Está chegando o dia de escolher quem vai ocupar as cadeiras de prefeito e vereadores pelos próximos quatro anos, nos municípios de Três Pontas e Santana da Vargem. No pleito municipal, o eleitor deverá votar duas vezes: primeiro digitando cinco números para eleger um vereador e depois dois números para eleger uma chapa composta por candidatos a prefeito e vice-prefeito.

Não é preciso decorar os números. A Justiça Eleitoral permite e até recomenda, que o eleitor leve para dentro da cabine de votação uma “colinha”, desde que os números estejam escritos em um papel. Não é permitido no entanto, levar aparelhos eletrônicos como celular.

ORDEM DE VOTAÇÃO

O primeiro voto é para vereador

Ao chegar diante da urna eletrônica, o eleitor deverá digitar os números de acordo com o que o equipamento indicar. Primeiro a urna vai pedir o número do candidato a vereador. Neste caso, são cinco dígitos: os dois primeiros indicam o partido pelo qual o candidato concorre e os outros três foram sorteados ou escolhidos durante a convenção partidária da sigla.

Assim que o número for digitado, aparecerá na tela o nome, a foto, o número e o partido do candidato. Nesse momento o eleitor deve se atentar para conferir se todos os dados estão corretos antes de apertar a tecla “confirma”. Se estiver errado, basta corrigir e depois finalizar.

O segundo voto é para prefeito 

Em seguida, a urna vai pedir o número da chapa a ser eleita para prefeito e vice-prefeito. São dois dígitos, que indicam o partido pelo qual o candidato a prefeito está concorrendo.

Semelhante à tela anterior, a urna vai mostrar o nome, o número, a foto e o partido do postulante. A diferença é que aqui, como são duas pessoas que compõem a chapa, também deverá aparecer a foto e o nome do candidato a prefeito e do candidato a vice. Se tudo estiver correto, é só apertar “confirma” e pronto.

VOTO NULO E BRANCO

Caso o eleitor não tem escolhido nenhum candidato, seja para vereador ou para prefeito, pode optar por não votar em ninguém. Nesse caso, são duas opções: voto nulo ou branco. Não há diferença na prática. Nas duas situações os votos serão invalidados e, portanto, não vão entrar na conta de forma alguma. O voto em branco não vai para o candidato mais votado e nem para nenhum outro. O voto nulo, não importa a quantidade, não anula a eleição. Para votar em branco é só apertar a tecla “branco” na urna e em seguida confirma. Se prefere anular o voto, o eleitor pode digitar um número que não existe e confirmar.

VOTO DE LEGENDA

Existe ainda uma terceira opção para aqueles eleitores que não definiram em qual candidato a vereador querem votar, mas apoiam algum partido. É o chamado voto de legenda. Neste caso, quando a urna pedir o número do candidato a vereador, em vez de apertar os cinco dígitos, o eleitor pode digitar apenas os dois primeiros, que identificam o partido.

Ou seja, o eleitor abre mão do voto nominal (para uma pessoa), para votar no partido. Isso é possível porque para eleger vereadores são considerados dois dados: o quociente eleitoral e o quociente partidário. Na prática, o partido que tiver mais votos tem direito a mais cadeiras na Câmara Municipal.

Funciona assim: consciente eleitoral é calculado pela divisão do número de votos válidos pelo número de cadeiras disponíveis no legislativo. Já o quociente partidário é o número de votos válidos recebidos pelo partido nominais e de legenda dividido pelo quociente eleitoral. O resultado dessa conta é o número de cadeiras que aquele partido poderá ocupar.

É por isso que nem sempre os candidatos a vereador eleitos são, de fato, os mais votados. Para ter direito a ocupar uma vaga no Legislativo, a legenda, e não apenas o candidato, precisa ter uma boa votação. O número de cadeiras conquistadas pelo partido é, depois, distribuído entre os candidatos com mais votos dentro da sigla.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here