O deputado estadual Carlos Pimenta (PDT), se reuniu com correligionários e membros do Diretório da sigla em Três Pontas na noite desta sexta-feira. O parlamentar esteve antes com o prefeito Paulo Luis Rabello (PPS), tratando de assuntos relacionados ao Município e em seguida conversou com os filiados tratando entre outros assuntos sobre a disputa eleitoral de 2016.

Há 15 dias ele passou pela Cidade esteve com o presidente do diretório municipal e marcou esta reunião para falar com os aliados, demonstrar que está junto com eles rumo as Eleições municipais do ano que vem e ficou feliz em ver que desde as 2013 outras pessoas chegaram, por isto, a expectativa é que o PDT ocupe três ou cadeiras na Câmara. Carlos Pimenta reafirmou sua ajuda ao partido trespontano, que se estruturou por ter um direção organizada e firme no seu propósito, que está sempre como prefeito Paulo Luis, faz sempre este elo entre o Executivo Municipal junto com os vereadores e ele na Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

Já quanto ao Poder Executivo, se Paulo Luis Rabello (PPS), for mesmo candidato a reeleição, a sigla estará junto com ele e se o vice não for o Érik dos Reis Roberto, o PDT pode até indicar ou apresentar um nome para compor chapa. “O Paulo Luis é um homem honesto, sério, trabalhador e mesmo diante de tantas dificuldades que o Brasil está enfrentando e atingindo diretamente as Prefeituras, Três Pontas tem avançado e nós temos contribuído para isto”, afirmou Pimenta. Para se ter uma ideia de quanto os cofres municipais perderam, é que o FPM recebido hoje é 40% menor do que no mesmo período do ano passado. “Isto é coisa que a oposição não entende e não fala”, acrescentou o parlamentar.

O vereador Vitor Bárbara e o deputado Carlos Pimenta no encontro de sexta-feira
O vereador Vitor Bárbara e o deputado Carlos Pimenta no encontro de sexta-feira

Sobre a política nas outras esferas, o deputado afirma que o momento é de recessão e os políticos tem passado por sérias dificuldades, quando o Congresso está prestes a votar o impeachment da presidente Dilma. “O que fizeram foi um estelionato político. Ela [Dilma], disse que o país e a economia estavam indo bem, manteve programas sociais que deveriam ter avançado mais e perpetuaram com programas para ganharem as Eleições. Depois, acharam que poderia ficar da mesma forma e toda a podridão veio a tona. Por isto, ela tem pago o preço disso. E o governador Fernando Pimentel, uma das principais lideranças políticas do PT, que poderia usar a força política, tentar em Brasília, uma ajuda para Minas Gerais, fica inerte”, opina.

Na Assembleia segundo Carlos Pimenta, os deputados da oposição tentam derrubar um projeto do Poder Executivo mineiro que está majorando e aumentando o ICMS de 15% para 20%, levando a cobrança inclusive às Igrejas, Asilos, Hospitais Filantrópicos e Santas Casas. Além disso, deixando mais caro em Minas, o preço de telefones e smartphones. Isto espanta investidores, que acabam migrando para outros estados onde a tributação fiscal é menos agressiva.

O PDT tem hoje na Câmara os vereadores Vitor Bárbara e Geraldo Messias Cabral.

COMPARTILHAR

Comentários