Daniel Alves, destaque do Brasil no torneio já enfrentou os peruanos na primeira fase. (FOTO:Lucas Figueiredo/CBF)

Por Loui Jordan

A final da Copa América traz um favorito e uma surpresa. Brasil e Peru farão a decisão do torneio. O Brasil eliminou seu maior rival, Argentina, já os peruanos eliminaram o Chile. A seleção brasileira é ampla favorita na decisão do Maracanã, no entanto o Peru se mostrou um time que sabe lidar com as adversidades e pode sim, complicar a “obrigação” do Brasil de vencer a competição em casa. Esqueçam o que passou, final é final, no dia 7 de julho o Rio de Janeiro receberá a última partida da Copa América, até lá a equipe de Gareca, se prepara para ser mais competitiva contra o Brasil do que foi na primeira fase e a equipe de Tite, para ser mais atuante como foi contra a Argentina.

Resultados da Semifinal

Brasil 2 x 0 Argentina / TERÇA (02)

Chile 0 x 3 Peru / QUARTA (03)

Jogos finais

Terceiro Lugar – Argentina x Chile / SÁBADO – 16 HORAS – ARENA CORINTHIANS

Final – Brasil x Peru / DOMINGO – 17 HORAS – MARACANÃ

Brasil se fortalece contra a Argentina, Peru elimina e convence diante do Chile

Entre as duas vitórias, por incrível que pareça, o Peru foi mais convincente no sentido de oportunidade. É bom deixar claro que o Brasil mostrou suas armas, mas a seleção peruana foi melhor, essa é a palavra. O Brasil é mais time e se mostrou mais preparado durante o torneio, já o Peru soube progredir seu jogo ao longo do curto mata-mata.

Brasil 2 x 0 Argentina

O Brasil teve a sua melhor atuação nesta Copa América. O time de Tite soube pressionar na hora certa, bloquear os avanços de Messi e claro, jogou com uma estratégia bem assimilada pelos jogadores. Os melhores em campo sem dúvida, foram Daniel e Jesus, ambos estiveram em uma noite não só inspirada, mas também apoteótica. Na questão de funcionamento de conjunto, o time se saiu bem, Jesus foi mais ativo em outros espaços do campo, assim como Firmino.

A grande baixa foi a atuação de Arthur, o volante errou alguns passes e deixou a desejar no controle do jogo. É claro que a Argentina jogou razoavelmente bem, o problema é que muitas vezes o tipo de jogo não se enquadra com o perfil do jogador. Arthur estará na decisão, mas precisa evoluir com o sistema de jogo ao qual se adapta a seleção dependendo do seu adversário. Defensivamente, o Brasil sofreu bolas na trave e tal, mas nada de outro mundo, deve sim respeitar os peruanos, mas com a convicção que possuem um arsenal de ferramentas melhores do que a seleção de Guerreiro e companhia.

Chile 0 x 3 Peru

Chilenos e peruanos se enfrentaram em Porto Alegre a equipe treinada por Ricardo Gareca, utilizou uma performance pouco praticada pelo seu time nos últimos anos. Diferentemente do jogo contra os uruguaios, o Peru soube em certa medida, controlar o jogo e principalmente, se lançar ao ataque. Por incrível que pareça, a lesão de Farfán e a consequente ausência dele, fez com que a engrenagem peruana ficasse bem mais rápida, fora que por fatores internos, o grupo está mais unido.

Bater o Chile não é para qualquer um, aliás fazer 3 a 0 é para poucos. O atual bicampeão soube mostrar ímpeto ofensivo durante a competição e eliminou a Colômbia, o problema é a arrogância que muitas vezes atrapalha a equipe. O Chile se despediu sem reação, no sentido futebolístico, já o Peru demostrou um futebol competitivo que ainda precisa de ajustes para fazer frente a seleção canarinho. Um bom passo para os peruanos é tirar o Brasil da Zona de conforto, marcar firme desde a primeira linha de marcação, esta que por sinal, não deve ser tão avançada assim para evitar transtornos como o 5 a 0 da primeira fase.

Decisão do Maracanã

O Brasil é incontestavelmente o favorito. Isso não significa que a seleção canarinho vencerá o torneio, entretanto, tudo leva a crer que o Brasil chega a decisão com mais e melhores ferramentas para vencer. É verdade que o Peru deve levar muito a sério os erros do primeiro confronto contra o Brasil, mas o time evoluiu e conquistou um status maior do que quando chegava para disputar a Copa América.

Por fim, se a seleção peruana for campeã, será um feito histórico, afinal eliminou o Uruguai, Chile atual bicampeão e na ocasião venceria o time da casa, que é ninguém mais, ninguém menos que o Brasil. Caso o time de Tite vença, não será mais do que obrigação por “n” fatores como: jogar em casa, peso da camisa, ter um time melhor e mais “afiado” e claro, ser quem é, ser Brasil. A grande final será às 17 horas do domingo (07), no Maracanã e a equipe canarinho deve se cuidar com o “oba-oba” e o “já ganhou”, jogar e convencer se faz necessário, mas ainda não sair derrotado e com um possível vexame no bolso.

COMPARTILHAR