A Prefeitura de Três Pontas retomou na última semana, obras que ficaram paradas no período das festas de fim de ano. Elas estão sendo feitas por empresas contratadas através de processo licitatório e, que naturalmente neste período dão férias coletivas aos funcionários.  O secretário municipal de Transportes e Obras Maquil dos Santos Silva Pereira (foto), falou sobre o andamento de cada uma delas. Todas foram retomadas, algumas em ritmo mais lento por causa da possibilidade de chuva.

Asfaltamento da estrada do Foguetinho

A maior obra da atual gestão, o asfaltamento da 3,1 quilômetros da estrada do Foguetinho, que liga a região dos Quatis a rodoviária MG 167, que demanda também o maior investimento em termos de infraestrutura, totalizando R$5,5 milhões, está sendo feita pela empresa Duro na Queda de Pouso Alegre.  A obra foi retomada após férias coletivas já programadas no fim do ano passado.  A chuva estragou parte do que foi feito, principalmente as margens da rodovia e será refeito pela construtora. Ela já trouxe as manilhas que serão utilizadas na construção da rede pluvial. As máquinas que são utilizadas já estão em Três Pontas, está no canteiro de obras montado no Centro de Eventos, em um espaço que não é usado e com isto barateou os custos da obras. Nele, além das manilhas está também a chamada “bica corrida”, que é um material que substitui o cascalho, que está difícil de ser encontrado, segundo Maquil, e é o mesmo material usado na base do asfaltamento de rodovias.  No contrato assinado com a Duro na Queda, o prazo para entrega da obra é de 12 meses e a previsão é que ela seja concluída até meados do ano.

Praça do Jardim Boa Vista e Mirante

Duas obras que foram iniciadas e gera grande expectativa nos moradores é a construção da Praça do bairro Jardim Boa Vista e o Mirante no alto do Cruzeiro. Elas foram licitadas juntas e estão sendo feitas pela mesma empresa, que parou no fim do ano e já foi notificada pela Prefeitura para que retome os empreendimentos. A Secretaria de Obras admite que elas estão atrasadas de acordo com o cronograma exigido, mas a Prefeitura está fiscalizando tudo e acompanhando a execução dele.

Passagem para caminhada

A Avenida Oswaldo Cruz é um local muito usado o dia todo para a prática da caminhada. Nos cruzamentos com as ruas que cortam a avenida, a Secretaria de Obras está realizando com recursos próprios e com sua própria equipe, entre a Avenida Ipiranga e a Rua Judite Corrêa Dias, no início da Avenida Nilson Vilela, passagens elevadas para que quem estiver caminhando possa ter mais segurança. A passagem ganhará as faixas vermelhas e brancas, diferentes das tradicionais usadas nas vias.

Além disso, Maquil anuncia que os últimos dois trechos do córrego serão cobertos pela laje, obra que foi feita ex-prefeita Adriane Andrade e que será dada sequência. Isso vai acontecer assim que o período chuvoso passar.

Operação tapa buracos

Uma empresa foi terceirizada para fazer a operação tapa buracos, que oferece asfalto quente e um serviço melhor e mais duradouro está na cidade. Esta opção foi feito ano passado a Secretaria percebeu a diferença na qualidade, tanto que os buracos não sumiram, mas diminuíram bastante em relação ao ano passado. “Foram adquiridos 100 toneladas de asfalto quente que é diferente do asfalto frio que nós fazemos aqui no município. Ele seca mais rápido e a população bem visto que o asfalto está ficando melhor”, disse Maquil Pereira. A Prefeitura já está fazendo o orçamento para abrir a licitação de um caminhão que é uma usina de micropavimento que é usado para fazer o recapeamento das vias.

Manutenção da extensa malha de estradas rurais

A quantidade de chuva que desce em curto espaço de tempo, como 80, 100 milímetros é grande vilã para manter as estradas vicinais em perfeitas condições. Estas chuvas do começo do ano, deixaram alguns trechos complicados, mas nada que tenha impossibilitado os motoristas de passarem, o que já aconteceu muitas vezes em anos anteriores. Isto é porque a manutenção está sendo periodicamente, principalmente na época da seca. Foi realizado um processo licitatório para a compra de bica corrida, oriundo da construção civil, que é bastante duradouro na manutenção das estradas. O município vai adquirir 5 mil metros cúbicos deste material, porque conseguir cascalho ultimamente está dificílimo e ele é fundamental para manter as vicinais em dia para dar trafegabilidade aos motoristas, seja de veículos pesados ou de passeio.

Três Pontas uma malha viária rural de aproximadamente 1 mil quilômetros, que dá acesso a Santana da Vargem, Varginha, Elói Mendes, Paraguaçu, Alfenas, Campos Gerais, Nepomuceno, Coqueiral, Carmo da Cachoeira. Nenhuma das estradas fica sem ser atendida, nem mesmo a entrada de alguma propriedade, onde as vezes a água da chuva acaba escoando para dentro de estradas secundárias de sítios e fazendas.

Asfaltamento de estrada

A Prefeitura vai continuar empenhando recursos e principalmente suas forças políticas para fazer o asfaltamento entre Três Pontas e o Distrito do Pontalete. Foram cadastrados no Governo Federal junto aos ministérios, montante de cerca de R$8 milhões para garantir este asfalto tão sonhado pelos trespontanos. Uma parte dele, foi cadastrado no Ministério do Turismo, que exige que a melhoria tenha como ponto de partida um ponto turístico. Por isto, este será 5 quilômetros partindo do Pontalete em direção ao perímetro urbano. De Três Pontas aos distritos Quilombo e Pontalete foram cadastrados mais R$4 milhões. Isto, pelas contas do secretário, deve ser suficiente para asfaltar até a encruzilhada que vai para a Comunidade Santa Maria. Já a continuidade do asfalto a partir da Escola Agrícola até o Quilombo Nossa Senhora do Rosário com 2.300 metros já foi licitada. A empresa recebeu a ordem de serviço no dia 04 de janeiro, mas pediu um prazo maior para começar devido a chuva. Mas a expectativa é que até meados de fevereiro ela comece. “Com chuva não se consegue fazer uma terraplanagem e uma base bem feita. Estiando esta chuva a empresa começa e a obra não é demorada”, ressaltou o secretário Maquil.

Ele afirma que ligar Três Pontas aos distritos vai gerar mais segurança, tranquilidade e principalmente reduzir os custos da Prefeitura com a manutenção de 25 quilômetros de estrada. “Vai sobrar mais tempo para gente trabalhar em outras regiões e beneficiar a questão turística com o Pontalete”, justificou o secretário.

Praças e jardins

A manutenção de praças e jardins é um trabalho continuo, realizado diariamente, que nunca para, porém, neste caso a chuva é o pior inimigo, pois ela faz o mato crescer muito rápido. São apenas 8 servidores, fazendo todo tipo destes serviços e uma demanda de serviço muito grande. Agora, a equipe está na Avenida Oswaldo Cruz usando das maquininhas para cortar o mato.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here