Já são duas semanas da Campanha Nacional de Vacinação contra Sarampo e Paralisia Infantil (poliomielite), e a procura está abaixo do esperado em Três Pontas. Nem mesmo o “Dia D” de vacinação neste sábado (18), foi capaz de conscientizar pais e responsáveis da importância de vacinar as crianças. A baixa adesão é preocupante, especialmente depois da volta de casos de sarampo no país.

Dados divulgados pela Secretaria Municipal de Saúde aponta que 52% do público alvo foi imunizado, até o dia 18. A meta é atingir 95% e um total de 2.744 crianças de um ano a menores de cinco anos, inclusive aquelas que estão com o cartão de vacinas em dia. Quem perdeu a vacinação neste sábado tem até o dia 31 de agosto. O importante é não deixar de vacinar os filhos. “O que a gente puder fazer para prevenir tem que ser feito. Vejo que não falta informação e sim de compromisso”, afirma a enfermeira coordenadora do Programa de Imunização, Lara Miranda Silva.

Além de imunizar a criança, a campanha de vacinação é fundamental para proteger toda a sociedade, erradicando doenças. A baixa cobertura vacinal pode facilitar o ressurgimento de algumas delas. É o caso do sarampo.

Há menos de dois anos, o Brasil recebeu da Organização Pan-Americana de Saúde um certificado de eliminação da doença e agora ela voltou a preocupar – 1.237 casos foram confirmados, desde fevereiro, e outros 5.731 estão sendo investigados. Seis pessoas morreram.

COMPARTILHAR

Comentários