A pandemia da Covid-19 está sendo responsável pelo isolamento da população, que está preocupada com o cenário atual e os impactos disso no futuro. No entanto, em meio a essa quebra de rotina, muitos estão trabalhando em esquema de home office, sem poder sair de casa para espairecer, e um ponto muito importante também merece destaque: a saúde mental.

É fundamental manter a saúde emocional em ordem, até para que se tenhamos consciência e sensibilidade para lidar com a situação de maneira serena. Dicas da psicóloga do Hospital São Francisco de Assis, Brunna Mendes de Oliveira é manter a mente relaxada, ter momentos com quem mora na sua casa e não ficar focado nas notícias da pandemia. Ela fala de como lidar com as crianças, os idosos e ainda com os profissionais de saúde que estão na linha de frente no atendimento aos pacientes com suspeita de Coronavírus. Eles precisam ser ouvidos e acolhidos. Esta é a sua função na Santa Casa, que exerce a dois anos. A psicóloga hospitalar, Brunna Mendes falou à Equipe Positiva sobre este tema tão importante quanto as medidas de prevenção ao contágio do vírus. Sua função é auxiliar o paciente, sua família e a equipe de saúde dando suporte psicológico no que se refere às alterações emocionais sofridas devido ao adoecimento, promovendo atividades curativas e de prevenção.

ENTREVISTA
Psicóloga hospitalar do Hospital São Francisco de Assis – Brunna Mendes de Oliveira

Equipe Positiva) A pandemia do Coronavírus, pode trazer consequências para a saúde mental. Como as pessoas devem trabalhar as emoções nesse cenário?

As epidemias costumam provocar um pânico generalizado na população, e é esta situação que estamos vivendo no cenário atual. Muitas pessoas devido ao excesso de informação (redes sociais, jornais, dentre outros) acabam desenvolvendo angustias, ansiedade (por não saber o que virá pela frente), então sentiu que não está te fazendo bem, defina horário para se informar, defina um meio seguro, e foque na prevenção.

Os idosos são o grupo de maior risco, então temos que ter paciência, oferecer informações claras, com linguajar que eles entendam, e repetir quantas vezes for necessário.

As crianças também precisam estar cientes do que está acontecendo, ao perceber que os pais estão estressados e ansiosos, eles reproduzem esse comportamento. Então dê uma explicação que eles entendam e tente manter a rotina da casa o mais normal possível. Nos períodos de maior estresse, foque em atividades que goste e te traga uma sensação de bem estar.

Pessoas podem apresentar problemas psicológicos por terem que mudar a rotina de vida ao terem que ficar em isolamento domiciliar?

Claro, podem sim. O isolamento social é geralmente uma condição devastadora da psique humana, já que um dos princípios que regem a sociedade é que o ser humano é um ser social. O isolamento pode resultar diversas perturbações psíquicas são elas: depressão, estresse, tristeza, ansiedade, solidão. 

O convívio com as pessoas da rua e do trabalho fazem falta?

A sociabilidade constitui o ser humano do início ao fim de sua vida. Relacionar-se com outras pessoas é uma necessidade constante para o bem-estar psíquico e também físico. Apesar dos altos e baixos nas relações interpessoais, o ser humano precisa do contato com o outro para viver bem. 

Hoje, com os meios de comunicação mais instantâneos, o fluxo de informações é muito alto. Como lidar com isso? Devemos filtrar melhor o que chega como informação?

Não existem fórmulas para enfrentar o momento e garantir equilíbrio psíquico e emocional. Nós psicólogos orientamos a adoção de algumas estratégias que podem ajudar a enfrentar os efeitos da pandemia. Dentre as ações está compreender o que está acontecendo a partir de informações concretas, aproveitar o tempo de recolhimento para experimentar atividades que no cotidiano não eram desenvolvidas, tentar contribuir para que pessoas da sua rede se mantenham protegidas e desenvolver formas comunitárias de usos de recursos de enfrentamento.

Como filtrar essas informações?

Procurar fontes confiáveis, procurar ler notícias duas vezes ao dia. Para combater as fakenews, o Ministério da Saúde, está disponibilizando um número de whatsApp para envio de mensagens da população que serão apuradas pelas áreas técnicas e respondidas oficialmente se são verdade ou mentira. Qualquer cidadão poderá enviar gratuitamente mensagens com imagens ou textos que tenha recebido nas redes sociais para confirmar se a informação procede, antes de continuar compartilhando. O número é (61)99289-4640.

Até que ponto as pessoas devem acompanhar as notícias?

O mínimo possível, determinar horários para fazer pesquisas, e sempre procurar informações coerentes, como citado acima, tomar cuidado com falsas notícias.

O que se pode fazer em casa para reduzir o estresse e manter a mente relaxada?

Uma dica para manter a mente relaxada é ter momentos com os moradores da sua casa livre de smartphones e computadores. Manter também comunicação com os amigos e familiares que não reside com você através de ligações ou chamadas por vídeo. Ter uma alimentação saudável, praticar exercícios físicos mesmo dentro de casa, tomar sol. Evitar lidar com o estresse usando álcool e tabaco, que pioram o bem-estar físico e mental em longo prazo, também é importante.

Muitas pessoas entram em paranóia por medo de não ser capaz de enfrentar a pandemia?

