A sessão ordinária desta segunda-feira (05), foi presidida pelo vice presidente Donizetti Benício Baldansi (PSL). O presidente Luis Carlos da Silva (PPS), se recupera de uma cirurgia e está de licença médica. Com isto, a vereadora Marlene Lima Oliveira (PDT) ocupou a cadeira de vice na Mesa Diretora.

Foram apenas dois projetos de leis do Poder Executivo que foram aprovados sem discussão nesta 23ª sessão. Eles são créditos adicionais suplementares na Secretaria Municipal de Assistência Social nos valores de R$ 31.097,06 e R$ 329.800,48.

O que mais chamou a atenção das pessoas que assistiam a reunião no Plenário Presidente Tancredo Neves, foram as críticas feitas pelos vereadores a Divisão de Transportes e Trânsito. Tudo foi provocado pelo ofício enviado aos vereadores informando sobre a mudança a partir do dia 11 de junho, no trânsito na Rua Boa Esperança na Peret, que vai passar a ser mão única, apenas de subida. Ou seja, quem desce até a Praça do Centenário não vai poder mais seguir para a Avenida Zé Lagoa pela Rua Boa Esperança. No dia 1º de janeiro, a via que é bastante estreita passou a ser mão dupla e as críticas aumentaram. Um sistema semafórico foi instalado para resolver o problemas, mas a fila que ele tem causado gera insatisfação. A mudança anunciada agora é experimental, mas a Prefeitura informou na época que havia feito um estudo, porém, como a alteração foi realizada no primeiro dia de mandato, antes mesmo do prefeito Dr. Luiz Roberto Laurindo Dias (PSD), tomar posse isto gerou dúvidas.

O vereador Érik dos Reis Roberto (PSDB), (foto) contou que andava pela cidade no dia de sua posse as 7:00 da manhã, quando a sinalização da Rua Boa Esperança estava sendo alterada. Lembrando que a mudança feita quando foi vice prefeito foi pensada e planejada, é que estão voltando tudo como era antes. “O que está acontecendo com o trânsito em Três Pontas é vergonhoso. Ruas que precisam de mão única como a Marques de Abrantes, fizeram uma mudança que ninguém entende”, explanou.

Sem citar o nome do Chefe da Divisão de Transportes e Trânsito Danilo Alves da Silva, Érik afirmou que as mudanças erradas talvez sejam porque ele não conheça a cidade direito e que elas podem não ter partido dele, que seria “pau mandado” ou esteja apenas servindo de escudo.

Sérgio Eugênio Silva (PPS) comungou com o colega, mas parabenizou a Administração, por ter reconhecido que a gestão anterior não errou quando colocou a via com mão única. O problema foi ter gasto o dinheiro que recebeu pensando que não iria acabar e sem ouvir os moradores, que reclamaram. “Tem pessoas que entram na Prefeitura e ao ocupar determinados cargos acham que podem fazer tudo”, criticou a oposicionista.

O assunto rendeu no Grande Expediente. O vereador Geraldo José Parado (PSD), “Coelho do Bar” não se inscreveu para falar, mas pior que o bloco oposicionista não poupou críticas a Danilo Alves. Coelho teria ido até ele pedir a análise de pedidos feitos pela população no que se refere ao trânsito, entre elas a Rua Marques de Abrantes e nem atenção o legislador recebeu, muito menos resposta aos pedidos.

Engasgado com o tratamento que vem recebendo, Coelho disparou que o Engenheiro Civil e da Mobilidade é um picareta e lembrou que está sendo pago com dinheiro dos trespontanos.

Mesmo sendo da base do Governo Municipal, o relacionamento de Coelho com membros da Administração não é bom. Na última reunião, o legislador ficou amordaçado por um esparadrapo na Tribuna da Câmara durante o Pequeno Expediente. O manifesto foi contra o posicionamento de assessores do Prefeito que disseram que ele não poderia se posicionar contrário a obra na Praça dos Municípios e o desmanche do canteiro central que existia.

Público que assistiu a sessão da Câmara desta segunda-feira. Trânsito foi o foco

Veja a reportagem em vídeo com Denis Pereira:

COMPARTILHAR

Comentários