A secretária municipal de Saúde Teresa Cristina Rabelo Corrêa completou recentemente um ano à frente de uma das secretarias mais importantes da Administração do prefeito Marcelo Chaves Garcia (MDB). Quando substituiu Heleno Carlos dos Santos, o prefeito ainda era Dr. Luiz Roberto Laurindo Dias. Apesar de parte da equipe ter sido trocada, Teresa foi mantida e ao completar mais de 12 meses no cargo, ela faz um balanço positivo, diante de tantas dificuldades, principalmente financeira, provocada pela falta de recursos. Por diversas vezes, ela afirma que a Secretaria Municipal de Saúde está aberta à toda a população, para sugestões e críticas. A Secretaria tem obrigação de atender a atenção primária, ou seja, a primeira porta de entrada do SUS, o que cabe ao município. Porém, as cidades estão fazendo a atenção primária, secundária e terciária, com financiamento da atenção básica e recursos próprios.  “O atendimento básico que é nossa responsabilidade estamos muito tranquilos, aqui as pessoas são muito bem atendidas”, defendeu Teresa Cristina.
Ela também pede à população, uma melhor compreensão com relação aos procedimentos de média e alta complexidade, os quais são muito difíceis para o município conseguir, uma vez que depende de outros municípios, como Varginha, Lavras, Poços de Caldas, Pouso Alegre e Belo Horizonte, dentre outros, que são as referências e que infelizmente, para a maioria dos procedimentos de alta complexidade, não estão atendendo. Apesar de tantas dificuldades, todos os pacientes que precisam de tratamento fora do domicílio, estão sendo atendidos. Pacientes que necessitam de consultas, exames e até procedimentos, como transplantes, tem a atenção total da Secretaria de Saúde a qual é reconhecida por nunca ter perdido nenhum transplante. Além disso, é considerada eficiente no que se refere a atendimento básico. Graças ao Centro Pediátrico, CIAMA, CAPS, as unidades básicas de saúde, 5 PSF’s e um Pronto Atendimento que faz cerca de 300 a 400 atendimentos por dia. Existem sim, alguns pacientes que necessitam de um tratamento mais complexo. E neste caso, a própria Secretaria de Saúde procura o SUS e suas referências para garantir o atendimento das demandas.
BALANÇO DE UM ANO
Quando Teresa Cristina assumiu a Secretaria Municipal de Saúde, haviam vários postos de saúde que precisavam há muitos anos passar por reformas e manutenção. E esta foi a primeira ação que teve a frente da Secretaria – melhorar a infraestrutura deles, limpar calhas, caixas d’água, entre outras medidas que foram adotadas. Posteriormente a preocupação foi melhorar a sede da própria Secretaria de Saúde, onde, de imediato, foi colocado em seus lugares os profissionais da atenção básica facilitando o acesso da população. Passado um ano, ela afirma que todos os postos de saúde tem médicos o dia todo. A Secretaria oferece diversos tipos de serviços de saúde, dentre eles, exames, consultas, procedimentos cirúrgicos, medicamentos e o tratamento fora do domicílio. Ela se coloca aberta e disposta a ouvir as demandas da população e sempre melhorar as condições à população. O prefeito Marcelo Chaves já está gastando 39% do Orçamento em saúde, porque a Prefeitura tem suprido a inadimplência do Estado de Minas Gerais.
“O prefeito Marcelo Chaves já está gastando 39% do Orçamento em saúde, porque a Prefeitura tem suprido a inadimplência do Estado de Minas Gerais”, afirma a Secretária de Saúde.
MÉDICOS
Todas as Unidades Básicas de Saúde tem clínico geral de manhã e à tarde e a equipe de enfermeiros e técnicos de enfermagem para atender a população. Ainda faz parte da rede, cardiologistas, pediatras, que atendem no Centro Pediátrico. No CIAMA (Centro Integrado de Assistência a Mulher e à Adolescente) tem ginecologia obstetrícia, mastologistas e fisioterapeuta. Tem ainda os especialistas – urologista, otorrinolaringologista e ortopedista. Tem também, terapeuta ocupacional, fonoaudiólogo, assistente social, psicólogo e nutricionista. Está para ser inaugurado o posto de Saúde do bairro Peret, onde irá funcionar uma clínica de especialidades e clínico geral. A Policlínica até o fim do mês, vai ser transformada na sede da Secretaria Municipal de Saúde, junto com as vigilâncias em Saúde, Epidemiológica, Ambiental e do Trabalhador. Todos vão ficar no mesmo espaço para facilitar o acesso da população até dezembro e diminuir os gastos com aluguel.  Hoje na Secretaria de Saúde falta condições para os profissionais que trabalham aqui. O setor de Epidemiologia fica no segundo andar e também tem a questão da acessibilidade para as pessoas com dificuldades de locomoção, pois o acesso ao setor de epidemiologia é via escada.
