Denis Pereira – A Voz da Notícia

A Câmara Municipal de Três Pontas promoveu mais uma sessão ordinária nesta segunda (29), contando com a presença de todos os seus vereadores. Eles receberam uma homenagem, com a leitura de um texto que enfoca o Dia do Vereador, que será comemorado no dia 1º de outubro, destacando a sua importância e o papel de cada um para a comunidade.

Fugindo a regra, sem ninguém inscrito para o Pequeno Expediente, o presidente Sérgio Eugênio Silva (PPS), caminhava para o fim da sessão já que a pauta estava vazia. Mas, como o previsto e anunciado pela Equipe Positiva, coube ao vice presidente Luis Carlos da Silva (PPS), pedir a inclusão do projeto de lei que determina a conclusão das obras de dois postos de saúde e de um centro de pediatria e outro para autorizar o pagamento de um financiamento de quase R$2 milhões. Aproveitando a oportunidade, Paulo Vitor da Silva (PP), destacou a importância do projeto de número 109, que beneficia a Associação Trespontana dos Catadores de Materiais Recicláveis (ATREMAR).

Com a aprovação unânime, a pauta foi formada e as discussões entre oposição e situação se afloraram com a questão das obras inacabadas.

O projeto de lei 107 de 25 de setembro, foi protocolado na última quinta-feira (25), com pedido de urgência, abre crédito no orçamento no valor de R$838.198,43, para concluir as obras paralisadas que iniciaram em 2009. São duas Unidades Básicas de Saúde (UBS) nos bairros Morada Nova e Peret e um Centro de Pediatria no Jardim Paraíso. O prazo para conclusão das obras, de acordo com a Secretaria de Estado de Saúde é até abril de 2015.

Antônio Carlos de Lima (PSD), questionou se foram concluídas a tomada de contas especial aberta pela ex-prefeita Luciana Mendonça, quem foi ou será responsabilizado e pegou um trecho da mensagem enviada ao Poder Legislativo para criticar. Nele, a Administração afirma – “quando se administra com profissionais capacitados, aliado à vontade política de atender aos reclamos da população, quase todos os entraves são solucionados, sendo que a população trespontana é quem verdadeiramente ganha com tais atitudes”.

Crítico ferrenho a gestão e ao prefeito Paulo Luis, Antônio lembrou que estas obras já deveriam estar concluídas, mas que falar de herança é coisa que o prefeito bem conhece.

Paulinho também questionou o teor do texto do projeto e focou no ponto em que o Executivo chama quem está do seu lado de competente e com vontade política. “Fico meio sem saber quem são, porque quem estava no setor de convênio na gestão anterior, é hoje secretária de Administração e Recursos Humanos Evânia Rocha Moreno. Ela e outras pessoas é que tinham o condão para resolver os problemas. Assim, como o engenheiro [Miguel Bertozzi] que realizava a obra e é hoje secretário de Agricultura. “Mas com o tempo as coisas vão vindo a tona. Será se só agora estas pessoas se tornaram competentes. Hoje eles tem cargos superiores aos que tinham,” disse Paulinho.

O vereador voltou ao dia da posse, falou do Decreto de Estado de Emergência e da dívida de precatórios que até hoje não foram respondidos, o que para Paulinho é uma grande mentira, obras inacabadas e outras que estão prontas mas não foram inauguradas, o que causou um grande prejuízo.

A vereadora Valéria Evangelista Oliveira (PPS), discursou em favor da harmonia e do debate em torno do projeto, o que segundo ela, mais uma vez foi desvirtuado. Depois, vieram outros que condenaram sua posição. Valerinha voltou e contra atacou quem não aceita a opinião dos colegas. “Eu não tenho que ter a mesma opinião que o outro. Basta a gente abrir a boca que vem outros em cima e passam como um trator. Respeito a opinião de todos mas exijo respeito comigo e com o meu posicionamento. Tenham dó, parem de falar, é ridículo”, falou a vereadora demonstrando estar irritada.

Valerinha disse que respeita a opinião de todos e exige o mesmo com seus posicionamentos
Valerinha disse que respeita a opinião de todos e exige o mesmo com seus posicionamentos

Como oposição e situação já anunciavam todos votaram favoráveis ao projeto de lei.

O outro projeto pedido por Luisinho entrou em pauta e também foi aprovado por todos. De número 108, ele altera o Plano Plurianual de 2014 a 2017, a Lei do Orçamento abrindo crédito adicional especial no valor de até R$1.948.900,00 para iniciar os pagamentos da operação de crédito aprovada pelo Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), para aquisição de ônibus para o transporte escolar de estudantes. Falta esta autorização legislativa para que haja a liberação dos veículos para a Secretaria Municipal de Educação.

Na mensagem deste projeto, o Executivo também chama a atenção, que não foi percebida pela oposição, quando registra que a conquista é fruto de variados apoios políticos pactuados pela Administração Municipal, diferente de outras épocas onde se tinha apoio político unitário.

Por fim, a pedido de Paulinho, o projeto 109 de 25 de setembro que também adéqua o orçamento de 2014 com abertura de crédito adicional especial de R$29,5 mil que vem da Fundação Nacional da Saúde que visa a compra de equipamentos para a ATREMAR para a melhoria da sua infraestrutura que agora já funciona em sua sede própria. A lei foi aprovada por unanimidade.

Contas de 2009 e 2010 aprovadas

Durante a leitura das correspondências, a secretária da Mesa Diretora vereadora Alessandra Vitar Sudério Penha (PPS) registrou que as contas de 2009 e 2010 da Câmara Municipal, quando José Henrique Portugal era presidente foram aprovadas pelo Ministério Público de Contas de Minas Gerais.

COMPARTILHAR

1 Comentário

  1. JESUS AMADO!!!! 1.948.900,00 VIABILIZAM QUANTOS ÔNIBUS SERÁ HEIN GENTE???? PELO MENOS UM DESSE MONTANTE PODE IR PRA GENTE DA ESCOLA AGRÍCOLA….POR FAVORZINHO, DIZ QUE SIM, DIZ!!!PRESENTE DO DIA DO PROFESSOR E DIA DA CRIANÇA…

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here