Por Loui Jordan

Em meio a um cenário crítico e extremamente devastado pela pandemia do novo coronavírus, os discursos políticos estão sendo pouco operantes na prática social. O texto não tem o intuito de criticar por criticar ou de elogiar por elogiar, o problema é que a maioria dos discursos políticos apresentam propostas antagônicas se levarmos em conta a cultura educacional e a disciplina brasileira, que não são lá essas coisas. A presente coluna visa o cenário nacional e certas políticas das constituições nacional e estaduais, que isso fique claro, as políticas nacionais e estaduais pavimentam a maioria das decisões da engenharia social.

As incoerências das decisões políticas nacionais

Pelas estatísticas, o Brasil já passou de meio milhão de casos confirmados e mais, infelizmente já passou de 30 mil mortes em decorrência do vírus. Bem, dito isso, as incoerências em algumas decisões políticas acabam naufragando as possibilidades de melhoria a curto prazo.

Vamos aos pontos. Primeiro, existe uma equação lógica, quando se flexibiliza a reabertura do comércio, automaticamente se potencializa o fluxo do movimento de pessoas, afinal de contas, o comércio não iria voltar pedindo que as pessoas ficassem em casa. Segundo, a estratégia de fiscalização foi totalmente por água a baixo, isso porque o Brasil enquanto governo nacional não tem capacidade de fiscalizar a imprudência alheia, às vezes nem a própria imprudência é detectada.

Terceiro e último ponto capital, a escassa harmonia entre os três poderes e entre o presidente da república e os governadores estaduais. É claro, existem mais pontos incoerentes, mas estes aqui pontuados, norteiam a falta de sensatez de certas entidades políticas do Brasil. Se formos analisar, até as prefeituras municipais são vítimas das decisões estatais, elas não têm muito o que fazer, fazem o que podem para tentar reduzir os danos na área da saúde, economia, educação, esporte, lazer e tantas outras áreas.

O discurso político que é ventilado pra baixo e pra cima, é que a população brasileira solicitou a reabertura do comércio, que certa parte da população brasileira é resistente ao uso das máscaras e claro, que a população precisa se conscientizar. Veja bem, primeiro, quem clamou pela reabertura do comércio foram os comerciantes e com o aval das instituições políticas; segundo, quem deveria moralmente distribuir máscaras à população, são as entidades políticas que recebem um imposto recheado do cidadão brasileiro, e terceiro, o governo nacional de algumas décadas pra cá, não investe em consciência, seja o governo qual for, investiu sim em consumismo, investiu sim na velha tática do pão e circo e agora eles querem cobrar consciência de uma cultura que foi fadada à alienação?

Dito isso, o Governo Federal tem contribuído financeiramente. O que é um pouco desentendido, é que existe uma incoerência grave no discurso político, por exemplo, quanto mais se fabricam máscaras, mais os usuários delas possuirão precedentes para sair de casa. Vale lembrar que supermercados, farmácias e padarias, sempre estiveram abertos, porém, os outros estabelecimentos, solicitavam a reabertura, e bom informar, estes solicitantes estavam, estão e sempre estarão no seu direito, porém, não possuem o conforto de ter um estado pujante que fiscalize mais e melhor, eles possuem sim o respaldo formal, mas sabem que se as coisas piorarem, a conta pode sobrar pra eles.

Todos, absolutamente todos, querem ganhar o seu dinheiro e o seu pão de cada dia, mas o problema é que o discurso político aponta um horizonte cheio de expectativa, mas a realidade é broxante. O Brasil nem sequer achatou a tal curva do covid-19, o isolamento social no Brasil é totalmente afrouxado e aí cabe a pergunta: o discurso político vai responsabilizar quem? A reposta é: O cidadão que ele indiretamente estimulou a consumir, inclusive em tempos de pandemia. A maior incoerência de todas é quando o discurso visa os mais pobres, sempre se fala que muitas pessoas vão morrer de fome e que os R$ 600,00 do auxílio emergencial serão fundamentais para que isso não ocorra, mas o governo ajuda para as pessoas comprarem alimento ou sapato?

