O empresário Michel Renan Simão Castro, completa dois anos e meio a frente da Provedoria da Santa Casa de Misericórdia do Hospital São Francisco em Três Pontas. Não é tanto tempo, mas conotam muitos anos de um trabalho árduo, que exige além de todos os esforços, uma frieza psicológica muito grande. Michel revela que acaba se envolvendo, e quando se trata de saúde não se tem tamanha estrutura emocional e a sensibilidade fica a flor da pele.  Porém, em contrapartida, ele analisa que é muito bom saber que de alguma maneira está sendo útil. A direção fez um planejamento para a entidade, e nele, está a implantação da tão sonhada hemodiálise, que além de recursos financeiros vai oferecer mais conforto e comodidade para este tratamento dos pacientes.

ENTREVISTA
MICHEL RENAN SIMÃO CASTRO
PROVEDOR DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DO HOSPITAL SÃO FRANCISCO DE ASSIS

Michel Renan, ao assumir a Santa Casa você esperava tantas dificuldades? Depois destes dois anos e meio, administrativamente a Santa Casa está mais tranquila?

É preciso separar em diversos momentos o que nós enfrentamos. No início era um desafio que eu não tinha conhecimento e quando você não tem conhecimento, os caminhos acabam sendo mais longos. E também, é difícil você mudar a estrutura de uma entidade como a Santa Casa do dia para noite. Já existiam costumes enraizados, e práticas de muito tempo. Quando se propõe mudanças, elas de certa maneira trazem benefícios, mas também malefícios, as pessoas tem resistencia e as vezes não querem as mudanças. Naquele primeiro momento, quando nós não tínhamos conhecimento, foi muito mais difícil. Ao longo destes dois anos e meio viemos implementando e complementando uma série de mudanças e protocolos. E é um trabalho não meu, apesar das pessoas falarem no meu nome, mas sim  fruto de um trabalho realizado em equipe, todos os colaboradores, trabalho do corpo clínico, da Diretoria, da Provedoria, enfim todos de alguma forma ajudando. Os frutos já estao sendo colhidos pois todos perceberam a grandiosidade da Santa Casa. Por aqui, todos os dias passam 400 pessoas e vidas são salvas. Se fosse apenas uma vida salva já seria o bastante, mas todos os dias salvamos vidas e esta dadiva nos motiva, renova as forças e fortalece a esperança. Sabíamos que no início a Santa Casa tinha 60% de desaprovação e rejeição e para que nosso obejetivo fosse alcançado precisavamos mudar estes numeros. Hoje fazemos um levantamento mensal, e a satisfação dos pacientes, que eu chamo de cliente, pois é ele propicia que Santa Casa permaneçade portas abertas, mostra que temos aciam de 95% de aprovação e satisfaçao. Para uma entidade de saúde estar acima de 70% de aprovação, é um bom resultado. Este indices fazem com que nosso ânimo esteja cada vez mais renovado e a nossa vontade esteja cada vez mais aflorada, queremos a entidade cada vez mais atuante e em contrapartida traga benefícios a todos os trespontanos e residentes de toda região da micro.
Na questão financeira, os recursos repassados pelo Estado de Minas Gerais estão em dia?
