Uma história que inspira e serve de exemplo. Principalmente para aqueles que acham que a vida não tem mais sentido, que tudo está difícil. Podemos mudar este pensamento, quando conhecemos Lucas Figueiredo de Abreu de 33 anos. Ele nasceu em Varginha, mas tem fortes laços familiares em Três Pontas, seus avós tios e primos moram aqui. Lucas nasceu sem os dois braços e é uma ótima fonte de inspiração para quem considera que nada está perfeito.

Desde pequeno foi estimado a fazer tudo com os pés e hoje não tem dificuldades. O primeiro desafio de Lucas foi aprender a escrever. A mãe e a irmã já colocavam um lápis nos pés dele para ficar rabiscando, quando ainda tinha dois anos. Assim, ele já foi adaptando os pés à função. “Sempre foi muito natural isto para mim. Desde pequeno eu fiz tudo com os pés”, revela Lucas.

Lucas expôs seus quadros, pintados com os pés

Apesar de ter necessidades especiais, Lucas frequentou a escola regular. Ele começou a desenhar com 12 anos, e com 14 anos já resolveu partir para a pintura. Sempre gostou muito de arte e, quando estava na escola viu um amigo desenhando e quis aprender. Foi atrás de um professor, ele passou algumas técnicas e depois quis optar pela pintura. Lucas é um artista plástico de causar inveja. Gosta mais das paisagens, daquelas que tem uma casinha simples na roça. Ele reproduz de algumas fotografias que encontra. Demora em média 45 a 50 horas para deixar uma tela pronta.

Estudou Direito e se formou advogado, mas não exerce a profissão, é músico e adora tocar gaita. Ele é taxativo ao dizer que não vive uma vida diferente das outras pessoas, e encara os desafios diários como qualquer um. Faz de tudo, mas sua maior vontade é dirigir. Já existem os veículos adaptados, mas ele ainda não teve condições para comprar um.

Quando estava na jornada de estudos para concurso, se deparou várias vezes com uma frase que lembra sempre. “O que um sonho precisa para ser realizado, é alguém que acredite nele”. Diz Lucas para que as pessoas não fiquem paradas, esperando as coisas acontecerem. Quem sonha ter que ir buscá-lo e dará certo.

Neste encontro dentro da II Semana Cultural Canto Aberto Cocatrel, ele expôs o seu trabalho e divulgou a Associação que integra.  A Associação dos Pintores com a Boca e os Pés, foi fundada em 1956, com o objetivo de pegar pessoas que tinham alguma limitação e pintavam com a boca ou com os pés. No começo estava apenas nos países europeus, mas acabou expandindo. Está presente em mais de 73 países ao redor do mundo, tem aproximadamente 800 artistas que pintam com a boca ou com os pés. No Brasil são 53 artistas e há um escritório em São Paulo.

COMPARTILHAR