Seu Carlos Roberto foi o primeiro paciente a receber sua prótese. A espera foi de dois anos em Varginha e apenas 20 dias no CER de Três Pontas. Na foto, ele com a equipe da Apae e o primeiro a esquerda é Rone Santos da Ortofacil de Varginha

Denis Pereira – A Voz da Notícia

Seu Carlos Roberto de Sant’Anna de 67 anos, foi o primeiro trespontano a receber no Centro Especializado em Reabilitação Física e Intelectual – CER II da APAE de Três Pontas sua tão sonhada prótese. Na fila de espera há mais de 02 anos no Centro de Reabilitação de Varginha, Carlos realizou na sexta-feira (08) seu sonho, graças ao início dos atendimentos em Órteses, Próteses e Meios Auxiliares de Locomoção – OPM’s no CER II.

Antes, ele precisava acordar às 6:00, pegar estrada uma vez por semana para ser atendido no Centro de Reabilitação de Varginha. Lá, fazia fisioterapia e era atendido por uma psicóloga e só voltava no fim da tarde. Agora, com a implantação do CER, está recebendo atendimento pertinho de casa e vai voltar para fazer a manutenção da prótese colocada na perna direita. Ele a recebeu 20 dias após fazer a medição pela equipe de profissionais do Centro. A perna foi amputada por conta de complicações com a diabetes.

A fisioterapeuta Camila Alves e o gerente do CER II Nuno Augusto

Camila Alves de Andrade Schiavon é a fisioterapeuta responsável pelas avaliações e dispensação. Ela conta que neste início está sendo um trabalho árduo. A dificuldade é até mesmo encontrar os pacientes que eram atendidos em outros centros. A unidade de Reabilitação de Varginha repassou ao CER II da APAE uma lista com contatos dos pacientes, mas nem todos eles atenderam as ligações. Por isto, ela orienta a todas as pessoas que eram atendidas em Varginha, a procurarem o CER de Três Pontas. O importante é que a fila de espera que conta com uma média de 100 pessoas está andando e superando as expectativas da Instituição e principalmente dos próprios usuários do serviço. Os primeiros já foram chamados para fazer as medições das OPM’s em meados de janeiro, e as primeiras 15 órteses e próteses estão sendo entregues. A expectativa é começar agora em março, a entrega das cadeiras de rodas.

Afonso Vinício Silvério (foto) de 54 anos é motorista, e utiliza próteses nas duas pernas. Ele conta que ficou muito feliz quando recebeu a ligação de que ele seria a partir de agora, atendido Centro instalado na Apae. “Agora estou no quintal de casa”, brinca ele. Em Varginha foram muitas viagens para passar pela equipe de profissionais que agora o CER da sua cidade também disponibiliza – fisioterapeuta, ortopedista e psicólogo. Depois que colocou as próteses, foi preciso fazer as manutenções. Na semana passada, ele foi até o Centro para fazer a medição porque já está na hora dele trocar as próteses que ele tem. Ele já soube que a espera é rápida. Menos de 30 dias. A primeira foi colocada na perna direita há nove anos. Vinício teve que colocar pinos de platina quando era bem jovem. Eles infeccionaram e foi preciso amputar o membro. Há dois anos, ele tropeçou em um taco, machucou o dedo do pé, teve uma infecção e necessitou amputar a outra. Apesar de tudo, leva uma vida normal, quando está vestido de calça ninguém percebe que ele tem duas próteses, que logo vão estar novinhas.

O sentimento é de felicidade, revela a fisioterapeuta Camila Alves. Muita gente chorou ao receber sua prótese e órtese. Ela contou que alguns pacientes disseram que aguardando a oito anos e que agora ganham de novo sua independência. Eles planejam uma nova vida e até buscar uma vaga no mercado de trabalho, o que antes pensavam ser impossível.
Ter o reconhecimento da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais e do Ministério da Saúde, apesar do trabalho de excelência realizado ao longo de tantos anos, para receber o Centro Especializado de Reabilitação não foi tarefa fácil para a Apae.

O Centro Especializado em Reabilitação que atua na habilitação/reabilitação de pessoas com deficiência intelectual/autista e física se tornou referência na microrregião. Cerca de 130 mil pessoas estão sendo beneficiadas, além dos usuários de Três Pontas, os moradores de Santana da Vargem, Coqueiral, Boa Esperança e Ilicínea, tem o Centro de Reabilitação da Apae de Três Pontas como referência. A demanda estimada é de 13 mil pessoas com deficiência.

Atender às pessoas com deficiência física era um desafio, revelam a Superintendente Maria Rozilda Gama Reis e o Gerente do CER II, Nuno Augusto Alves, tanto para os usuários que utilizam as bolsas de ostomia, quanto os que precisam das órteses, próteses e meios auxiliares de locomoção. A efetivação dos novos serviços feitos pelo Centro, é resultado do empenho e dedicação de várias pessoas e autoridades, o que deixa claro que o resultado do trabalho em equipe, quando é bem feito, traz grandes conquistas. O objetivo é atender de forma humanizada e rápida todos usuários da microrregião. Mais informações estão disponíveis pelo telefone do CER II (035)-3265-1127.

Rone Santos fazendo ajustes em uma prótese na sede do CER

COMPARTILHAR