Com o foco nos desafios para envelhecer, a Secretaria Municipal de Assistência Social e o Conselho Municipal do Idoso realizaram nesta quinta-feira, no Centro de Convivência Conviver e Crescer, a 3ª Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa.

O tema central deste ano foi “Os desafios de envelhecer no Século XXI e o papel das políticas Públicas. O assunto foi abordado por José Daniel, formado em Administração de empresas, foi Auditor da Receita Estadual, Vicentino por 45 anos, presidente do Lar São Vicente de Paulo de Varginha por 4 anos.

Na visão do palestrante, as vezes as pessoas tem mais facilidade de se relacionar com pessoas de fora, do que com um familiar que está dentro de sua própria casa. Isto porque, dentro de casa, um sabe os defeitos e as falhas do outro. Fora de casa, o cidadão mostra o que é bom mostrar e os que as pessoas querem ver, por isto acaba sendo mais bem visto.  Isto é porque a gente tem dificuldade de se relacionar com as qualidades, mas também com os defeitos alheios. A gente não ama as pessoas só por causa das pessoas, as vezes amamos apesar das pessoas. Todos temos defeitos, as vezes valorizamos mais o estrangeiro do que um brasileiro, as vezes gostamos mais do vizinho, do que quem está na nossa casa”, alertou José Daniel.

José Daniel falou com os convidados da Conferência

O presidente do Conselho Municipal do Idoso, José Rodrigo Ferreira que também é presidente da Vila Vila Vicentina, disse na abertura da Conferência, que a população está envelhecendo e esta é uma notícia boa. “Nós lutamos por isso. Para que nossa expectativa de vida aumentasse”afirmou José Rodrigo.

Ele explicou que de 1940 a 2018, a expectativa de vida do brasileiro subiu mais de 30 anos, graças as políticas de atenção à saúde. Em contraponto, as pessoas estão tendo menos filhos e cada vez mais tarde. Com estes dados, tudo que se tem acompanhado na mídia é a preocupação com a Previdência Social.  “Quem dera se esta preocupação se estendesse aos nossos idosos. Estes que trabalharam por anos na roça, na enxada, de sol a sol contribuindo para que garantisse uma fase madura e tranquila. Mas, infelizmente, à estes sobra quase nada de preocupação.  Nosso país ainda se preocupa mais em estratégias para manter aposentadorias pomposas de poucos, enquanto retira os direitos já adquiridos de muitos e nada pensam para garantir dignidade para os que passaram a vida a contribuir para o crescimento e enriquecimento do país. Não se valorizam histórias grandes vindas de salários pequenos. E se temos alguma missão nesta vida, se aqui nos unimos, é  para ser a micro partícula necessária na transformação desta realidade. Pensar, elaborar e cobrar, juntos, que medidas sejam tomadas para que nossos idosos não sejam apenas números estatísticos na conta da Previdência Social. Que, de fato, sejam tratados como vidas essenciais que lutaram e contribuíram para nosso país”, discursou o presidente do Conselho José Rodrigo. 

Quem também falou foram a secretária de Assistência Social e primeira dama Aparecida Maria Chaves Garcia e o prefeito Marcelo Chaves Garcia. Ambos destacaram que a sociedade precisa participar das decisões tomadas pelos poderes públicos a favor dos idosos.

A Conferência aprovou o Regimento Interno e também elegeu os delegados que representarão o Conselho do Idoso de Três Pontas na etapa estadual que acontecerá em Belo Horizonte, nos dias 21 e 22 de agosto.

COMPARTILHAR