Ainda rendeu na sessão da Câmara Municipal desta segunda-feira (25), dois assuntos que mexeram com o meio político na última semana. As críticas que os legisladores fizeram sobre os pedintes do cruzamento das Avenidas Oswaldo Cruz com a Ipiranga e, a visita da administradora do Hospital Keila Lima, ainda repercutiu. Quase todos os vereadores se inscreveram, já que se ausentaram – Luis Carlos da Silva (PPS), Paulo Vitor da Silva (PP), Joy Alberto de Souza (PMDB) e Edson Vitor Nascimento (PMN). Todos eles estão em Brasília participando da Marcha dos Prefeitos.

Alguns se manifestaram das suas cadeiras, outros cumpriram o Regimento Interno e usaram a Tribuna.

02

José Henrique Portugal (PMDB), viu com preocupação as declarações feitas pelos servidores do Município quanto ao seu pronunciamento, que provocou todos os colegas há uma semana. Ele reforçou que a questão daquelas pessoas é de total abandono, em situação de vítima. O que expressou talvez não tenha sido entendido, mas Portugal explicou que o objetivo jamais foi de achincalhar alguém, mas foi uma ação legítima de humanista e obrigação pelo cargo que ocupa. Não falou de governo, de Administração, mas sim de pessoas doentes. O peemedebista quer é saber se o Poder Judiciário, já foi provocado para que retire os pedintes da Avenida, contra a vontade deles, já que o caso é de saúde pública. “Tem que haver um pedido. O Judiciário funciona na base da provocação”, informou.

Entristecido pela forma como foi entendido, Portugal fez elogios aos funcionários, em nome da enfermeira do Centro de Atenção Psicossocial (Caps), Mariana Storino Féres, reconhecendo que eles fazem um bom trabalho e não tem poderes para remover os pedintes que estão morando na Avenida. Mas, criticou a ânsia e a forma forasteira de responder na mídia.

Antônio Carlos de Lima (PSD), também se justificou, pediu desculpas a todas as pessoas que por ventura ofendeu no exercício de seu mandato. Ele leu um texto, demonstrando que sua intenção foi sempre de ajudar, nunca de perseguir ou difamar, os cidadãos nas suas vidas privadas e particulares. Antônio reafirmou que não tem inimigos e sim divergências de ideias, mas que jamais deixará de cumprir o seu papel e dever de vereador, de denunciar e expor seus pensamentos. “Jamais me calarei diante de tanta hipocrisia e o que o povo esperava não é isto”, desabafou Antônio do Lázaro.

Ele é o campeão de denúncias feitas no Plenário Presidente Tancredo Neves neste mandato. Ele tem motivos para se redimir. Só neste ano, ele denunciou que alunos da Escola Municipal José Vieira de Mendonça estariam levando drogas e armas para o estabelecimento educacional localizado na zona rural da Cidade. O Ministério Público entrou no caso, pediu explicação à direção da Escola Agrícola;  as policias Civil e Militar investigaram e nada constataram. Depois, em um de seus desabafos ofereceu os nódulos que sua esposa teria contraído no seio, para o prefeito Paulo Luis Rabello (PPS), a secretária de Assistência Social Maria de Fátima Mendonça Rabello e a secretária de Administração e Recursos Humanos Evânia Rocha Moreno. Em outra manifestação na Tribuna da Câmara, Antônio do Lázaro chamou funcionários de ‘cachorrinhos de coleira do prefeito’, o que provocou 23 processos na justiça, movidos por efetivos, contratados, cargos comissionados e com função gratificada.

Por fim, há poucas semanas denunciou que a administradora da Santa Casa de Misericórdia Keila Lima, estaria maltratando os servidores. Segundo ele, os vereadores de oposição haviam recebido uma carta anônima. Na semana passada, ela fez uma visita justamente para responder esta questão, mas, Antônio foi embora.

A resposta veio imediata com a vereadora Alessandra Vitar Sudério Penha (PPS). Na opinião dela, as pessoas as vezes são mesmo mal compreendidas e quanto aos moradores em situação de rua, não há o que questionar o que é feito pelos setores da Prefeitura. “Todos fazem um belíssimo trabalho, mas que todos possam dar as mãos, somar e fazer o que for possível”, afirmou. Depois, Alessandra falou sobre a questão das críticas. Ela também leu um texto, demonstrando que é preciso enfatizar todas as coisas que deram certo até então. Para ela, ressaltar apenas o que deu errado, mostra que não há a mínima intenção de ajudar. “Antes de oferecer uma crítica, é preciso lembrar que todos tem a oportunidade de encorajar os outros a continuarem”, definiu a legisladora.

Sérgio Eugênio Silva (PPS), voltou a falar que concorda sobre a questão dos pedintes que ficam na Avenida Oswaldo Cruz. Ele apenas acrescentou que espera do colega José Henrique que mantenha a sua iniciativa de provocar o Ministério Público, invocando os poderes para resolver este problema que se arrasta a um bom tempo, e que não tem lei para retirá-los de lá. A preocupação de Sérgio Silva é quanto ao risco que são os papelões que estão se acumulando no local. Sobre a visita da administradora da Santa Casa, o líder do prefeito na Câmara, disse que não teve a intenção de ofender ninguém e que não citou nomes ao fazer a pergunta sobre o tratamento oferecido aos funcionários do Hospital. “Acho que seria muita hipocrisia, se ela [Keila Lima] viesse e recebesse apenas elogios, quando o principal objetivo do convite era outro e pergunta tinha que ser feita”, pronunciou.

Valéria Evangelista Oliveira (PPS), anunciou que foi depositado o restante da emenda parlamentar do deputado licenciado Mário Henrique Silva (PCdoB). São R$90 mil que chegaram para terminar a obra de reforma do Ginásio Poliesportivo Governador Aureliano Chaves de Mendonça.

Francisco Botrel Azarias (PT), fez mais uma visita as obras do Conjunto Habitacional Jardim das Esmeraldas, onde a Construtora Cheren está construindo 316 casas. Chico Botrel adiantou que as obras seguem o cronograma previsto e será finalizado se tudo correr dentro do planejamento em setembro, conforme o encarregado da obra Rafael.

Calçada, forro, meio fio, piso, revestimento, aquecedor solar estão 100% concluídos. O asfalto está em 95% das ruas. Falta parte da pintura das moradias e a rede elétrica que depende da CEMIG. A informação dele, desmente comentários de que o empreendimento seria inaugurado em julho nas comemorações do aniversário da Cidade, ou outra data mais próxima.

Sobre a ação que a Associação dos Moradores dos Bairros Santa Edwirges e Santa Margarida (AMSESAM), promoveu para conseguir recursos para o SOS Juninho de Campos Gerais, o vereador contou que o almoço do Dias das Mães deu renda de R$2.590, revertida totalmente à causa. A família agradeceu o apoio que recebeu dos trespontanos.

COMPARTILHAR

Comentários