EXAMES
Existe uma relação enorme de exames que são oferecidos à população de Três Pontas, seja através do Laboratório Municipal, seja pelo convênio com o CISSUL, que é um consórcio, ao qual o município tem convênio para a execução de consultas (especialidades) e exames, como por exemplo, ecocardiograma, endoscopia, holter, teste ergométrico, colonoscopia, espirometria, desintometria óssea, ressonância, dentre outros. Além do convênio com o consórcio, temos também, convênio com o Hospital São Francisco de Assis, para os exames de Raio X, Ultrasson e tomografia. São feitos de 80 a 100 exames de mamografia por mês na Unimed Três Pontas. No CIAMA, existe um ultrasson exclusivo para atendimento às mulheres. E está sendo formalizado mais um convênio dando sempre preferência às empresas de Três Pontas para oferecer mais ultrasson’s, porque o convênio com o Hospital não está conseguindo suprir toda a demanda. Fechando convênios dentro do próprio município haverá economia, evitando assim a locomoção dos pacientes para outros municípios. Sem falar que a Secretaria tem profissionais extremamente competentes no próprio município, razão pela qual será sempre dada preferência ao profissional da cidade, melhorando o atendimento e o acesso à população. Em relação a fila de exames, ela existe sim, assim como no Brasil inteiro no SUS. Três Pontas está enfrentando os mesmos problemas dos 853 municípios, que é a inadimplência do Estado de Minas Gerais. Porém, Três Pontas tem um diferencial. No mês de agosto, o Hospital fez 255 exames, a COTT 227, 115 no CIAMA, totalizando 597, somente aqueles realizados dentro do município. Não estão nesta lista exames mais complexos. Tem também os exames de sangue que são feitos no Laboratório Municipal e o convênio com o IPD (Instituto de Prevenção e Diagnóstico). São realizadas cerca de 300 radiografias por mês, cerca de 100 ultrassonografias, 60 tomografias e 7 cintilografias. Estamos buscando um maior controle dos pedidos feitos pelos profissionais médicos aos seus pacientes. Assim como ocorre com os exames especializados, que onera bastante o SUS. Nós estamos padronizando os pedidos. O médico agora vai ter que justificar a razão e a doença, o por que está sendo feita aquela solicitação. E para evitar aquela fila enorme que se forma na porta da Secretaria, está sendo formado um calendário com datas diferentes para a liberação e agendamento dos exames. Em setembro havia uma multidão na porta da secretaria, esperando para fazer as marcações no primeiro dia útil. A Secretaria fica aberta o mês inteiro e não há necessidade para isto. Existem sim as cotas, mas a população não precisa ir sempre no primeiro dia útil. “Estamos trabalhando para melhor atender a população. E se observarmos que esta forma também não atendeu, será buscado outras alternativas. Ressaltando que se alguém tiver alguma sugestão nós estamos abertos a recebê-las”, reforçou.
MEDICAMENTOS
“Na questão dos medicamentos eu estou muito feliz, satisfeita e tranquila”, comemora Teresa Cristina. É que de acordo com dados repassados por ela, a Farmácia está bem abastecida com aqueles medicamentos que fazem parte da atenção básica e que é de responsabilidade do município. “Já fizemos uma reserva de orçamento e até dezembro de 2018 a população não tem problemas com medicamentos. A Farmácia não é uma preocupação no momento. Já na questão dos medicamentos que não fazem parte da atenção básica e são de responsabilidade do Estado, a Secretaria está fazendo doações destes medicamentos até a normalização do Estado. Outros medicamentos de alta complexidade que também é de obrigação do Governo de Minas, a Secretaria vem cumprindo todos eles. Basta ir à Farmácia Municipal, seguir o protocolo junto a farmacêutica responsável Maria Flávia”, orientou.
CIRURGIAS
Sobre este assunto, Teresa explicou como funciona a questão das cirurgias. Existem as cirurgias chamadas eletivas, que o paciente pode esperar um mês, dois meses, ou até mais para ser realizada, o que não traz risco eminente ao paciente. E tem também as cirurgias de alta complexidade, que são de responsabilidade do Ministério da Saúde/Estado. Em Três Pontas, até agosto de 2018 foram realizadas 45 cirurgias de alta complexidade, como por exemplo, as de ortopedia cuja referência é Lavras e Belo Horizonte. Em Lavras, são três cotas e elas já foram realizadas. As cirurgias de alta complexidade incluindo a oncologia são realizadas em Varginha. A cota é SUS  é de 9 mensais cirurgias por mês para Três Pontas. A partir de julho elas foram suspensas, por conta da inadimplência do Estado de Minas Gerais. Julho, agosto e setembro, quase todos os municípios do estado estão atendendo apenas urgência e emergência. Mesmo assim foram realizadas dentro de Três Pontas somente em agosto, 322 cirurgias, eletivas e de média complexidade. “Estamos tentando regular para que em outubro, nós possamos voltar as cirurgias eletivas dentro do Hospital. Ressalto aqui a grande parceria que está acontecendo entre a Secretaria Municipal de Saúde e a Santa Casa de Misericórdia do Hospital São Francisco de Assis. Neste momento estão os dois órgãos trabalhando muito para não deixar de atender a população de Três Pontas. Com relação à maternidade, vem atendendo partos normais e cesárias e fazendo as transferências de mães e crianças que possam ter algum problema”.
