Seu Gouvêa se entregou cinco dias depois do crime. Foto: Arquivo EP

 

Vai a Juri Popular nesta terça-feira (14), no Salão do Juri do Fórum Dr. Carvalho de Mendonça o eletricista José Maria Gouvêa de 68 anos, acusado de matar a tiros o comerciante Ademar Borges Barbosa de 41 anos. O crime foi em agosto de 2016 e os dois eram vizinhos.

O julgamento está marcado para as 10:00 horas da manhã e deve receber familiares e amigos do comerciante, que foi morto na porta de casa no bairro Santa Inês. A esposa dele, Alexandra Martins da Silva Barbosa, tinha saído para buscar o filho na escola e foi quem encontrou o marido com sangramento na cabeça e no pescoço. Ademar era dono de uma loja de veículos usados na Avenida Ipiranga e deixou dois filhos, que época tinham 5 e 17 anos.

Seu Gouvêa, como é conhecido, tinha um desentendimento antigo com Ademar por causa de um terreno e o caso foi parar na Justiça.

Após cometer o crime, o acusado fugiu e cinco dias depois se apresentou na Delegacia de Policia Civil. Seu advogado, Antônio Seth Piva acompanhou seu cliente e disse que o eletricista estava muito abalado com a situação. Em entrevista, Antônio Piva, fez declarações polêmicas para defender Seu Gouvêa. Ele chamou seu cliente de “pessoa velha, pacata, idônea e doente”. Mesmo confessando o crime, disse que é inocente e quer cumprir as determinações da justiça.

Familiares, amigos e curiosos acompanharam o trabalho da PM e da Perícia no local do crime

O acusado teria se escondido em Belo Horizonte até se entregar a Polícia Civil. Depois de prestar depoimento ele foi encaminhado ao Presídio e aguarda o julgamento que será nesta terça-feira.

COMPARTILHAR

Comentários