*Casarão foi construído no Século XVIII e a oitava geração ainda preserva suas características originais

Denis Pereira

A Fazenda do Mato foi restaurada e será inaugurada em uma cerimônia na próxima quarta-feira (04) as 14:00 horas integrando a programação de aniversário de 161 anos de Três Pontas. Esta é a mais antiga edificação do Município de Três Pontas e um dos casarões que ainda hoje preserva suas características originais. Foi construído no século XVIII, por volta de 1.800, pelo Capitão Diogo Garcia da Cruz e apresenta estilo arquitetônico colonial. Desde a sua construção, a Fazenda do Mato, hoje, abriga a oitava geração, ainda na mesma família. Ele está localizado entre os municípios de Três Pontas e Nepomuceno, a 21 quilômetros da Capital Mundial do Café.

Sua construção em “L” clássico, com paredes de pau-a-pique e assoalho de madeira em óleo bálsamo é um patrimônio de grande importância histórica, não só para a cidade. Foram recuperados os forros, as vidraças quebradas foram substituídas e as janelas ganharam pinturas e as trincas foram reparadas. Ao passar pelo processo de restauro, o imóvel se encontra em perfeito estado de preservação, tornando um importante ponto turístico para nossa região.

A sede da propriedade foi restaurada depois que o Ministério Público de Minas Gerais, o município, a proprietária do imóvel e o Conselho Municipal do Patrimônio Histórico e Cultural assinaram um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) colocando prazos para a reforma. O imóvel foi inventariado pelo município em 2002 e seu tombamento municipal ocorreu em 2004, por meio do Decreto n.º 3.386.

O TAC assinado em 2015, estabeleceu o prazo de 90 dias para a execução do projeto de restauração pelo município. Determinou ainda, que no prazo de 180 dias, fosse contratado projeto arquitetônico complementar para restauração total da pintura da edificação, com o encaminhamento da proposta ao Conselho Deliberativo do Patrimônio Histórico e Cultural de Três Pontas para análise e aprovação. A execução integral do projeto tinha o prazo de 90 meses após a aprovação. A Câmara Municipal precisou aprovar a destinação de R$14.480,00 investidos na melhoria. O projeto de lei foi votado em 17 de outubro de 2016, durante a 173ª Sessão Legislativa. O vereador Antônio Carlos de Lima (PSD) foi o único a votar contrário.

A fim de resgatar a preservação e a manutenção da memória cultural, estão previstas ainda a execução de atividades da Educação Patrimonial denominado obras de conservação e restauro, onde grupos de diferentes comunidades devem visitar e acompanhar obras de conservação ou restauro de um bem cultural. Esse item abrange visitas durante a obra como também inaugurações de obras finalizadas. Grupos estes que serão convidados para o dia da solenidade.

De acordo com o secretário de Cultura, Lazer e Turismo Alex Tiso Chaves, o processo vinha se arrastando a mais de três anos e a revitalização só terminou agora. “Este é um local historicamente e culturalmente importante para Três Pontas. Ficou muito bonito e as pessoas vão gostar do que foi feito por lá”, antecipou Alex Tiso.

A fazenda já recebeu ilustres visitantes, de várias cidades, estados e países, já serviu de cenário para um documentário do Centenário de Morte do Beato Padre Victor e as belezas do local foram mostradas no Programa Caminhos da Roça.

A professora Zilda Maria Corrêa Paiva (foto) é filha da proprietária da fazenda, a Dona Maria Tereza Rodrigues Figueiredo que tem 91 anos de idade.  Além de um ser um patrimônio histórico, tem um valor estimativo e sentimental imensurável. É neste enorme casarão que a família ainda se reúne nos fins de semana, relembra as histórias, faz comemorações e vive o seu dia a dia. Uma das tantas curiosidades, é que cada geração deixa em um portal um relógio da época, valorizando a história, a cultura dos antepassados e mantendo a tradição centenária.

A propriedade é bastante ativa, produz café e cria gados e agora sabe que a presença de turistas deve ser ainda maior. Eles não pretendem transformar o imóvel em um local, por isto, as visitas não podem durar mais do que um dia inteiro. E elas precisam ser agendadas previamente. Quem se interessar pode falar com Zilda pelos telefones 3265-7055 ou pelo 99818-9551. “A gente tem a maior alegria e satisfação de receber a todos com muito carinho”, conta ela. Seu avô, Seu Antônio Rodrigues de Figueiredo sempre dizia que aquele é lugar é um pedacinho do céu e as gerações futuras que o tem como referência, não tem dúvidas disso.

COMPARTILHAR

Comentários