A Matriz de Nossa Senhora Aparecida em Três Pontas ficou pequena para tanta gente na manhã desta quarta-feira (12). No feriado nacional, os católicos lotaram a igreja para celebrar o Dia da Padroeira da Paróquia e do Brasil. Gente de todas as idades, principalmente crianças, participaram da missa solene festiva, presidida pelo Bispo Emérito da Diocese da Campanha, Dom Diamantino Prata de Carvalho e concelebrada pelo pároco padre André Rodrigues Vilas Boas. Durante os últimos dias, os fiéis participaram de uma novena com missas, terço, procissões e homenagens.

E foram as crianças que entraram em procissão com a imagem da Santa até o altar ao som do hino. Sua aparição completa segundo Dom Diamantino, 300 anos em 2017 e desde então continua sendo devoção a milhões de pessoas e atrativo até aos incrédulos, que desde 1928 aportam em Aparecida (SP), que antes pertencia a Guaratinguetá.

Matriz d'Aparecida ficou lotada na celebração que antecedeu carreata pelas ruas da cidade
Matriz d’Aparecida ficou lotada na celebração que antecedeu carreata pelas ruas da cidade
Dom Diamantino falou sobre as crianças e comentou a decisão recente do governo
Dom Diamantino falou sobre as crianças e comentou a decisão recente do governo

Na homília do Evangelho que contou que Jesus transformou água em vinho, o Bispo comentou sobre a retirada das verbas da educação e da saúde, que tira o direito das crianças e idosos. Cobrou que as pessoas precisam cobrar o que seu por direito e acrescentou que a festa da Padroeira serve não apenas para cantar mas para incentivar os cidadãos a serem interpeladores daquilo que é direito de todos para viverem com dignidade. “Nós precisamos cobrar de nossos governantes trabalho e salário justo”, mencionou Dom Diamantino. Ele se referiu a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241, principal aposta do governo Michel Temer para colocar as contas públicas em ordem, aprovada na semana passada. A medida, que estabelece um teto para o crescimento das despesas, está causando polêmica por congelar os gastos durante vinte anos e alterar o financiamento da saúde e da educação no Brasil.

Sobre a comemoração do Dia das Crianças, o bispo emérito foi claro que o significado da data não é dar presentes caros, celular moderno e roupas de griff e chamou a atenção dos pais para não se endividarem, apesar das vitrines das lojas atraírem seus filhos e eles ficarem vislumbrados, quando deveriam era encontrar o rosto bonito de Maria e de Jesus. O religioso revelou que foi ganhar o primeiro sapato de presente quando se formou na quarta série e uma roupa bonita para se submeter ao exame escolar no mesmo ano. Nem por isto, foi infeliz, completou.

Durante a comunhão, padre André distribui lembrancinhas a todas as crianças presentes e fez o sinal da cruz em cada uma delas, que formaram uma fila enorme ao lado do altar.

A celebração foi encerrada e uma enorme carreata percorreu ruas e avenidas da região que pertence a Paróquia D’Aparecida. A imagem colocada acima de uma caminhonete, foi aplaudida durante todo o trajeto, recebeu papel picado e os carros chamavam a atenção por causa do buzinaço que se formou. Carros receberam bolas coloridas, a bandeira do Brasil e adesivos com a imagem da Santa protetora das crianças.

COMPARTILHAR

Comentários