Sim, e não é pra menos. Estamos passando por uma situação incomum, muitas pessoas estão vivenciando sentimento de medo – medo de morrer, medo de que alguém que ame morra, medo de ficar sem emprego, medo de ficar sem dinheiro, e para aqueles que já possuem alguma doença mental, isso pode se tornar “enlouquecedor”. 

Existem alguns sinais quando a pessoa está com a saúde mental em risco?

Um artigo publicado por pesquisadores brasileiros na Revista Brasileira de Psiquiatria, baseado em estudos feitos em tragédias, epidemias e pandemias, inclusive a do novo coronavírus, afirma que quando o medo é crônico ou faz o perigo parecer maior do que de fato é, torna-se nocivo e pode ser o gatilho para o desenvolvimento de problemas de saúde mental. Ele aumenta os níveis de ansiedade e estresse em pessoas saudáveis e intensifica os sintomas das que têm transtornos psiquiátricos pré-existentes.

O que fazer quando não se tem atividades para fazer em casa neste período?

É muito importante manter uma rotina, levantar de manhã como no horário de costume, tirar o pijama, e definir o que vai fazer durante o dia, manter uma alimentação saudável, praticar esportes, e quando não tiver o que fazer, baixe aplicativos no celular, que ensinem a meditar, evite tirar sonecas durante o dia, mantenha-se virtualmente conectado com pessoas do seu convívio, promova atividades de trabalho e aprendizado.

Aproveitar esse tempo para organizar a casa também ajuda?

Claro. Existem estudos que revelam que em um nível subconsciente a desordem está ligada a emoções negativas (ansiedade, medo, irritabilidade), enquanto um espaço limpo está ligado com emoções positivas (felicidade, calma).

Como os idosos que moram sozinhos, devem lidar com o isolamento para não caírem na solidão e sofrerem até uma depressão?

Primeiramente, devem evitar ficar assistindo noticiários, pois isso pode acarretar mais insegurança, medo, angustias. Aqueles que tem acesso a celulares, manterem contato diário com seus familiares, fazer atividades manuais como crochê, tricô, ouvir musica cultivar momentos de espiritualidade, tudo isso traz um resultado positivo.

Como lidar com as crianças que tem uma rotina acelerada e agora precisam ficar em casa?

É necessário criar uma rotina com elas também, desenvolver atividades, ter muita criatividade. Na internet existem muitas ideias boas que podem nos auxiliar. É necessário ter muita paciência, pois a criança replicará o que passarmos pra ela, então se tiver estressado a criança também ficará. Criar rotina de estudo também é muito importante para que eles não percam o ritmo.

É preciso e necessário contar às crianças o que está acontecendo, até como justificativa deles não poderem ter a mesma rotina?

As crianças também precisam estar cientes do que está acontecendo, deve ser contado a elas com linguajar que eles entendam,para os pequenos, pode ser contado através de historinhas, para que eles possam assimilar a nova rotina da casa, tendo em vista que agora os pais, avós, enfim quem ali reside, está passando mais tempo em casa.

E o psicológico dos profissionais da saúde e de outras áreas que vê os outros pararem e eles precisando trabalhar?

Posso afirmar pela minha vivência que este é um momento de grande pressão psicológica para esses profissionais que estão na linha de frente, gerando grande estresse, insegurança, medo, mesmo sabendo que está sendo ofertado todo material necessário para a sua proteção. Gera-se um preconceito de pessoas de seu convívio, evitando contato pelo medo de contaminação, então o psicólogo é extremamente importante nesse momento, para dar o suporte necessário para esse profissional.

Você que atua no Hospital São Francisco de Assis, precisa muitas vezes orientar os profissionais daí diante de um cenário que gera preocupação geral?

O psicólogo hospitalar é de grande importância para a equipe multidisciplinar, nosso papel é prestar assistência para aquele funcionário que necessite de uma escuta, de um acolhimento frente há um sofrimento, diminuir a angustia, ansiedade, medo daquele sujeito. Nesse momento que estamos vivendo, de pandemia à atuação do psicólogo é essencial. 

O que dizer a eles para cumprirem com a função sem causar problemas psicológicos?

O primeiro ponto é enfatizar que o medo, a insegurança, a ansiedade é “normal”, que essa situação irá passar. É importante durante a jornada de trabalho fazer pausas, alimentar com coisas saudáveis, aproveitar os momentos em família, e quando estiver fora do trabalho tentar “desligar” de assuntos relacionados ao Covid-19, isso ajudará em manter uma mente mais saudável. 

Um profissional da psicologia deve ser procurado apenas nos momentos difíceis da vida?

Existe um mito que o profissional de psicologia deve ser procurado apenas quando estiver passando por problemas, ou algum tipo de sofrimento. Nós profissionais estudamos para compreender as emoções, pensamentos e comportamentos, a fim de equilibra-los. Nós seres humanos deixamos muitas vezes nossos sentimentos e emoções para um segundo plano, devido à correria do dia a dia, e a psicoterapia nos ajuda a enxergar o que esteve fora do nosso foco durante muito tempo, nos ajuda a termos o autoconhecimento e assim perceber o que nos deixa tristes, alegres. Então procure um psicólogo quando não der conta de entender seus sentimentos e emoções.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here