O eletricista José Maria de Gouvêa de 67 anos, se entregou na manhã desta segunda-feira (29), à polícia, na Delegacia de Polícia Civil de Três Pontas. Ele é acusado de matar com dois tiros o comerciante Ademar Borges Barbosa de 41 anos, na quarta-feira (24), no bairro Santa Inês.

“Gouvêa” chegou por volta das 11 horas, acompanhado de seu advogado Antônio Seth Piva e prestou depoimento. O advogado falou que seu cliente está muito abalado com a situação, que não iria conceder entrevista, mas deu sua versão para o caso que revoltou a cidade.

Gouvea foi levado no fim da manhã para o Presídio de Três Pontas
Gouvea foi levado no fim da manhã para o Presídio de Três Pontas, onde permanecerá a disposição da justiça

Ademar veiculosPor diversas vezes, o advogado se refere ao seu cliente como pessoa velha, pacata, idônea e que está doente e fazendo o uso de medicamentos. Segundo Antônio Piva, seu cliente não quer correr da justiça, entende que é inocente e quer cumprir as determinações da justiça. A desavença teria começado, conta o advogado, porque Ademar teria ameaçado a esposa de seu Gouvêa. A esposa foi na justiça, fez uma representação e ele foi condenado a pagar cestas básicas. Naquele dia, ele não teria aceitado e foi tirar satisfação. O acusado teria subido no muro e Ademar partiu para cima dele e em seguida o chamado para briga. Assustado e com medo, Gouvêa pegou a arma para se defender da vítima. Mesmo assim teria sido insultado pela vítima que teria dito. “Eu te pego seu velho frouxo”. Foi quando o eletricista efetuou os dois disparos, em legítima defesa, conta o advogado Antônio Piva.

Ele nega que havia confusão entre os dois, com exceção da ameaça de Ademar a mulher a esposa do acusado. Sem saber as consequências, o eletricista saiu desesperado e com medo e foi para Belo Horizonte onde passou estes dias.

O advogado não deixou várias vezes de defender seu cliente, afirmando que ele tem 67 anos de vida idônea. Antônio informou que Gouvêa, está totalmente abalado psicologicamente e concluiu usando uma passagem da Bíblia. “Os passos dos homens violentos serão curtos”. Foi ele [Ademar] quem teria partido para cima do acusado. Concluiu o advogado, que está estudando o Direito Penal o porque das pessoas serem mortas e afirmou. “São as vítimas violentas que morrem. Quem mata são vítimas dessas pessoas violentas, como foi Seu Gouvêa de Ademar”. Sobre a arma, o eletricista disse que na fuga jogou o revólver em um rio próximo a Campo Belo.

Depois que prestou depoimento, ele foi levado para o Presídio de Três Pontas, onde ficará a disposição da Justiça.  O delegado João de Almeida Guedes esteve no local do crime e no dia seguinte havia pedido a prisão temporária do acusado por 30 dias.

O comerciante Ademar Borges Barbosa foi encontrado pela esposa no início da tarde, caído no quintal da casa onde morava com ela e dois filhos de 5 e 17 anos.  Ademar foi morto com dois tiros, um próximo da orelha e o outro no pescoço.  Ele era dono de uma loja de veículos usados na Avenida Ipiranga. O principal suspeito fugiu. A Polícia Militar fez buscas pela cidade e na zona rural, mas ele não foi encontrado.

Comentários