*Cafés fazem parte da linha Montrês, com o diferencial de ter saído da lavoura de produtoras rurais cooperadas

O empoderamento feminino, basicamente, se refere a dar poder para outras mulheres e cada uma assumir seu poder individual. Com isso, há crescimento e fortalecimento do papel de todas na sociedade.

Empenhadas a se transformarem em protagonistas de sua própria história, as mulheres tem conquistado, cada vez mais, espaço em setores do agronegócio e principalmente no café. O segmento era predominantemente ocupado pelos homens do campo. Foram! Hoje esta máxima foi desconstruída. E por isto, a Cocatrel entrou nesta onda e criou o “Cafeína”, um grupo de mulheres cooperadas, com o objetivo do empoderamento em todos os sentidos. Mais informação, capacitação, participação em eventos voltados para o público feminino e o café e, o mais importante, a participação mais ativa e próxima da gestão da cooperativa.

Sabe-se que a cafeína possui grandes benefícios para a saúde como gerar energia, melhorar o foco, aumentar a atividade cerebral, atuar como antidepressivo leve, o que melhora o humor, entre outros. Quando se pensou em um grupo para mulheres, não se pensou em características que já são clichês como frágil, bonita, delicada, sensível e submissa, ao contrário, dentro do empoderamento, procura-se mulheres atuantes, com energia de sobra para mudar o mundo, tudo isso com muito profissionalismo e bom humor.

Nesta terça-feira (19), elas deixaram suas atividades rotineiras, seja nos negócios, na lavoura de café e tarefas de esposas e de mães, para irem para a Cocatrel. Noventa mulheres, que são cooperadas, ou pessoas com vínculo com os cooperados, como esposas, filhas e irmãs, foram ver de perto as instalações do Armazém, o que poucas conheciam e ainda fizeram um bate papo informal com os membros da diretoria e conheceram durante cerca de duas horas, como é o funcionamento da cooperativa.

De acordo com a assessora de comunicação Ana Luisa Leite, até certo tempo, as mulheres estavam distantes da cafeicultura e hoje, pelo menos 25% delas, estão juntas com os maridos, quando não é ela que está a frente das propriedades. “Queremos a participação ativa delas, que elas estejam mais próximas da gestão da cooperativa, com a troca ideias, sugestões, críticas e apoio”, relatou Ana Luisa.

A ideia de se formar o “Cafeina”, surgiu no 1º Encontro das Cafeicultoras do Sul de Minas, realizado ano passado na Cocatrel. Foi também em 2018, que se instituiu o prêmio “Cafeicultor Inspiração”, entregue à cooperada Dona Henriqueta Miranda Carvalho Silva que dedica mais de 60 anos às suas lavouras em Três Pontas. A cooperativa percebeu em eventos que realizava, grupos de mulheres uniformizadas. O primeiro passo foi convocar as colaboradoras que iniciaram algumas reuniões. A principal ferramenta de trabalho será um grupo de whatsapp para a troca de informações saudáveis sobre o café.

O grupo já tem uma logomarca própria, que partiu da ideia do símbolo do feminino. Depois veio a mão, que simboliza o feminismo, no sentido de valorizar a mulher como um todo, principalmente dentro do agronegócio. O ramo de café, o esmalte e a fonte vermelha, deram um toque feminino, forte e cheio de energia e como fundo, o azul da linha de café especial, o Montrês. A expressão “Mulheres que Produzem”, que está na logo, dá margens para a continuação: produzem café, produzem filhos. Na verdade produzem o que elas quiserem produzir.

Já existe um cronograma a ser seguido. No próximo dia 15 de março, vem ai o II Encontro das Cafeicultoras do Sul de Minas, realizado pela Cocatrel, o evento já tem presenças importantes que irão debater temas fundamentais para o setor. Depois tem um curso de cafés especiais que vai tratar da gestão da qualidade. Ele será realizado em parceria com o Grupo Unis, será um encontro mensal e começa em 21 de março. Em seguida, tem a 6ª Feira de Negócios (Fecom), entre os dias 26, 27 e 28 de março, no Espaço Cocatrel, em Três Pontas e depois a Expocafé 2019 de 15 a 17 de maio, na Fazenda Experimental da Epamig também em Três Pontas.

O café “delas” – Violeta e Pérola

O evento no Auditório da Cocatrel, também serviu para a cooperativa lançar mais duas marcas de cafés especiais, que se junta a linha Montrês, que possui edições sazonais e limitadas e já é conhecida pela qualidade e sabor marcantes. Produzidos com cafés cuidadosamente selecionados desde a origem, a linha Montrês utiliza, como matéria-prima, os melhores grãos especiais de café 100% arábica, em um encontro de aromas e notas que irá surpreender os paladares mais exigentes.

Mas porque lançar os cafés em um evento para mulheres? O diferencial destes de agora, é que os grãos foram produzidos em propriedades de mulheres ou comandadas por elas. Mantendo a identidade da linha, eles chegam com nomes de cores que também são nomes de mulheres, em blends com pontuação acima de 86 pontos e notas bem marcantes. “Pérola” e “Violeta”, os novos Montrês, vieram da lavoura de nove produtoras. Os novos Montrês estão disponíveis para venda na Cafeteria Cocatrel e também na loja online da cooperativa. A entrega é feita em todo o Brasil.

Pérola: possui notas de baunilha e caramelo, toque floral, corpo e acidez equilibrados e doçura marcante.

Violeta: possui notas de uva, sabor licoroso, tom de uva passa, corpo médio, acidez brilhante e doçura intensa.

As produtoras cooperadas foram homenageadas e receberam presentes personalizados da Cocatrel, entregues por diretores e membros do Conselho. Nem todas puderam comparecer, mas enviaram representantes. São elas: Ana Tereza Ribeiro Lima, Andreia Rodrigues Lourençoni, Elizabete Abreu Azarias, Enoe Nazaré Reis, Isabela Lima Reis, Isamara Mesquita Botrel, Luciana Rbim Reis, Maria da Glória Cruz e Susy Nascimento Avelar Ribeiro.


Novo conceito

Em primeira mão foram apresentadas no evento, as novas logomarcas para os produtos produzidos pela Cocatrel. As embalagens antigas serão renovadas por artes que já foram desenvolvidas, mas serão implantadas com o tempo, com foco no consumidor final.

A logo da cooperativa continua a mesma, porém, o nome de Três Pontas retirado. Ele já está no seu próprio nome (tre) e tem muito orgulho disso, porém, de acordo com a Supervisora de Comunicação e Marketing, Carolina Veloso, a Cocatrel quer mostrar que está presente, junto e forte nos outros municípios, principalmente onde tem unidade de recebimento. “ Queremos crescer, ampliar negócios na região e fazer com que as outras localidades se sintam mais acolhidas”, pontuou Carolina Veloso.

Integrantes do grupo Cafeina, conheceram as propostas do grupo e as novas logomarcas desenvolvidas para os produtos da Cocatrel

COMPARTILHAR