O presidente da Câmara Maycon Machado, observado pelo vice Antônio do Lázaro, anuncia que com a economia feita está possibilitando a devolução antecipada de R$80 mil dos cofres da Câmara para ser investido na prevenção e combate ao Coronavírus. Fotos: Equipe Positiva

 

A Câmara realizou sessão na noite desta segunda-feira (13), seguindo o mesmo ritual das últimas semanas, com portões fechados, a utilização de máscaras pelos vereadores e servidores, além da disponibilização de álcool em gel para prevenir o contágio do novo Coronavírus. Não havia nenhum item na pauta, mas foi inserido um único projeto de lei do Poder Executivo, com pedido de votação em caráter de urgência. A proposta é uma mudança no Orçamento para a destinação de recursos na ordem de R$264.426,42 para ações de combate à Dengue, Chikungunya, Zika e especialmente o Coronavírus. Deste montante, R$50.257,76 serão destinados à Santa Casa de Misericórdia do Hospital São Francisco de Assis, que são recursos recebidos da Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais.

Os vereadores falaram pouco sobre o projeto, destacando apenas a participação importante do Poder Legislativo na destinação de recursos financeiros para enfrentar esta fase difícil que mudou a rotina e a vida dos trespontanos.

Vereadores dizem que especialistas é que precisam opinar sobre reabertura do comércio 

Os vereadores não irão opinar sobre a reabertura do comércio, que está fechado como medida de prevenção ao contágio do Covid-19. Em um ofício endereçado aos parlamentares, o prefeito Marcelo Chaves Garcia (PSD), informa que encaminhou à Promotoria de Justiça, solicitando que o Ministério Público se manifeste sobre a flexibilização das normas sobre a abertura gradual do comércio. No documento, são várias as justificativas onde são apontados os reflexos do fechamento do comércio apresentado pela Associação Comercial e Agroindustrial e foram elencadas as medidas que o Município está adotando na força tarefa.

O prefeito pediu que os vereadores se manifestassem sobre a possibilidade de reabertura do comércio com urgência, que fosse inclusive abordado o assunto na sessão desta segunda-feira, tendo em vista a necessidade de rapidez na decisão para os comerciantes e empresários.

E os parlamentares responderam, mas não pouparam críticas à Administração, pois segundo eles, não há como avaliarem uma situação como esta que deve ser feita por profissionais técnicos da área. Todos os que abordaram o assunto, falaram da necessidade do comércio funcionar, mas demonstraram a preocupação quanto as medidas de prevenção a saúde.

O vereador Luis Carlos da Silva (PP), chamou a atenção para o ofício recebido que copiaram e colaram, esquecendo de retirar o trecho que menciona a Promotoria. Luisinho lembrou que existe um Comitê de Crise, com profissionais capazes de avaliar a situação da pandemia e os reflexos que podem surgir com a normalidade no comércio. Os empresários estão falindo e para ele, é preciso estudar a reabertura, impondo regras e quem não seguí-las sejam punidos. Quando aparecer casos, o que certamente irá acontecer analisa a situação novamente. Ele entende a pressão que o prefeito Marcelo Chaves deve estar sofrendo, mas a Casa Legislativa não tem condições de se posicionar e as manifestações são políticas.

O vereador José Geraldo Prado (Coelho – PSD) disse que a Associação Comercial e ninguém nunca procurou a Câmara para tratar sobre o comércio neste período. Na opinião dele, acharam que os vereadores não existiam. Da decisão da flexibilização do funcionamento do comércio, para Coelho, ela precisa ser tomada em conjunto, entre a Prefeitura, médicos, Ministério Público e profissionais da área de saúde, com coragem, o que parece estar fazendo falta no gestor. Aproveitando o seu tempo no Pequeno Expediente, Coelho voltou a atacar a Administração afirmando que tem secretário que manda mais que o prefeito. Um deles, teria tido a uma pessoa que vereador “só enche o saco”. Esta resposta teria sido dada a um morador que procurou uma secretaria que o legislador não citou qual. O vereador esbravejou que quem não está dando conta do trabalho basta deixar o cargo.

