Karina Corrêa conta como cuidou da filha durante os 16 anos e da perda da sua caçula apra a Covid-19. Fotos: Equipe Positiva e arquivo pessoal

 

Autistas não conseguem fazer o uso de máscara e por isto, fazem parte do grupo de risco e devem ser estar na lista de prioridades para receberem a dose da vacina contra a Covid-19

A enfermeira Karina Fernandes Corrêa, mãe da Ana Júlia Corrêa e Silva de 16 anos gravou um vídeo na última semana, para alertar as pessoas quanto ao Dia Mundial de Conscientização do Autismo. A iniciativa da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Três Pontas (APAE) foi a de conscientizar e informar as pessoas sobre o que é o Autismo – um transtorno no desenvolvimento do cérebro que afeta cerca de 70 milhões de pessoas em todo o mundo e não tem cura. Porém, este ano, quando o vídeo foi veiculado, a filha de Karina, sua preciosidade, já havia se tornado um anjinho no céu azul, pois ela perdeu a menina para a Covid-19, na última quarta-feira (31).

Karina, que é enfermeira há cariótipo 20 anos, é sinônimo de força e dedicação profissional. É casada com Marcelo da Silva, com quem também tem um filho, o Pedro Henrique Corrêa e Silva, de 18 anos. A luta de Karina começou desde quando Ana Júlia, carinhosamente chamada de Jujú, nasceu e veio ao mundo com síndrome de down.

Ela soube pouco antes dela nascer em um utrasson, que a sua menina viria com o “sinal do limão”. Ela não sabia do que se tratava e o médico disse a ela que era um problema na cabeça. “Sinal do limão” representa o formato do crânio da criança. Naquela época, Karina não havia feito durante a gestão, o ultrasson morfológico, apenas o comum. Só soube que a Ana Júlia nasceria com síndrome de down, assim ela nasceu e a notícia foi dada pelo pai da menina. Marcelo chegou no quarto e avisou a esposa que a bebê era linda e tinha sindrome de down. Karina não acreditou e a mãe dela, até ficou brava com o genro. Apesar dos traços, elas não enxergaram a deficiência e a bebê foi submetida a um exame cariótipo, que demorou três meses ficar pronto. O resultado chegou pelos Correios e transformou a rotina e a vida da família Corrêa e Silva.

Quando a menina nasceu, Karina teve que deixar seu emprego no Hospital São Francisco de Assis, onde trabalhava há 7 anos. A mãe ficou por um ano se dedicando a Ana Júlia, que precisou fazer um procedimento cirúrgico cardíaco aos três meses de vida.

Posteriormente Karina foi convidada a trabalhar na APAE de Três Pontas, aonde foram 7 anos de felicidade e muito aprendizado. A esta altura, Karina começou a observar e comparar o comportamento da Jujú com as outras crianças atendidas pela instituição. Mas foi durante uma visita a um clube de lazer da cidade, que ela percebeu que a sua filha tinha algo a mais. Ana Júlia se jogava sobre pingos de ouro, e sentia prazer ao ficar toda ferida. Ela falou com a coordenadora área Escolar da APAE, Francini Gonçalves e pediu um relatório. Karina levou a filha para uma avaliação em São Paulo (SP) e recebeu este diagnóstico, além da sindrome de down, a sua filha também era autista. Foram três dias de muito choro para aceitar a situação e a luta se tornou ainda maior. Foram muitas crises e transtornos, idas inesperadas ao Pronto Atendimento Municipal (PAM).

Quando ela notou, que estava envolvida demais com as crianças da APAE, e precisar de mais tempo para se dedicar a Ana Júlia, Karina decidiu também deixar a equipe da APAE. O tempo passou, o convite agora era para atuar na Vila Vicentina. Karina revela que adorou atuar na instituição, onde permaneceu por 4 anos. A Jujú sofreu um engasgo desta vez, bem mais grave e a mãe decidiu parar novamente de trabalhar para se dedicar exclusivamente a Jujú. Ela chegou a ficar cinco dias em coma em Hospital de Pouso Alegre, e quando se recuperou tirou todos os aparelhos que estavam com ela e gritou pela mãe.

