Foto: Divulgação Corpo de Bombeiros

 

*Arcanjo da Corporação foi acionado em Três Pontas para 20 atendimentos

A 2ª Companhia Especial de Operações Aéreas do Batalhão do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais, sediada na cidade de Varginha, completou nesta terça-feira (28), quatro anos de atuação. Desde sua inauguração em 2016, a Companhia atendeu 981 ocorrências, alcançando um total de 633 vítimas transportadas. Os militares atuam em operações de resgate, busca e salvamento, transporte de pacientes, transporte de órgãos e combate a incêndio florestal.

A Companhia conta com uma aeronave Esquilo AS350 B2 e cobre um total de 150 cidades com o único objetivo de salvar vidas. Atuam na 2ª Companhia 9 bombeiros militares, 7 médicos e 7 enfermeiros do CISSUL/SAMU Consórcio Intermunicipal da Macro Região do Sul de Minas. Visando o sucesso nas missões, é mantido por todos um elevado índice de profissionalismo, com foco no treinamento continuado e na adaptação às operações aéreas.

Em Três Pontas foram 20 atendimentos em diversas atividades operacionais. A Equipe Positiva, reuniu os vôos mais importantes registrados por nossa equipe neste período. Muitos deles foram casos que chamaram a atenção da população, que se uniram em oração pelas vítimas e viram a esperança ser renovada em voos pela vida, na missão desempenhada por estes heróis.

A menina viajou entre os profissionais de saúde. Foto: Arquivo EP

Em agosto do mesmo ano da implantação, o Arcanjo do Corpo de Bombeiros transferiu para o Hospital Alzira Velano em Alfenas, uma menina de 10 anos vítima de atropelamento. Micaeli Aparecida Lopes estava em observação no Pronto Atendimento Municipal (PAM) e sofreu um corte na testa provocado por uma pancada na cabeça. Consciente, conversando e sem a necessidade de qualquer aparelho, a garotinha foi levada ao meio dia, pela ambulância do SAMU do PAM para o Estádio Municipal Ítalo Tomagnini. Lá a aeronave com a equipe médica já a aguardava para a transferência.

Amigos do rapaz foram acompanhar a transferência feito pelo Arcanjo. Foto: Arquivo EP

Em novembro de 2016, a Aeronave sobrevôou o município e desceu novamente no  Estádio Ítalo Tomagnini. A equipe já era aguardada pela Unidade de Suporte Básico (USB) do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), com um rapaz de 32 anos, vítima de um disparo de arma de fogo enquanto jogava futebol em uma quadra no bairro Santa Edwirges. Ele foi socorrido e estava internado em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital São Francisco de Assis. Danilo Mendonça Silva foi transferido de helicóptero para o Hospital da cidade de Itajubá. Colegas de trabalho e familiares se uniram em oração ao lado da aeronave no estádio. Ambos os pacientes lutaram pela vida, tiveram a oportunidade de ter a Companhia sobreviveram e voltaram a vida normal.

Equipe da Santa Casa levou a menina até a Aeronave no pátio do Hospital. Foto:: Arquivo EP

O Arcanjo pousou também no pátio da Santa Casa de Misericórdia do Hospital São Francisco de Assis em março de 2019. Uma menina de apenas cinco anos, vítima de um acidente na rodovia MG 167, entre Três Pontas e Santana da Vargem, foi levada para Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica (UTI), do Hospital Samuel Libânio, em Pouso Alegre. A garotinha havia sofrido uma lesão de coluna toráxica e uma contusão pulmonar, mas foi transferida conversando e estável. A menina estava com os pais e seu irmão de apenas três meses de vida, que não resistiu aos ferimentos e morreu na hora. É que ele foi ejetado, depois que o veículo que a família estava caiu em uma ribanceira.

Imagem feita pelos Bombeiros mostra as buscas pela água e pelo céu de Três Pontas. Foto: Corpo de Bombeiros

O Corpo de Bombeiros empenhou grande parte do seu efetivo, incluindo a Aeronave Arcanjo na busca incessante pelos primos de 11 e 17 anos, João Pietro Amaral e Henrique Daniel Fialho, que se afogaram e desapareceram no Lago de Furnas, na região da “Prainha”, zona rural de Três Pontas, em dezembro de 2019, durante uma tarde de pescaria da família. Para cobrir uma área maior de buscas, durante vários dias, pela água, por terra ou pelo céu, o Arcanjo com seus profissionais a bordo não conseguiram encontrar os meninos. Apesar de um esforço que mobilizou e comoveu pessoas de vários lugares, 25 dias depois os corpos não foram encontrados e as buscas foram encerradas sem sucesso. Durannte uma missa celebrada no local do afogamentos, os Bombeiros foram homenageados e tiveram o trabalho reconhecimento pela família e amigos dos garotos.

O comandante da Companhia Aérea é o Major Fábio Alves Dias de 42 anos. Ele é bombeiro militar a 20 anos e piloto a 15. Está em Varginha a quatro anos desde a implantação do novo serviço e o pior momento, é quando decola e não consegue cumprir a missão e realizar o salvamento. O vôo mais difícil que fez em Três Pontas, não faz muito tempo, a cerca de um mês.

De acordo com Major Dias, o chamado para uma transferência entrou no fim do dia, já no por do sol, dada a gravidade de uma criança que estava internada e precisava ser levada para Alfenas. O vôo foi no período noturno, o que aumenta os riscos. A Aeronave decolou já estava escuro e a equipe ainda teve que retornar a Varginha. Mas felizmente, graças a Deus e ao profissionalismo da tripulação deu tudo certo.

Fotos: Divulgação CBMMG

 

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here