José Rodrigo ao lado da famosa, Dona Glorinha. (Foto: Equipe Positiva)

Por uma questão estatutária não poderá mais compor a diretoria, mas estará como voluntário ao lado da próxima gestão.

O então “Presidente” da Vila São Vicente de Paula, José Rodrigo Ferreira, comunica que não estará mais à frente da instituição. Sua gestão foi encerrada no último dia 6, quando cumpriu seu segundo mandato entre abril de 2015 até agora. O momento é de espera para iniciar o processo que elege um novo presidente, provavelmente, até dia 10 de maio.

 José Rodrigo, por uma questão estatutária, não poderá mais compor a diretoria, porém, garante a disponibilidade em continuar como voluntário da instituição, garantindo, segundo ele, “o dom de servir”. O posto de Presidente ocupado por José Rodrigo é, também, uma posição de voluntário. Embora seja grande o nível de exigência, o cargo nunca foi remunerado.

A Vila Vicentina atualmente possui 38 funcionários. O lar tem capacidade para abrigar 60 idosos, hoje, são 58 ao todo. Segundo o gestor, em seu mandato, o trabalho coletivo e com a comunidade deixou a Vila em outro patamar: – A Vila deixou de ser simplesmente uma casa de idosos e passou a ser gerida de fato como uma empresa, não visa lucro, mas tem receita e contas a pagar.

Recentemente, a Vila passou por uma readaptação em sua estrutura, cumprindo exigências dos Bombeiros e tornando o espaço muito mais confortável e seguro para os idosos.  A reestruturação do prédio de acordo com as normas dos bombeiros, era o um dos objetivos da gestão, tanto quanto a implantação do projeto de AVCB (Auto de Vistoria do Corpo do Bombeiros), que visa a prevenção ao incêndio. Além da obra, os projetos e a divulgação da Vila São Vicente de Paula, foram mais sólidos, metas cumpridas e um cuidado com o próximo são fatores positivos durante todo o percurso da Vila.


Partes internas da Vila após a readaptação estrutural. (Fotos: Equipe Positiva)

A contribuição e o apoio de coletivos dispostos a ajudar quem precisa, foi primordial para a instituição. O projeto Amigo da Vila, desenvolvido junto ao Grupo Unis, deslanchou e é um sucesso entre eles, a relação com as escolas do município é de total eficácia e carinho. Em campanhas para arrecadar produtos de higiene pessoal, os colégios são cruciais para movimentar e propagandear o intuito e as solicitações da Vila, em especial a Escola Sagrado Coração de Jesus. As lojas maçônicas de Três Pontas, as igrejas católicas e as igrejas evangélicas, também oferecem uma ajuda considerável na obra de acolhimento a vida de idosos e pessoas que precisam desse auxílio.

Em seu quadro de funcionários, a Vila possui enfermeiros, além, é claro, de nutricionista, assistente Social e um médico, este último sendo voluntário. De acordo com José Rodrigo, as doações são alicerces que contribuíram muito. O agradecimento é o que simboliza o tamanho do apoio que a casa de idosos sempre recebeu, “no geral a gente gostaria de agradecer esses parceiros durante os 4 anos, confiaram no nosso trabalho, depositaram essa credibilidade na gente. Em especial, aos escoteiros, Interact, Rotaract, Rotary, o grupo dos Trespontalhaços e a Prefeitura Municipal que também tem nos ajudado bastante, os deputados estaduais e federais que tiveram participação aqui, Mario Henrique “Caixa”, Carlos Melles, Geisa Teixeira que na época era deputada, Fábio Cherem. O ex-prefeito Paulo Luis era uma pessoa muito presente aqui na Vila, a Vila hoje recebe subvenção pública graças ao empenho dele, enfim agradecer a comunidade em geral”.

(Foto: Equipe Positiva)

José ainda enfatiza dizendo que não vai deixar a Vila, apenas não será mais Presidente, “não estou saindo da vila, estou deixando o cargo de Presidente, um cargo no qual ocupo voluntariamente para servir aos idosos aqui e a comunidade trespontana. Estarei junto, tem muitos projetos encaminhados para acontecer, a gente quer efetivar esses projetos e gostaria que a comunidade continuasse apoiando os trabalhos que são desenvolvidos aqui na Vila”. O legado da Vila é nítido, não só pelo fato de ter consolidado laços com a comunidade e aperfeiçoado sua estrutura, mas principalmente por duas coisas, uma comunicação no sentido de divulgação dos projetos, programas e valores, como também no zelo e interesse pelo outro. A comunidade abraçou a Vila, assim como outras instituições, a dedicação coletiva e o trabalho para o próximo, pensando no bem-estar do próximo, são frutos que deixam legados não só aos idosos, mas para aqueles que de alguma forma contribuem sem pedir nada em troca.

COMPARTILHAR