OFTALMOLOGIA
Para a oftalmologia, existe o convênio com a Clínica Oftalmológica São José, no município de Três Pontas e o percentual de consultas por mês é muito grande. As consultas são agendadas na própria clínica. Hoje o paciente sai da consulta e já deixa marcada a próxima. Razão pela qual, está sendo estudado em conjunto com a clínica uma maneira de melhorar este acesso à oftalmologia e em breve será divulgado. Para se ter uma ideia, a clínica oftalmológica atende só para o município de Três Pontas, cerca de 500 consultas por mês, sendo 400 em caráter eletivo e 100 na urgência, o que é um número altíssimo de consultas e, mesmo assim, só tem agenda para 2019. Mas já está sendo buscado soluções para melhorar esta questão também. Além das consultas em Três Pontas, tem também as referências para procedimentos, como os de alta complexidade em oftalmologia, que são Itanhandu e Belo Horizonte, que estão atendendo e realizando procedimentos e cirurgias.
DESISTÊNCIA A CONSULTAS E EXAMES
É uma realidade triste e um gasto enorme por conta disso. É realizado todos os meses um relatório das desistências e no mês de agosto, 23,96% das consultas marcadas, o paciente não compareceu. O levantamento feito em todas as unidades de saúde mostra que foram agendadas em agosto 6.750 consultas, foram atendidas 5.133 pessoas e 1.167 pessoas não compareceram. É um número muito grande e com isto, deixa-se de atender outras pessoas, porque algumas marcam e não vão. Além disso, ainda tem as pessoas que marcam exames como tomografia e ressonância e não comparecem. Será implantado o prontuário eletrônico, já está começando a fazer a primeira consultoria e possivelmente, até novembro ou dezembro ele esteja pronto e implantado. O médico terá assim, na tela do computador dados como a última consulta, os últimos pedidos de exames feitos e realizados e assim poderá controlar melhor estas desistências e a na inadimplência em buscar o resultado do exame.
PRONTO ATENDIMENTO MUNICIPAL
Em relação ao PAM, lá é atendido uma enorme quantidade de pessoas, apesar de ser um estabelecimento de saúde voltado para casos de urgência e emergência. As pessoas que utilizam o serviço não conseguem entender a prioridade dos pacientes acometidos com casos urgentes. É essencial que a população utilize as Unidades de Saúde de seu bairro e utilize o PAM somente para urgência e emergência. Tem por exemplo os casos de infartados que chegam no PAM e necessitam ser estabilizados imediatamente e removidos para outros municípios como Poços de Caldas, onde são realizados os procedimentos pós estabilização.
OUTROS SERVIÇOS
“Tem vários outros serviços que fazem parte da rede e que graças a Deus e ao esforço muito grande da nossa equipe que é excelente e que tem uma resolutividade muito boa, como é o caso do CAPS que faz um trabalho belíssimo, como, por exemplo, na prevenção ao suicídio. Temos conseguido realizar cirurgias bariátricas em Poços de Caldas. Hoje são cinco pacientes aguardando para fazer a cirurgia, todos em acompanhamento e outros três que já fizeram, isto somente em 2018. Nós transportamos todos os dias cerca de 65 pacientes oncológicos para Varginha e temos mais dois que são em Passos. Sem falar em Barretos que são 8 pacientes. Tem também os pacientes que fazem hemodiálise, cerca de 40 todos os meses. Sem contar os pacientes  que diariamente estão fazendo tratamento em várias cidades do Estado e também em vários outros estados, como São Paulo e Rio de Janeiro. Só de consultas especializadas em Belo Horizonte são 120 por ano.”
CONCLUSÃO
“O que eu quero salientar nesta entrevista é que eu nasci em Três Pontas e fui criada aqui. Infelizmente não consigo oferecer a totalidade de saúde a todos os trespontanos como eu gostaria. No entanto, ressalto, que estamos fazendo tudo o que é possível. E neste contexto, faço um apelo e solicito a todos, “vamos investir em prevenção. Nós temos a parte preventiva em vacinas, tabagismo, saúde da mulher, da criança, do adolescente, da cárie, da pessoa hipertensa, uso racional de medicamentos, drogas, bebidas alcoólicas e acidentes de motos. Ou seja, não nos procure apenas na doença. O próprio nome diz, Secretaria de Saúde, um órgão público que tem por objetivo promover e melhorar a saúde de toda a população. Estamos e vamos permanecer trabalhando em conjunto: secretária e população.”
COMPARTILHAR

Comentários