Eu estava fazendo o estudo do balancete da Santa Casa e mais um ano desde quando assumimos a gestao,  conseguiremos encerrar o ano no azul. São três anos fechando desta forma, o que significa que todas as possibilidades de redução de despesas, de aumento de produtividade, de receita, estão sendo implementados. Não podemos deixar de lembrar que tivemos no ano passado muitas emendas parlamentares e o mais importante até é que é a contribuição constante da população continua. As vezes me deparo com o comentário de pessoas em redes sociais de que as emendas são obrigação dos deputados, é sim, mas esses recursos poderiam estar indo para outras cidades e outras entidades que também precisam, por isto sou grato e cultivo a gratidão, reconheço que sem as emendas nossa Santa Casa não estaria de portas abertas. Já em relação ao Estado, findou o ano nos devendo em torno de R$ 320 mil, somente de 2019. Lembro que temos um passivo de R$7,7 milhões que durante o ano o Governador Zema afirmou que iria fazer uma proposta de recomposição de pagamento, mas isto não aconteceu. Houveram três oportunidades mas não houve acordo. O governo tem sinalizado muito seguramente que nestes primeiros meses de 2020 será feito um plano de estruturação de pagamento. Estamos acreditando, porque o Zema não é um homem de promessas, é um homem de comprometimento. Se estes R$7,7 milhões hoje estivessem aqui, faria uma enorme diferença. Nestes primeiros dias do ano construímos um plano sustentável de crescimento para Santa Casa, vamos até apresentar aos médicos acrescentando as ideias deles neste plano, que abrange a questão financeira e as condições administrativas em todos os aspectos. A Santa Casa agora pode ser planejada e desenhamos este planejamento para os próximos cinco, dez anos, onde nós queremos chegar. Quando me perguntam das dificuldades, elas ainda existem e nao sao pequenas, infelizmente os recursos não estão nas nossas mãos, estão nas mãos do Estado. Para se ter uma ideia, o recurso que deveria ter chegado até o dia 15 dezembro, foi chegar no dia 26. Então, por mais que você planejemos acaba nao virando realidade, sem dinheiro nós não conseguimos fazer nada. Um ponto importante que tem que ser dito, é que a ajuda da população continua,  e muito contribue com a entidade. No primeiro e segundo ano participamos de muitos os eventos  o que foi muito desgastante para todos voluntarios. As campanhas e eventos estão em menor número, mas vão continuar. Faremos no início deste ano, uma reunião com a microrregião, para tentarmos mais uma vez compor com eles. Já ficou claro que se eles não forem atendidos em Três Pontas não serão atendidos em outras cidades. Atualmente a única cidade que tem aportado essa ajuda é Santana da Vargem. Se as outras cidades não tomarem providencias, teremos que tomar outras medidas, porque a Santa Casa como prestadora, precisa do dinheiro e todos precisam colaborar.
Qual a situação do Hospital perante os funcionários e médicos, em relação aos salários e 13º?
Quanto aos colaboradores eu posso ter o prazer de dizer que a mais de 20 meses eles recebem rigorosamente no 5º dia útil e o 13º está em dia, o que é uma vitória. Nestes dois anos conseguimos dar aumento salarial acima da inflação e não existe débito desta administração para com os colaboradores. Os colaboradores que foram desligados praticamente  já quitamos com todos, existem alguns parcelamentos ainda em curso, mas rigorosamente em dia. Anteriormente, a entidade chegou a ter 43 ações trabalhistas na justiça, e hoje temos apenas uma e não é da nossa gestão. As coisas estão bem encaminhadas, o clima com os colaboradores é muito bom e a grande maioria acredito que esteja muito satisfeita. Já em relação aos médicos nós temos em atraso 50% do mês de outubro e os meses de novembro e dezembro, ou seja, dois meses e meio em débito. Se este dinheiro do Estado tivesse vindo e outros recursos que nós temos que receber estivesse em conta, hoje provavelmente não teríamos esse atraso com os médicos. Agradeço aos médicos mais uma vez, que sempre estão juntos conosco, empenhados e dispostos a vencer as adversidades, e lá na frente, juntos, poderemos comemorar,  perceberemos que valeu a pena todo esforço.
Dentro deste planejamento está a instalação da hemodiálise na Santa Casa?
