No dia 21 de abril é comemorada a Páscoa, um dos dias mais importantes para os cristãos que celebram a ressurreição de Cristo. Entretanto algumas pessoas aproveitam a festividade para fabricar ovos de chocolate e conseguir uma renda extra.

Com os ovos caseiros, a família Pieve, acaba lucrando um dinheiro que garante uma renda o ano inteiro. A fabricação dos ovos começou por acaso, por uma necessidade financeira. Dona Deise precisava de dinheiro para custear a festa de formatura da filha Ariany no colégio. Nunca tinha trabalhado com chocolate, mas resolveu fazer bombons para vender. Conseguiu a quantia que precisava e as guloseimas começaram a ser fabricadas o ano todo. Há cinco anos, Deise e as filhas Ariany e Cíntia, conciliam os outros afazeres com a fabricação dos ovos que são encomendados na Doce Talento. Em menor escala, elas trabalham juntas o ano inteiro e atendem aqueles que gostam de presentear com chocolate. Fazem pão de mel, palha italiana e bombons. “A nossa propaganda é o boca-boca. Quem experimenta gosta, sempre quer comprar mais e se torna cliente, comemora Ariany Pieve Marques.

Na Quaresma, elas montam um portfólio para os novos clientes, mas tem aqueles que todos os anos querem os mesmos. Além do tradicional ovo de chocolate, tem sempre novidades, os chamados especiais: o gelado com bolo e recheio, o de colher, o casca recheada, o ovo pão de mel, o ovo de coração e os famosos de leite ninho com nutela e o ovo confete. Este último, é o preferido às crianças, que ficam encantadas pelas cores. Os clientes precisam fazer encomenda antecipada e não podem demorar muito, porque a produção é limitada. As vezes não sobram produtos para fabricar nem os da família.

Nestes dias elas já estão com toda a matéria prima e embalagens compradas para a produção. Apesar da alta dos preços dos produtos, os dos ovos estão mantidos. Tem plaquinhas e pirulitos de chocolates. O mais barato é o bombom trufado que custa R$2,5 e o mais caro é o casca recheada que sai por R$60. Tem as cestas que tem diversos preços, pois são montadas de acordo com a vontade de cada cliente.

Cíntia vende e também trabalha com a fabricação dos ovos, junto com a mãe Deise e a irmã Ariany

Dona Deise conta que o estoque de chocolate está reforçado e nos armários da cozinha e da copa, só se vê as guloseimas. Na última semana, elas não tem muito descanso, o trabalho é sem parar. Começam as 8:00 da manhã e só terminam a noite. Muitas vezes viram madrugada para atender a todos os pedidos. “A gente tem tudo planejado, porque alguns só podem ser produzidos na véspera da Páscoa ou quando forem entregues”, contou Cíntia Pieve Marques. Para fazer as encomendas basta o cliente ligar no celular 99818-8924.

Marcas tradicionais estão nas prateleiras e gôndolas chamando a atenção pelo formato

Os ovos já ocupam grande espaço nas gôndolas dos supermercados. No Supermercado Super Kiko, a expectativa é vender todo o estoque. A venda de ovos vem mudando ano a ano. De acordo com Bruno Dixini Carvalho, o cliente na Páscoa vem procurando outras formas de chocolate ou até mesmo outros mimos. A expectativa dele é que o conjunto de vendas seja 2,5% superior ao ano passado, auxiliado pelo setor de mercearia, que incluem os chocolates de um modo geral, ou seja, com os ovos e demais variedades do setor. A maioria dos fornecedores manteve os preços de 2018, mas houve fornecedor que teve alta na casa de 17%. A novidade é que as empresas estão simplificando seu portfólio, apostando com mais força em produtos de melhor visibilidade. A linha Ferrero Rocher, Alpino e Sonho de Valsa tradicionalmente são os mais queridos. Porém, em termos de volume, os ovos mais baratos são muito procurados. Os de 120 e 150 gramas são mais saem. Quem não leva um ovo, compra as caixas de bombons. Aliado a isto, depois vem as vendas de peixes, carnes e cerveja.

Os ovos mais baratos são os que mais são vendidos no supermercado de Bruno Dixini
COMPARTILHAR