Ana Júlia, ganhou o apelido carinhoso de Juju

Com a pandemia, a enfermeira teve todo o cuidado possível com a filha. Vale destacar que os autistas têm um risco a mais de todos os outros tipos de deficiência, inclusive das pessoas. Eles não conseguem colocar máscara, não adianta nem tentar que eles não aceitam, devido à problemas sensoriais. Por isso, ela estava sempre lavando as mãos da menina com água e sabão e fazendo o uso de álcool em gel.

Sobre a Covid-19 tudo aconteceu muito rápido. Jujú apresentou um tosse leve e sutíl. A mãe a levou no médico e ao ser examinada seu pulmão estava limpo, mas mesmo assim foi indicado o tratamento com o uso de Ivermectina e antibióticos durante 5 dias, porém, o estado de saúde da menina piorou de forma rápida. Além da tosse a noite, vieram os vômitos Jujú retornou ao PAM. Imediatamente fizeram raio x do seu pulmão e descobriram que ela estava com o órgão todo tomado infecção. A mãe então conta, que sabia da gravidade do estado de saúde da filha e que havia a possibilidade dela não sair mais de lá com vida.

Por ter trabalho na Santa Casa, durante tantos anos, o Hospital proporcionou a enfermeira a oportunidade dela ficar ao lado de Jujú o tempo todo, uma vez também que ninguém mais conseguiria ter acesso à paciente. Foi Karina que executou todas as medicações, menos o oxigênio que ela não aceitava. Foram três dias de muito sofrimento e durante a noite, a mãe achava que teria que soprar a boca da filha para lhe oferecer o ar que estava faltando, mas sabia que não conseguiria por muito tempo. Elas tiveram que dormir sentadas. Após, Jujú foi encaminhada à Unidade de Terapia Intensiva (UTI), e como exemplo dos outros atendimentos, foi muito bem tratada.

Ao receber a Equipe Positiva, Karina demonstrou sua fortaleza. O fato de ter deixado todos os excelentes empregos que teve para se dedicar exclusivamente à Jujú, é o que a faz seguir a vida, de forma serena e grata pelo aprendizado que teve nestes 16 anos ao lado de Ana Júlia. “Depois que tive ela, eu aprendi a amar mais, não julgar e ajudar as pessoas.”

Karina aproveita para fazer um alerta ao caos que existe na saúde pública por causa da pandemia da Covid-19. “A situação está grave não é no Rio de Janeiro, em São Paulo, é aqui também, em todos os lugares. É falta de vaga na UTI, problemas com o fornecimento de medicamentos, profissionais esgotados e sobrecarregados”, detalhou Karine Corrêa, que já esteve nesta linha de frente. Ela continua ressaltando que a rotina está muito árdua e dífícil. “Precisamos clamar à Deus e nos entregar por inteiro aos cuidados D’ele. É um momento de lockdown. Jovens, adolescentes, idosos, se cuidem, todos estamos no grupo de risco, não é hora de festas, comemorações, vamos nos conter e ter um outro olhar à Covid-19”, recomenda.

Antes de terminar, ela fez um agradecimento especial a todos do Pronto Atendimento e do Hospital que estão se empenhando ao máximo. Ela avalia que as instituições de saúde de Três Pontas estão muito bem preparadas, porém, a condição do autista é muito peculiar. Os estudos apontam que a cada 110 pessoas no Brasil uma é autista. Esta explosão do número de pessoas com autismo preocupa muito. Foi nos anos 90, que começaram a parecer as primeiras pessoas com sinais do autismo e os médicos achavam que era exagero das mães. Depois de se passar 20 anos, estima-se que no Brasil de 211 milhões de habitantes, 2 milhões sejam autistas. O país na visão dela, vai precisar se organizar e capacitar profissionais para cuidar destas pessoas. Ela quer promover um movimento para conscientizar que os autistas estejam no topo da lista do Plano de Vacinação do Governo Federal, para receber a vacina da Covid-19, o mais rápido possível e que de fato as políticas públicas sejam utilizadas em favor de quem mais precisa neste momento turbulento do ápice da pandemia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here