Foto Arquivo créditos: Gil Leonardi/Imprensa MG

 

As 2 mil doses da vacina contra a Influenza, acabaram nesta segunda-feira (23), primeiro dia de campanha, em todas as unidades básicas de saúde de Três Pontas.

Já era esperado que a quantidade não fosse suficiente para atender todo o público alvo de idosos e profissionais da saúde, já que são cerca de 7 mil idosos, acima de 60 anos, que devem imunizados na cidade.

De acordo com a Coordenadora do Programa de Imunização da Secretaria de Saúde, Lara Miranda, o Ministério da Saúde está enviando as doses de forma fracionada e gradativamente e uma nova remessa deve chegar na próxima quinta-feira (26). Os postos montaram caixas de vacina do lado de fora das unidades e sistema drive-trhu (dentro de carros), para atender idosos que não conseguem descer para que a dose seja aplicada. As salas de vacinação dos postos de saúde estão funcionando das 13:00 as 17:00 horas, exclusivamente para a imunização.

Vacina é de gripe e não de Coronavírus

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza começou com um mês de antecedência pelo momento em que o mundo enfrenta no combate à COVID-19, embora esta vacina não proteja contra o novo Coronavírus. Com isso, pretende-se proteger de forma antecipada a população contra a Influenza, além de minimizar o impacto sobre os serviços de saúde, auxiliando na exclusão de diagnósticos em virtude da nova doença. Os sintomas da gripe são semelhantes aos da COVID-19 e essa antecipação visa reduzir a carga de circulação da influenza na população, bem como as complicações e óbitos causados pela doença.

A influenza é uma infecção que pode se apresentar com gravidade, especialmente nos indivíduos que apresentam fatores ou condições de risco para as complicações da infecção. A hospitalização e morte ocorre principalmente entre os grupos de alto risco. Em todo o mundo, estima-se que epidemias anuais resultem em cerca de 3 a 5 milhões de casos de doença grave e de cerca de 290.000 a 650.000 mortes. A COVID-19 é uma doença infecciosa causada por um vírus recém-descoberto. A maioria das pessoas infectadas com o vírus experimentará doença respiratória leve a moderada e se recuperará sem a necessidade de tratamento especial, porém alguns grupos como os idosos têm mais probabilidade de desenvolver formas graves da doença.

A primeira fase da Campanha que se inicia em 23 de março tem dentre os grupos prioritários a população acima dos 60 anos de idade, que trata de um grupo com maior risco de complicações e óbitos por doenças respiratórias, dentre elas a influenza e a COVID-19. Desta forma, considerando a necessidade de vacinação desse grupo e também o risco epidemiológico de transmissão do Coronavírus, no intuito de evitar aglomerações, o Ministério da Saúde orienta que a vacinação de rotina, principalmente da criança, em todos os serviços do Sistema Único de Saúde que realizarão a vacinação contra a influenza seja adiada entre o período que compreende a primeira fase da campanha, de 23 de março a 15 de abril e orienta que a população aguarde a conclusão desta fase para que possa voltar as unidades de saúde para se vacinar.

A busca dos serviços de vacinação por pais, não está recomendada, uma vez que são importantes portadores assintomáticos e disseminadores de doenças respiratórias. A recomendação aos pais é que aguardem para comparecer aos postos de saúde a partir do dia 16, quando se encerra a primeira fase da Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza, a fim de reduzir o contato, principalmente deste público com os idosos.

Ainda, para as demais populações que compõem o calendário nacional de vacinação, recomenda-se que também atualizem sua caderneta de vacinação, a partir do dia 16 de abril. Tão logo finalize a primeira fase da campanha, em 15 de abril, que as atividades de vacinação de rotina nas unidades do Sistema Único de Saúde sejam restabelecidas e que estratégias sejam organizadas para atualização da caderneta de vacinação da criança.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here