Ao sentir qualquer um dos sintomas da Dengue, os trespontanos estão correndo para buscar atendimento no Pronto Atendimento Municipal (PAM) de Três Pontas. Nas últimas semanas, com a divulgação dos casos confirmados e o grande número de suspeitos de terem contraído a doença, o PAM está ficando superlotado, comprometendo os casos de urgência e emergência e gerando demora.

A demanda de consultas cresceu de 20% a 30% e segundo o médico chefe da unidade, Dr. Lucas Eduardo Erbst Marques, para uma média de 200 a 250 pacientes atendidos por dia, o aumento é bastante considerável.
A Dengue é uma doença sazonal, com aumento do número de casos, a cada dois ou três anos. Geralmente acontece a epidemia em um ano e no seguinte a população tem um cuidado maior, tomando mais precauções.
Há uma média de 10 a 15 notificações por dia, dos casos suspeitos de Dengue somente no PAM, mas ele explica que nem todos que apresenta um sintoma está doente.

Os sintomas da doença são febre, dor de cabeça, no corpo e vermelhidão na pele, dor no corpo, mas não são exclusivamente sintomas da Dengue. A notificação é feita apenas após avaliação de um profissional de saúde, mas posteriormente é confirmada ou não e pode ser descartada. Nem todos se confirmam, por mais que os sintomas sejam bastante parecidos. Pode ser até uma virose, porque os sintomas iniciais são muito parecidos, acompanhados de vômito, dores nas articulações e diarréia. Cada pessoa tem uma peculiaridade. “Nem toda dor no corpo é Dengue, Zika ou Chinkungunya. O importante é procurar uma Unidade Básica de Saúde, ou PSF e fazer uma avaliação médica”, orientou Dr. Lucas. Em casos mais graves, o Pronto Atendimento pode ser a indicação.

As orientações aos primeiros sintomas é procurar o posto de saúde de referência, mais perto de sua casa. Lá o paciente é avaliado pela enfermagem, passa pela triagem e depois pelo médico que tem todo o seu prontuário. Já em casos de febre muito alta, com diarréia, vomito em grande volume, com desidratação e prostração, o PAM deve ser procurado. São feitas neste caso, as medicações iniciais e o paciente é reencaminhado para a unidade de saúde para acompanhamento após a notificação. “No PAM é impossível fazer este acompanhamento. Muita gente tem nos procurado lá para nos pedir orientações sobre a Dengue e isto vai na contramão do protocolo de atendimento, diante da demanda que temos e que ainda aumentou nas últimas semanas”, esclareceu Dr. Lucas Eduardo.

O paciente com suspeita de Dengue é internado ou fica em observação em casos específicos. Geralmente quando está relacionado a desidratação e incapacidade de hidratação oral, quando há algum tipo de sangramento e quando as plaquetas abaixam muito. O médico avalia a gravidade do paciente. Se ele terá um acompanhamento diário com o profissional do posto, se ficará em observação no PAM e em último caso é internado. A recomendação para todo mundo é repouso. As crianças por exemplo, que costumam ser agitadas, tem que guardar energia para combater o vírus. Utilizar os medicamentos prescritos pelos médicos para a hidratação é fundamental para enfrentar a doença. Crianças a partir de seis meses podem usar repelentes conforme orientação médica e não podem ser medicados discriminadamente.


“A Dengue não é um problema apenas de Três Pontas”, diz o Chefe do PAM,

O ideal é cada cidadão fazer a sua parte, não acumular água no quintal de casa e verificar recipientes que podem ser criatórios do mosquito Aedes aegypti. A Dengue não é um problema apenas de Três Pontas, reforça o Chefe do PAM, mas tem sido difícil enfrentá-la e depende da colaboração de todos, todos os dias. As cidades da região estão com o sinal de alerta ligado. Em vários municípios existe uma subnotificação, que não chega a ser notificado. Três Pontas tem um serviço de notificação que funciona bem, incluindo a saúde privada.

A situação está relativamente controlada, dentro do esperado. Mas, a Secretaria de Saúde tem uma estratégia e estrutura caso seja confirmado pelo Governo do Estado a situação de epidemia. Isto já foi bastante discutido, antes mesmo de ter este aumento de casos suspeitos e confirmados. No Pronto Atendimento, a equipe de profissionais já foi reforçada. Mais um médico e um técnico de enfermagem estão atendendo exclusivamente os casos suspeitos de Dengue.

COMPARTILHAR