Os doadores saíram frustados do mutirão de doação de sangue que seria realizado neste sábado (08), no Centro Pediátrico Dr. Glimaldo Paiva em Três Pontas.

O objetivo de se conseguir uma grande quantidade de doações foi alcançado, porém, eles foram dispensados. O problema é que o sistema informatizado da Fundação Hemominas de Poços de Caldas não funcionou. A coleta estava marcada para começar as 8:00 horas da manhã. Teve gente que chegou cedo para doar e ir embora mais cedo, mas voltou para casa frustado. Moradores de outras cidades se organizaram e vieram para doar. Vieram várias pessoas de Santana da Vargem, Boa Esperança e Guapé, em vans e veículos particulares. Só de Santana da Vargem foram mais de 15 pessoas. De acordo com o Banco de Sangue do Hospital São Francisco de Assis, foram mais de 150 pessoas cadastradas e que estavam orientadas para doar sangue.

A equipe do Hemominas, disse que tentou colocar o sistema para funcionar diversas vezes, mas as 10h30 acabou tendo que dispensar os doadores, fazendo um pedido de desculpas.

Cadeiras que seriam ocupadas pelos doadores ficaram vazias

A coordenadora do Hemominas de Poços de Caldas Cibele Angélica de Souza Spina, explicou que o sistema de coleta externa anteriormente era feito manualmente. Ele passou por uma modificação e agora é on-line. A equipe técnica de informática esteve na semana passada na cidade, testaram e o sistema funcionou. Na noite de sexta-feira (07) quando a equipe formada por 14 profissionais chegaram na cidade, não havia tinha internet no prédio. Um técnico da Prefeitura foi no Centro Pediátrico, conseguiu desbloquear a internet, foi quando houve um pouco de tumulto no comecinho da manhã. A esta altura muita gente já estava desistindo e indo embora.

Quando a internet foi disponibilizada, eles tentaram buscar o sistema e ele desapareceu. O técnico responsável pelo sistema fica no Rio de Janeiro (RJ). Ele tentou remotamente organizar a coleta, ela começou, mas o sistema parou. Segundo a coordenadora, quando há esta instabilidade, pode colocar em risco quem vai receber o sangue. Sem o sistema é possível que não se consiga rastrear os doadores. Cibele Spina lamenta muito o problema, porque o Hemominas está sem hemocomponentes em Poços de Caldas. O estoque está zerado e estas doações seriam muito importantes, para atender a demanda. O mais difícil é não conseguir atender as pessoas que querem doar sangue e principalmente acabar não conseguindo suprir o estoque, pois não há sangue para distribuir à população da cidade e da região. Três Pontas na avaliação dela, é um dos melhores lugares para se fazer a coleta, as pessoas atendem ao pedido do técnico Aislan,  que consegue mobilizar uma grande quantidade de pessoas. “Estamos indo embora muito frustados. Infelizmente é uma decisão técnica que tivemos que tomar, para não colocar pacientes em risco”, afirmou Cibele.

A ideia é pensar em outra estratégia para conseguir suprir o estoque. Mas ela adianta, que só será marcado um novo mutirão de atendimento em Três Pontas quando houver um sistema operacional seguro. Uma alternativa seria ver em Varginha, a cessão de um espaço lá, onde o sistema funciona bem. Mas esta é apenas uma possibilidade e não existe nada definido.

Momento em que doadores ouviam as explicações do cancelamento do mutirão
COMPARTILHAR

Comentários