O Centro Dia funciona de 2ª a 6ª feira, com atividades que promovem a convivência social e comunitária da pessoa com deficiência intelectual e múltipla

A Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), focou a Semana Nacional da Pessoa com Deficiência intelectual e múltipla deste ano, em apresentar os novos serviços que são oferecidos pela Instituição em Três Pontas. Eles são o Centro de Convivência – Serviço de Fortalecimento de Vínculos, que busca auxiliar os usuários da APAE e suas famílias na inclusão social e comunitária; e o Centro Dia, que busca oferecer apoio extensivo e generalizado em casos de risco ou vulnerabilidade social. Ficou muito claro, que a Apae faz muito mais do que atender às crianças e adultos com deficiências, mas dá amor, amparo e prepara pais e familiares, além de conscientizar sobre a defesa de seus direitos e em não esconder a pessoa com deficiência da sociedade.

De acordo com a Diretora da Instituição, Maria Rozilda Gama Reis, este ano a comemoração está dando ênfase especial na área sócio assistencial, mesmo porque a Apae foi criada em função disso, para defender pessoas e famílias fragilizadas, principalmente aquelas que passam até hoje por muitas dificuldades, financeiras, situação de vulnerabilidade e de inclusão social e comunitária. A Apae de Três Pontas, oferece serviços e programas, pensando em um público verdadeiramente excluído da comunidade. Pessoas que ao longo da vida precisam de um atendimento especial.

Já estão funcionando, o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculo, Centro de Convivência e o Serviço de Média Proteção Especial, o Centro Dia.

Segundo a assistente social, Marina de Lima Mendonça, o Serviço de Fortalecimento de Vínculo da Apae, na proteção social básica, está inserido no Sistema Único de Assistência Social (SUAS). Crianças e adolescentes de 6 a 17 anos estão divididos em quatro grupos de acordo com a vulnerabilidade. Atualmente, são 134 usuários com suas famílias assistidas pela Apae.  Marina, explica que a maior dificuldade é a inclusão social, muitas vezes provocada pelos próprios pais, que ficam com medo das reações das pessoas com a deficiência que não querem se socializar; e os pais super protetores, que acabam impedindo os filhos de conhecer o mundo lá fora e a realidade do dia a dia. O serviço acontece de segunda à sexta-feira, com tempo de permanência do usuário de quatro horas diárias. Em alguns casos, em dias alternados, conforme à necessidade dos usuários e suas famílias. Ele é realizado em parceria com a Secretaria Municipal de Assistência Social, através do CRAS I.

Na proteção social especial de média complexidade, existe o Centro Dia, um centro que funciona de segunda à sexta-feira, em dois turnos, com as atividades de alongamento, informática, artesanato, horticultura, piscina, projeto de jardinagem, roda de conversa com as famílias e terapia ocupacional. Possui um público com a faixa etária de 18 a 60 anos, sendo adultos e jovens com grau de dependência, comprometimento ou em situação de isolamento e vulnerabilidade social; e visa ainda, promover a convivência social, grupal e comunitária da pessoa com deficiência intelectual e múltipla e suas famílias, bem como cuidados diários em busca da autonomia e participação plena.

Há uma grande preocupação segundo Marina Mendonça, em oferecer atividades àqueles que concluíram a Educação de Jovens e Adultos (EJA), que se não tiverem apoio, não serão também inseridos no mercado de trabalho.

  • NA SEMANA DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL E MÚLTIPLA, APAE MOSTRA SERVIÇOS E PROGRAMAS DESENVOLVIDOS QUE VÃO ALÉM DE ATENDER ÀS CRIANÇAS E ADULTOS

As pessoas que estão em situação de vulnerabilidade são pressas fáceis, conforme já foi diagnosticado; e os deficientes concluindo o percurso escolar, a partir de 2018, não terão mais o que fazer na instituição. Foi assim que foi proposto fazer estas atividades diferenciadas para continuar fortalecendo estes vínculos. “Quando estamos de apoiadores estes meninos e meninas são fortes. A intenção é até que eles se fortaleçam sem nós. Porém, a gente sabe da limitação de muitos”. O objetivo, acrescenta Rozilda, é sempre potencializar o que eles já aprenderam e adquiriram. É importante que seja feita a manutenção da leitura, da escrita do nome porque eles esquecem disso facilmente. As pessoas valorizam outras habilidades que para os deficientes não tem sentido. “Para eles o importante é o amor, a dedicação, a transparência, a humildade. É o que todo ser humano precisaria ter. Ser bom de coração, ser de fato verdadeiro, honesto, isso é uma característica particular de cada um deles”, reforça a Diretora.

Na defesa e garantia de direitos, existe o programa Escola da Família, de capacitação e formação político-cidadã para os pais e cuidadores, em consonância com a Escola de Formação de Autodefensores, visando o exercício da cidadania.  A Escola capacita os responsáveis para defender e construir seus direitos, enfrentando às dificuldades e desigualdades sociais através de palestras e um acompanhamento contínuo inclusive com assessoria jurídica. A Agência Jurídica, é um programa de assessoramento político e técnico de defesa e garantia de direitos da pessoa com deficiência e sua família, com apoio jurídico judicial e ou extrajudicial, no que se refere a litígios que envolvam direitos e deveres.

Programa de Capacitação e Promoção da integração ao mercado de trabalho: que identifica, incentiva, mobiliza e insere a pessoa com deficiência nas oficinas de capacitação profissional, para serem incluídas no mercado de trabalho. Hoje, Três Pontas é uma cidade que insere mais deficientes no mercado de trabalho do que Belo Horizonte, proporcionalmente. São 43 pessoas que trabalham e atendem às necessidades financeiras das famílias. Muitos acabam não sendo incluídos no mercado porque recebem benefício, que são fundamentais para o sustento das famílias e eles preferem não correr o risco.

Apesar de ver e perceber a satisfação das crianças e adultos com a Instituição, semestralmente é realizada uma pesquisa de satisfação dos usuários e familiares, através do monitoramento e avaliação sobre à qualidade de ofertas dos serviços sócio assistenciais da Instituição.

Exposição Arte Sem Limites realizada pelos alunos orientados pelo setor pedagógico
COMPARTILHAR

Comentários