O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quarta-feira (29) a estimativa 2018 da população para os estados e municípios brasileiros.

Três Pontas teve evasão populacional, ou seja, perdeu moradores de um ano para outro. Em 2017 eram 57.097 habitantes e agora, em 2018 são 56.546. São 551 moradores a menos.

Umas das explicações para a queda populacional é a diminuição do número de trabalhadores safristas. Muitas pessoas vinham para cidade para trabalhar na colheita do café e ficavam na cidade, só que a mecanização acabou com esta necessidade da mão de obra. Os trabalhadores foram substituídos por máquinas que fazem o mesmo trabalho nas lavouras. E até mesmo os pequenos produtores aderem a colheita mecanizadas, diminuindo os custos com mão de obra e aumentando assim a lucratividade.

De acordo com o engenheiro agrônomo da Cocatrel Roberto Felicori, o número de pessoas que aportam na cidade para trabalhar na colheita é hoje insignificante. As razões são simples: todo o processo está mecanizado e as lavouras recebem máquinas de todos os portes e substitui muita mão de obra. A colheita nos dias de hoje emprega mão de obra local e não há mais aquela quantidade de pessoas vindas de fora. “A colheita não traz trabalhadores que fixam moradia na cidade. O pouco que ainda acontece é por conta própria, as vezes por pessoas que tem familiares no Município”, afirmou Roberto Felicori.

Ele lembra que na década de 70, dezenas de trabalhadores chegavam na cidade vindas de outras localidades, principalmente do Norte de Minas e ficavam na Praça da Matriz Nossa Senhora D’Ajuda. Os fazendeiros iam até lá e contratavam os profissionais para trabalharem em suas propriedades e na colheita da cana de açúcar. Muitas delas acabavam depois permanecendo no município.

COMPARTILHAR