada nesta quinta-feira (04). Dos times brasileiros que estiveram em campo, os dois mineiros, Cruzeiro e Atlético venceram, assim como o Atlético Paranaense. Os times tachados como os de melhor elenco no país, Palmeiras e Flamengo saíram derrotados, já o Internacional ficou no empate contra o River Plate em Porto Alegre.

O Grêmio foi o último brasileiro a entrar em campo, mais uma vez o time gaúcho esteve abaixo do esperado e foi batido pela Universidad Católica no Chile. Dentre os mais variados confrontos, todos eles deram uma lição no resultado e no desempenho para alguns clubes. A competição continental é conhecida por sua peculiaridade em produzir efeitos inesperados e com um sabor de decisão.

San Lorenzo 1 x 0 Palmeiras

O Palmeiras teve uma atuação abaixo da média. Enfrentou um San Lorenzo que vive uma situação pior no momento em relação ao time dirigido por Felipão. Por falar em time, o Palmeiras enquanto coletivo não produziu nada. As análises frias dos números mostram um Palmeiras que finalizou mais, no entanto, o meio-campo e o ataque estavam sem grande criatividade.

O clube argentino abriu o placar no começo do segundo tempo, mesmo sem jogar para tal. Em termos de desempenho, foi o jogo mais fraco em oportunidades reais de gol. Ao Palmeiras fica a lição de que sem ambição, não adianta elenco forte e dinheiro investido, o Palmeiras pode sofrer os prejuízos no Paulista, alguns podem pensar que foi apenas uma derrota por 1 a 0, mas certamente foi a atuação em que mais saiu devendo.

Atlético-PR 3 x 0 Boca Juniors

Mais uma bela vitória do Furacão. Não é apenas pelo placar, mas o time de Tiago Nunes foi taticamente o mais aplicado dos brasileiros. Alterando 4-1-4-1 para um 4-4-2, o Atlético fez o que quis com o Boca, o lateral-direito Buffarini foi o mais explorado pelo ataque do clube paranaense.

O Atlético teve em Marco Ruben seu homem gol da partida, ele anotou os três gols do furacão. O time tem um belo equilíbrio, o fato de ter sido campeão da Sul-Americana em 2018, faz com que o Atlético Paranaense criasse uma “casca” de time copeiro e difícil de ser batido em seus domínios. Caso avance para próxima fase, o furacão só terá o trabalho de ajustar suas estratégias para os duelos como visitantes, onde o time deixa em alguns momentos, o balanço coletivo cair.

Atlético-MG 3 x 2 Zamora

Esse sem dúvida, o grande sufoco. A lição é clara, o Galo caso passe de fase, terá pela frente uma série de preocupações. O Atlético não tem capacidade de fechar espaços quando está atacando de forma avassaladora, isso ficou nítido na primeira etapa, bem verdade que a virada é de se aplaudir, até mesmo porque o Zamora surpreendeu um time que vive se surpreendo, o time venezuelano poderia ter feito 3 a 0 no início do segundo tempo.

O Galo teve excepcionalmente nesse duelo, espírito no segundo tempo. O torcedor sabe que nem sempre as excepcionalidades vão salvar o seu time. O Atlético pode até se recuperar no torneio, para isso vai precisar jogar um futebol mais “redondo” e menos previsível.

Internacional 2 x 2 River Plate

Mais do que lição, um sinal. O Internacional é um time que sabe jogar um bom futebol, sabe utilizar bem suas peças, porém tem uma capacidade de oscilar durante a partida que é uma questão a ser resolvida. O Colorado abriu 2 a 0 e com estilo de quem sabe o que faz, defensivamente precisa de melhoras e reparos, para se ganhar libertadores é necessária boa defesa.

O Inter fez um ótimo campeonato Brasileiro na temporada passada, sua defesa foi bem. Em 2019, a defesa está em “desacordo” com os jogadores que fazem a primeira marcação no meio, é claro que empatar com o atual campeão não é mau negócio, mas em casa com um 2 a 0 de vantagem, é demonstrar sinais de fragilidade. O ataque compensa em determinados momentos, entretanto a defesa que não é ruim, tem se mostrado vulnerável em algumas ocasiões.

Flamengo 0 x 1 Penãrol

Diante do seu torcedor no Maracanã, o Flamengo foi derrotado no apagar das luzes. A Libertadores é uma competição traiçoeira, o jogo refinado do Flamengo está em transformação com Abel Braga no comando. O Rubro negro propôs o jogo, criou algumas oportunidades, poucas claras, deixou o adversário sonhar. O Penãrol tem camisa e pouco futebol ofensivo, mas tem uma coisa que volta e meia falta aos times brasileiros, leitura de todas as possibilidades em uma partida. O Flamengo tem tudo para se classificar, o incrível é que ele parece sofrer com sintomas do passado, o ataque é muito bom e promissor, a defesa não é confiável, o clube carioca teve mais posse e finalização, de nada adiantou.

Emelec 0 x 1 Cruzeiro

É chover no molhado dizer que o Cruzeiro atualmente é o melhor brasileiro na Libertadores. Mano Menezes e companhia, devem ficar atentos a seguinte situação: ter a melhor campanha e o melhor futebol da primeira fase, não significa ganhar o torneio no final. O meia Rodriguinho é o destaque, mais do que isso, o lado coletivo da Raposa chama a atenção, o plantel está mais rico e o futebol mais bonito. O Cruzeiro tem tudo para ganhar a competição, embora seja cedo, mesclar o plantel será uma decisão difícil no mata-mata. Os clubes voltarão a campo pela Copa Libertadores a partir do dia 09 de abril. Até lá terão poucos dias para pensar nos próximos adversários e principalmente, nas adversidades que está competição oferece a cada clube que deseja vencê-la.

Universidad Católica 1 x 0 Grêmio

O time que em muitos momentos foi considerado o melhor com a bola nos pés, não brilhou novamente na Libertadores. O Grêmio se mostrou mais uma vez ser um time sem recurso para definir, o clube que foi campeão continental em 2017, não reproduz a eficácia do estilo de jogo que consagrou o slogan do jogo bonito.

A Libertadores não perdoa, o Grêmio pouco agrediu o time da casa e para piorar, sofreu um gol da Católica cedo, 16 minutos de jogo apenas. A “iniciativa” gremista é algo que tem que ser melhor trabalhado, o time de Renato Portaluppi tem 1 ponto ganho em três jogos pelo grupo H. Isso significa que caso o Grêmio deixe de vencer ou seja derrotado com autoridade em uma das próximas partidas, provavelmente não passará da primeira fase, seria menos um time de ponta no caminho daqueles que buscam o troféu.

Os clubes voltarão a campo pela Copa Libertadores a partir do dia 09 de abril. Até lá terão poucos dias para pensar nos próximos adversários e principalmente, nas adversidades que está competição oferece a cada clube que deseja vencê-la.

COMPARTILHAR