Fotos: Equipe Positiva

 

Vinte pessoas foram intimadas a comparecer na manhã desta sexta-feira (28), na Delegacia de Polícia Civil de Três Pontas. Elas não são testemunhas e nem acusadas de cometerem algum crime. Ao contrário. São vítimas de furtos e roubos de celulares na cidade, que foram a sede da Corporação receberem de volta seus aparelhos.

A devolução faz parte da sexta fase da Operação Fim da Linha, desencadeada pela Polícia Civil desde abril de 2017, que já restituiu cerca de 100 aparelhos às vítimas. Desta vez, teve celular devolvido no valor de R$2,4 mil. As vítimas foram recebidas de forma diferente, com café da manhã oferecido em parceria com o Conselho Comunitário de Segurança Pública (Consep) Travessia.

O trabalho consiste no rastreamento dos celulares, através dos números dos IMEIS, uma espécie de chassi que são impressos na nota fiscal, na caixinha do aparelho ou nele próprio. Uma das opções é digitar no teclado *#06# para que ele seja fornecido. Uma das orientações repassadas às vitimas e que estão em panfletos que estão sendo distribuídos na cidade, reforçada pelo investigador Thiago Portugal Souza, é que a maioria dos aparelhos tem dois IMEIS e por isto, os dois precisam ser inseridos no boletim de ocorrência registrado pelas polícias Civil e Militar. Uma dica importante foi referente ao armazenamento de fotos e vídeos sensuais. Eles não devem ficar nos aparelhos, pois se caírem em mãos erradas podem ser publicadas em redes sociais e tirar muitas noites de sono.

Antes de pegarem seus celulares, todos receberam orientações de segurança e foram convocados a serem propagadores destas informações, que são essenciais para a diminuição dos casos de furtos e roubos.

Eles acontecem onde menos se imagina, dentro de casa, em festas entre amigos e até mesmo dentro de centros públicos de saúde. A dona de casa Solange Soares da Silva estava em casa a cerca de três meses, saiu da sala e foi até os fundos da residência. Em questão de poucos segundos quando voltou seu celular havia sumido. Ela nem imagina quem pode ter furtado porque estava sozinha na residência. Solange até registrou o boletim de ocorrências, informou os dados necessários, mas já comprou outro. Não tinha esperança nenhuma de tê-lo de volta. “Fiquei muito feliz quando soube que a polícia tinha trabalhado e recuperado meu aparelho”, contou Solange que agradeceu a dedicação da Polícia Civil nesta operação.

No caso de Márcio Vinhas (foto) o caso foi diferente. Ele teve seu estabelecimento invadido por criminosos que levaram bastante coisa, entre elas um celular. Nesta sexta-feira ele também foi à Delegacia e não economizou elogios à Polícia Civil.

A servidora pública municipal Laisa de Souza há um ano, passou momentos de terror que ela não esquece. Estava indo embora da faculdade, quando foi abordada por dois homens que estavam assentados na rua. Um deles a segurou por trás, fechando sua boca para que ela não gritasse e chamasse a atenção. O outro que estava encapuzado puxava sua bolsa, onde estavam seus documentos e celular. Ela reagiu e acabou cortando sua boca, foi levada para o Pronto Atendimento Municipal (PAM), onde teve que tomar até injeção antitetânica. Os criminosos acabaram arrebentando a bolsa e saíram correndo. A bolsa depois foi encontrada pela Policia Militar na Rua José Luis de Mesquita, no Centro. Segundo a Polícia Civil, o aparelho celular dela já não estava mais na cidade. Passou por Campos Gerais, Campo do Meio e a equipe de investigadores tiveram que buscá-lo em Alfenas. Como quase todo mundo, nunca  esperava que conseguiria o telefone de volta. “Eles me disseram que estavam investigando e acabou dando certo. Estou muito feliz e nem acreditando até agora”, disse Laiza.

A maioria dos aparelhos passam por diversas pessoas e todas elas respondem criminalmente, explicou o delegado de polícia de Três Pontas Dr. Andrey Alves Leite. Ele destacou que a Operação Fim da Linha é fruto de muita dedicação da equipe chefiada por ele. “Se estamos conseguindo alcançar nossos objetivos com esta operação é porque as pessoas estão informando os IMEIS e minha equipe é muito boa, dedicada e atuante”, comemorou o delegado.

O presidente do Consep Paulo Eduardo Fasano (foto) também concorda que o resultado da Operação Fim da Linha é bastante positiva e tem repercutido de forma satisfatória na comunidade. Ele também comentou as palestras que estão sendo ministradas nas escolas como forma de prevenir crimes e aproximar a Polícia Civil da comunidade através das crianças. “O Consep sempre foi e é parceiro para trazer uma sensação de segurança cada vez mais na prática”, enalteceu Fasano.

Nesta fase, mais 20 aparelhos celulares foram devolvidos aos donos
Equipe de investigadores e servidores da Delegacia de Policia Civil
COMPARTILHAR

Comentários