Denis Pereira – A Voz da Notícia

Pelo quarto
ano seguido, Três Pontas realizou o Festival Música do Mundo de quinta a
domingo (17 a 20). O evento que nasceu em 2009 para homenagear seus dois 
filhos mais
ilustres, Milton Nascimento e Wagner Tiso, conseguiu se sobressair por oferecer
atrações diferentes do convencional nesse tipo de maratona cultural. Afinal,
não é todo dia nem em todo lugar que se tem serenata no cemitério, música no
pasto, dança no asfalto e poesia no quintal.


A quarta
edição, teve foco mais alternativo, como destaca a jornalista Maria Dolores, da
Marolo Produções, organizadora do evento. “Como as pessoas compram ingressos
por depósito bancário, deu para saber de quais cidades elas eram. Tem gente de
Três Lagoas (MS), Brasília, Porto Alegre, Londrina (PR), Santos e Guarujá (SP)
e, claro, Minas Gerais inteira, principalmente o pessoal aqui da região. Isso
nos surpreendeu bastante. Acho que o festival criou uma história e uma
expectativa de quem vem vai vivenciar uma experiência inusitada”, avalia
Dolores.


Prova de
que é gente de todo Brasil, aportando na Capital Mundial da Música, encontramos
no Centro de Eventos Wagner Tiso na tarde deste sábado, a penúltima e maior
atração do evento, um casal de Belém do Pará (PA). A viagem deles era até
Campos Gerais onde a esposa do artista plástico Davi Wilker, Paula Zaira tem
alguns amigos. Além deles vieram a filha de um ano e dois meses, a Ayah. Na
cidade vizinha ficaram sabendo do Festival Música do Mundo e das atrações deste
sábado. Não pensaram duas vezes, depois de enfrentar uma viagem cansativa de
carro até Campos Gerais, a família teve como destino Três Pontas, onde vieram
por causa do Teatro Mágico. Com uma criança, algumas coisas não puderam faltar
na bagagem, como água, biscoitinho de polvilho e a mamadeira. “Fomos os
primeiros a chegar, para ficarmos bem pertinho do palco. Estamos gostando muito
da cidade, fomos muito bem recebidos aqui e vamos voltar outras vezes”, afirma
Davi.


Juntos na viagem,
mas por motivos diferentes o casal Silvia Helena Nogueira e Leonardo Carvalho de São Gonçalo do Sapucaí.
O objetivo era curtir o festival deste sábado. A psicóloga estava ansiosa para
ver a apresentação de Beto Guedes. Já o analista de sistema, não escondia a
satisfação de poder ver mais uma vez, Sá e Guarabyra.   


As atrações
foram das mais variadas como Ark 2, B
eto Guedes, O Teatro Mágico, Sá & Guarabyra e a
banda Ummagumma – The Brazilian Pink Floyd foi quem encerrou a noite, em quem
houve a mudança para o horário de verão e o relógio foi adiantado por uma hora.


Algumas
boas surpresas, literalmente surpreenderam como a apresentação de cinco meninas
que integraram a turnê de Milton Nascimento, do disco “E a gente sonhando”.
Elas fizeram a capela de “Vendedor de Sonhos” de Bituca, que está em turnê pela
Europa e por isto, não participou do festival deste ano.


Amigos
deles, como Beto Guedes foram um dos shows mais aguardados. O representante
comercial Nabih Murad Alves, que vem todos os anos, mas este ano teve um motivo
especial é que Beto é seu ídolo. No ponto principal registramos a chegada dele,
do cunhado o dentista Haroldo Pompeu e da irmã Helena Pompeu. Os três de
Varginha, chegaram com uma cadeira de praia. Nabih brincou que é para a esposa
que está mais de idade e precisa se assentar para curtir a maratona de shows.


Nabih Murad
Alves, representante comercial mora em Varginha, veio especialmente para o
festival, vem todos os anos e também para curtir Beto Guedes, fã dos dois. Na entrevista
ele brinca que trouxe uma cadeira de praia para a esposa que está mais de
idade.

Alías, Beto
Guedes, um dos nomes mais tradicionais da Música Popular Brasileira (MPB),
revelou que certa vez veio para ficar três dias em Três Pontas e acabou morando
três meses, na casa do amigo Hélcio Romero, o popular Jacaré. “Tomei amor por
esta cidade, por isto é sempre uma satisfação voltar aqui”, disse. O show foi
exatamente uma hora. Ele saiu do palco mais voltou para cantar mais uma, depois
do pedido de bis do público.


Quem fez
muita gente delirar foi a trupe Teatro Mágico, somando a tudo o que Beto já
havia trazido, o
grupo musical brasileiro formado em 2003 na
cidade de
Osasco, São Paulo, criado por Fernando Anitelli, que reúne elementos do circo, do teatro, da poesia, da música, da literatura, da política e do cancioneiro popular tornando possível a junção de
diferentes segmentos artísticos numa mesma apresentação, mostrou que tem fãs
espalhados por todo o Brasil. Alguns que fazem questão de acompanhar a agenda
de shows deles, escreveram em cartazes passagens e curiosidades de
apresentações deles em diversos pontos do país.

A
filosofia da trupe que completa este ano 10 anos de estrada, passa por
construir sua participação na formação e diretriz do movimento 
Movimento Música
para Baixar – MPB
 – comprometido com a defesa do livre
compartilhamento de arquivos musicais via internet e flexibilização do direito
autoral, que conta com adesão de artistas e músicos preocupados com a questão
da censura na web.


O
vocalista Fernando Anitelli por duas vezes desceu no meio do povo, a última na
despedida da banda, as bailarinas e músicos os acompanharam e o público fazia
todas as coreografias de Natália e Naiara, que fizeram os olhos ficarem fixos
ao alto do palco.


As atrações
deste sábado foram as únicas em que houve cobrança de ingresso. Foram
realizados de quinta a sábado, workshops culturais, feira de artesanato, saraus
e grupos de congado, entre outros. Como a música é o grande destaque, as
atrações musicais foram a banda de rock Coma (SP), o grupo vocal Ecco (SP), de
MPB; a banda Zimun, de BH, que misturou hip-hop, rap e street jazz, sem falar
na curitibana A Banda Mais Bonita da Cidade, que ficou popular com o vídeo da
música Oração, um dos mais vistos na internet em 2012. 

Artistas
e grupos da cidade e região também fizeram parte da programação do festival,
como a OFFicina do sON, de Guaxupé, cujo repertório passeia pelos clássicos do
rock; e os tres-pontanos do Ark2, que tradicionalmente sempre participa do
Festival Música do Mundo, e o Ummagumma – The Brazilian Pink Floyd, considerado
o principal grupo cover do Pink Floyd do Brasil. “ A gente faz questão de
contar com os nossos talentos e também de envolver toda a Três Pontas. A
população participa mesmo e recebe os turistas com muito gosto. Isso é bem
bacana”, comemora Maria Dolores.


Na manhã
deste domingo, quem conseguiu acordar às 10 da manhã, tomou café em uma padaria
da cidade ao som de uma boa música.


COMPARTILHAR

Comentários