Por Loui Jordan

A 32ª rodada do Campeonato Brasileiro foi aberta no último sábado (03) e o líder Palmeiras recebeu o Santos e venceu o famoso jogo “crucial” para a reta final. Com o triunfo diante do rival, o Palmeiras deixa transparecer que por mais que o futebol seja imprevisível e que tudo ainda possa acontecer, o troféu só escapará caso ele, Palmeiras, tropece de forma implacável na reta de chegada.

Palmeiras 3 x 2 Santos

O confronto paulista foi no Allianz Parque e como era de esperar uma reação palmeirense pós eliminação, aconteceu. Na última quarta-feira (31), o time de Felipão foi eliminado da Libertadores para o Boca Juniors (ARG), o que se viu em campo foram posturas distintas. Já o clássico começou com o Palmeiras em cima do Santos, isto é, uma pressão para abrir o placar, o Santos durante boa parte do jogo teve a posse de bola, mas não conseguiu converter o “domínio” em finalizações.

Bem, o Verdão foi mais agudo e vertical, Dudu aos 13 minutos e Edu Dracena aos 40, marcaram e conseguiram estabelecer um bom placar em favor dos mandantes. A engrenagem ofensiva que contou com um Lucas Lima mais atento, não confunda com aceso, produziu ataques rápidos e concretos. Se a primeira etapa terminasse em 3 a 0, não seria exagero pelo volume de chances criadas.

Com os 2 a 0 para o Palmeiras, o Santos se “aventurou” mais no segundo tempo, já era de se imaginar, afinal o Peixe sonha com a Libertadores. O defeito do Santos é que não teve seus principais jogadores atuando bem, mesmo assim conseguiu o empate. A equipe de Cuca que apostava no jogo aéreo, fez seus gols com Copete aos 9 e o bom lateral-esquerdo Dodô aos 19, todos estes claro na etapa complementar. Interessante pontuar que Edu Dracena falhou no primeiro gol do Santos, nada alarmante. Edu tem uma idade já avançada e o mesmo sempre se cuidou, é muito bom zagueiro.

Falhas coletivas acontecem, um erro de tempo de bola ocasionou o susto alheio. Certamente, o jogo guardava emoção para o final. OPalmeiras não costuma se sair bem tecnicamente quando está em “maus lençóis”, no entanto contou com mais uma falha, dessa vez a seu favor. Victor Luis cobrou uma falta aos 25 minutos e com a “ajuda” de Vanderlei decretou o 3 a 2. O goleiro do Santos fez boas intervenções, mas falhou no gol de Victor Luis, o Peixe até tentou outro empate, mas não conseguiu.

Uma coisa deve ser dita, o Palmeiras foi querendo ou não, mais competente. O Santos vai brigar sim até o final por Libertadores e a vitória oferece tranquilidade ao elenco palmeirense. Um jogador ofensivo importante é Dudu, ele evoluiu com o comando de Felipão, em linhas gerais as duas equipes são até parecidas em metodologia, o que as difere são os elencos.

O Palmeiras não virou a “chave” na Libertadores!

Todos sabiam que em algum momento o Palmeiras ou outro time brasileiro na Libertadores, teria que focar em uma competição. Principalmente em termos de disputa, o Palmeiras com Felipão soube dosar o elenco para os dois torneios. A eliminação foi justa, foi dentro de campo, isso não retira a parte constrangedora. O Verdão na época treinado por Roger Machado, teve a chance de eliminar o Boca Juniors e por respeito e por ventura ética, não quis.

Sim, a estratégia faz parte, tudo vale dentro das quatro linhas, agora é focar no Brasileiro e se preparar melhor estrategicamente para a próxima competição continental. O bom para o torcedor do Palmeiras é que nenhum brasileiro vai ganhar a Libertadores.

“Só perde para ele mesmo”

Os fatos são que a Libertadores acabou, a vantagem é “bacana” considerando os poucos jogos que restam e não existe mais confronto direto. É claro que o politicamente correto dirá que o campeonato não acabou, o Internacional e o Flamengo estão na briga, entretanto pela regularidade e até mesmo esquecendo o elenco, o Palmeiras precisa melhorar sua “moral”, deve apostar sua vida no título.

Só um milagre negativo tiraria o título palmeirense. O Palmeiras hoje é a equipe mais equilibrada efetivamente dizendo do Brasileirão. Há sim, que se respeitar os poucos concorrentes, afinal ser líder com 66 pontos e cinco de vantagem para o segundo colocado Inter, é ainda um pouco ameaçador matematicamente, por mais que a regalia seja bacana. A tabela de Palmeiras e Inter não são tão complicadas. O Palmeiras não ganhou nenhum título na temporada passada, dessa vez sobrou o torneio de pontos corridos, uma coisa é certa: esse time tem mais repertório e vontade do que outros Palmeiras.

 

COMPARTILHAR

Comentários