Pra ficar bem claro, o auxílio é positivo, no entanto, só ajuda a estancar a sangria do problema. Se as pessoas não terão dinheiro para comer, qual a finalidade de ter reaberto o comércio geral, sendo que os mais essenciais sempre estiveram abertos? O comércio geral, no seu todo, precisa também sobreviver, mas o discurso político mascara a capacidade que o estado e que as demais instituições políticas ancoradas nele camuflam. É simples, o discurso agrada a todos e autoriza o fluxo econômico, mas na hora que os números do coronavírus se tornam ameaçadores, culpam a população.

Qualquer comércio tem o direito de reabrir e estar ativo, a questão é que eles estão desamparados, obviamente que eles seguem os protocolos de saúde e prevenção, mas no fundo, se algo der errado, os primeiros a serem fechados provisoriamente serão eles, os estabelecimentos comercias, infelizmente, por uma questão de discurso que não se sustenta na prática social.

A aposta fracassada na consciência da população

Em um certo momento, a discussão foi saúde versus economia, sendo que uma teria vida curta sem a outra, em outras palavras, uma se sustenta na outra. Nessas últimas semanas, muitos municípios e estados fizeram e fazem o uso do toque de recolher. A primeira questão estranha é o seguinte: como o toque de recolher terá efeito massivo sem o decreto de estado de sítio?

Aliás, o estado de sítio no Brasil é decretado pelo personagem principal e maior do poder executivo do país. Essa afirmação tem algumas provocações, a maior delas é que o toque de recolher é facilmente “passado pra trás”, simplesmente pelo fato dele ser brando, dócil e de caráter recomendável. Ele pode sim ajudar, mas a mensuração disso é de difícil acesso, nem se sabe se o contingente fiscalizador é o suficiente para vigiar a “irresponsabilidade” das pessoas.

O toque de recolher é olhado como uma sugestão paliativa e não como uma regra. Você pode imaginar, isso é culpa da população, entretanto, a consciência que falta em alguns maiores de idade, se perde em muitos menores de idade, isso é um efeito escancarado que o Brasil enquanto política educacional falhou, não se deve apenas responsabilizar o estado por tudo, mas o processo educacional formalmente arquitetado pelo estado, tem um valor de preenchimento considerável nessa engrenagem.

Ainda tem as aglomerações que devem ser evitadas. O Brasil caminha para se transformar no país das aglomerações civilizatórias, o país que politicamente não abdicou do Carnaval por uma questão comercial na iminência do contágio interno em solo nacional, o país que politicamente adora advertências verbais e “educativas”, o país que politicamente considera quase tudo essencial “menos” os cultos religiosos, o país que politicamente pode ter o retorno do futebol e mantar as escolas fechadas, esse país politicamente dizendo, definitivamente não estava preparado para uma pandemia, o problema é estrutural, o Brasil não se tornará preparado em 3, 4, 5 meses, o Brasil poderia estar preparado, mas pra isso ele precisaria voltar no mínimo uns 70 anos no tempo e lapidar uma política mais inteligente e decente.

Por fim, no meio desse poço de incoerência chamada política nacional brasileira, o Ministério da Educação (MEC), nem sequer descartou a possibilidade de cancelamento do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), e só uma informação que talvez o MEC não saiba, não está tendo aula presencial no país. Ironia à parte, o discurso político tem o efeito de manipular as massas, prometendo um tal horizonte próspero, mas se olharmos o cenário, o Brasil já é um país com o carimbo de contaminado e nem sinal da tal curva ser achatada, por falar nisso, os especialistas ampliam as possibilidades de pico da pandemia no país da “ordem e do progresso”.

O maior problema é que a maioria dos discursos políticos vendem uma ideia que eles não conseguem bancar na prática, simples assim, era menos arriscado não ter vendido.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here