O vereador Sérgio Eugênio Silva (Cidadania) comentou a situação que ele considera injusta. Os ônibus circulares estão andando lotados, cheios principalmente de idosos. Por isto, diz que é uma grande injustiça com os lojistas e donos de restaurantes que estão impedidos de abrirem seus estabelecimentos. Em Cássia, segundo Sérgio, o Decreto Municipal de lá, obriga os supermercados a venderem apenas gêneros alimentícios, possibilitando mais justiça com os outros setores. Na visão dele, do jeito que a cidade está lotada, o ideal é permitir que o comércio volte a funcionar, tomando as devidas precauções. O resultado da proibição em Três Pontas, é que os comerciantes estão demitindo funcionários. O cunhado de Sérgio por exemplo, já dispensou 18 funcionários de todas as suas empresas e isto tem se repito em outros comércios. O ideal é que algum vereador integrasse o Comitê de Crise que trata do Coronavírus.

A secretária da Mesa Diretora Marlene Rosa Lima Oliveira (PDT), justificou que mesmo com a pandemia, a Febraban tem uma parcela de culpa, por não liberar que os aposentados saquem de uma só vez a aposentadoria. É que eles tem o limite de R$600 por dia para fazer a retirada. Por isto, precisam ir pelo menos duas vezes nas agências, e enfrentarem as filas. O ideal era aumentar o limite de saques e transferências, sugeriu a vereadora.

Sobre o isolamento social, Marlene revelou que o Distrito do Pontalete ficou cheio neste fim de semana prolongado. Tinha familias inteiras e amigos na orla do Lago de Furnas, nos bares e nos ranchos, fazendo festa e comemorando a Páscoa, como se nada tivesse acontecendo. Ela está preocupada da possibilidade de turistas terem levado o Covid-19 para os moradores do Distrito. Na opinião dela, não há Decreto que faça mudar a consciência das pessoas.

O vice presidente da Câmara Municipal, vereador Antônio Carlos de Lima (Antônio do Lázaro – PSD) acrescentou na informação da colega da Mesa Diretora, que existem muitas pessoas de São Paulo (SP) indo para o Pontalete. No Distrito do Quilombo Nossa Senhora do Rosário, o movimento em bares também está normal. Na análise de Antônio, vereadores e a Associação Comercial não entendem de saúde e pessoas técnicas é que precisam tomar a decisão que o prefeito quer que os vereadores se posicionem.

O vereador Roberto Donizetti Cardoso (DEM) reclamou que quando foi confeccionado o Decreto que fechou o comércio eles não foram consultados e não adianta agora quererem saber o que eles acham. Ele alfinetou da situação díficil da grande quantidade de buracos nas ruas, citando especificamente a rua que liga os bairros Vila Rica e Vivendas do Bosque. Após a ponte, a situação é tão crítica, que um cadeirante tem que esperar todos os dias alguém para ajudá-lo a passar.

Robertinho disse que seus pedidos a partir de agora serão feitos em Requerimentos ao invés de ofícios que não são respondidos pelo prefeito. Um pedido feito por ele, ée a cópia do processo licitatório é quanto o Município gastou desde 2017, com a compra de peças em uma empresa e se não há nenhum impedimento para ela fornecer à Prefeitura. É que a empresa é investigada pelo Ministério Público na Operação Trem Fantasma.

Luiz Flávio Floriano (Flavão – PDT), lamentou que os vereadores sempre estão dispostos de ajudar a gestão, mas que a Administração está deixando a desejar. Os representantes da população estão ‘apanhando’ nas redes sociais, mas estão cansados de pedir que mantenham a cidade em ordem, citando a necessidade de limpeza e de tapa buracos em diversos locais e nunca são atendidos.

O presidente da Câmara vereador Maycon Douglas Vitor Machado (PDT), concordou com todos os colegas e finalizou que a cidade tem várias necessidades em vários setores e o Poder Executivo precisa encontrar formas de fazê-las pelo bem da população. Ele respondeu o ofício do prefeito Marcelo Chaves dizendo que a manifestação da Câmara não encontra respaldo, ou seja, não se trata de decisão plenária. Maycon terminou salientando que os vereadores que desejarem se manifestar sobre o assunto, façam de forma individual.

Câmara antecipa devolução de R$80 mil para reforçar ações do Covid-19

Maycon Machado comunicou os colegas e anunciou à imprensa que depois que o setor contábil e financeiro fez estudos, está possibilitando a devolução antecipada de R$80 mil, da verba destinada ao custeio mensal do Poder Legislativo. O valor é para auxiliar nas ações desenvolvidas pela Prefeitura, na prevenção e combate a pandemia do Covid-19. O dinheiro deve ser aplicado na Secretaria de Assistência Social; na aquisição de materiais de prevenção ao Coronavírus para a Secretaria de Saúde e de aparelhos respiradores para a Santa Casa de Misericórdia do Hospital São Francisco de Assis, necessários ao tratamento dos pacientes que se enquadrem nos casos graves da patologia.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here