Como eu disse no início, fizemos um organograma de planejamento para a Santa Casa, quando assumimos havia um financiamento com a Caixa Econômica Federal que totalizava R$6 milhões, quitamos e tomamos novo emprestimo, e ainda falta a ser pago R$3 milhões ao Bradesco. Pleiteamos R$9 milhões porém a totalidade deste empréstimo não foi aprovado pelo Bradesco, desta forma procuramos outra instituição, a qual provavelmente será parceira neste sonho. A entrada deste recurso será realmente um divisor de águas. Existe uma necessidade enorme da instalação do serviço de Hemodialise e a nossa está sendo planejada para 40 cadeiras, em conjunto dobraremos a capacidade da UTI, totalizando 20 leitos. Já fizemos todo o levantamento, o projeto já existe, então o quanto antes este dinheiro aportar nas contas da Santa Casa iniciaremos as obras. Serão novos postos de trabalho, mais médicos que poderão estar aportando aqui. Será a libertação financeria da Santa Casa, aquele momento que nós realmente poderemos dizer que o nosso hospital chegou muito perto dos nossos anseios. A população sempre sonhou com a hemodiálise, é uma especialidade que expõe enorme sofrimento às pessoas, os pacientes precisam deslocar a outras cidades, muitas vezes de madrugada ou a noite, passar o dia todo a espera da sua vez  para realização do procedimento, muito em breve, se Deus quiser serao realizados a qui estes procedimentos. Poderemos agora ter o fluxo inverso, receber pacientes de outras cidades. Estamos de braços abertos, queremos acolher todos e atender sempre com muito carinho.
Quais as emendas efetivamente chegaram para a Santa Casa em 2019?
No início do ano passado, tivemos 3 emendas do deputado federal Diego Andrade – 2 de R$500 mil e uma de R$100 mil. Esta última foi utilizada para um mutirão de cirurgias. Depois vieram mais R$ 200 mil para outro mutirão de cirurgias, que então sendo realizadas.   Recebemos nos últimos de 2019 R$1 milhão do deputado Mário Henrique “Caixa” e uma de R$100 mil deputado estadual professor Cleiton. Recebemos no total quase R$2,5 milhões, incluindo as destinadas para cirurgias, um valor bastante expressivo. Como eu sempre gosto de dizer, as finanças da Santa Casa estão abertas e a disposição para quem quer que seja. Todos tem o direito de saber onde o dinheiro está sendo aplicado. Temos que dividir o caixa da Santa Casa em duas partes – entre o atendimento particular e de convênios e a outra do SUS. Os atendimentos particulares e de convênios dão lucro e o SUS dá um enorme prejuízo. Temos uma pactuação da PPI hoje no município que aporta o recurso aqui, por volta de r$ 304.000,00 mês.  Precisaria ser o dobro, porque o que se gasta em cada procedimento é muito mais, em alguns casos três vezes mais. A título de exemplo, uma cirurgia de hérnia que hoje a Santa Casa recebe R$ 200 para realizá-la ela custa R$ 900. Uma cirurgia ortopédica que às vezes a Santa Casa recebe R$800, ela custa R$2,4 mil. Os R$304.000,00  que recebemos da pactuação, gera um déficit mensal entre R$300 mil e R$400 mil – dependendo do mês. Se calcularmos isto durante 12 meses do ano, o déficit com o SUS gira em torno de R$3 milhões. Nossa Santa Casa tem carater filantrópico, mas se der prejuízo um dia passará por enormes dificuldades novamente e precisamos que os municípios aqui atendidos colaborem. O ideal é que as emendas sejam utilizadas para melhoramento da entidade, aquisição e manutençao de equipamentos e não para cobrir déficit.
O laboratório do hospital agora atende não apenas os pacientes, mas faz exames particulares?
Existe uma grande demanda por parte da população, não apenas em Três Pontas na região, por laboratório aberto após as 18:00 horas, os da cidade fecham as portas e só reabrem as 7:00 da manhã. Se alguém precisar de um exame naquele período não tinha como ser feito. Por isto, a diretoria decidiu por iniciarmos nesta nova empreitada e a partir dos próximos dias estaremos com o laboratório aberto 24 horas, não apenas para os atendimentos internos mas também para os externos. É uma grande vitória não só para Santa Casa, mas para toda a população de uma maneira em geral.
COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here