No feriado do Dia da Proclamação da República, neste domingo, dia 15 de novembro, os brasileiros foram às urnas escolher seus vereadores e prefeitos de seus respectivos municípios. Ao invés de viajarem para descansar, o eleitor cumpriu seu dever de cidadão de forma democrática.

As Eleições em Três Pontas foram tranquilas, mesmo com medidas diferentes das eleitorais, mas já conhecidas das pessoas, devido a pandemia da Covid-19. A primeira regra, foi comparecer ao colégio eleitoral e independente de qualquer uma das 133 seções, a máscara foi obrigatória. Depois, manter o distanciamento de um metro dos demais, não aglomerar e higienizar as mãos antes e depois de votar. A grande maioria seguiu as orientações e levou de casa sua própria caneta para assinar o livro que atesta sua presença.

Os idosos que fazem parte do grupo de risco, também sairam cedo de casa para irem votar. Eles tinha prioridade e quem chegou com eles, tiveram que esperar um pouco. Na cobertura feita ao longo do dia, a Equipe Positiva registrou por volta de 9h, fila enorme na Escola Estadual Prefeito Jacy Junqueira Gazola. O grande problema foi que os eleitores tinham a entrada controlada no colégio, e a fila do lado de fora, exigiu paciência e os eleitores tiveram que se esconder do sol. Teve gente que ficou 60 minutos até chegar sua vez de votar. O eleitorado de trespontano formado por 44.049 eleitores fez como nos outros anos, votou a grande maioria de manhã. Assim, no horário indicado para todos, as filas cresceram.

A chefe do Cartório Eleitoral, Maria Rosa Guimarães Miari destacou no fim da apuração oficial, que o processo eleitoral foi tranquilo e os problemas registrados foram os corriqueiros de uma disputa, que mais uma vez foi acirrada. Os maiores problemas foram nas redes sociais, bastante usada para conquistar os eleitores. A maioria das demandas este ano chegaram, segundo Maria Rosa na Delegacia de Polícia Civil e no Ministério Público.

Ocorrências corriqueiras

Escola Edna de Abreu no bairro Santa Edwirges foi colégio eleitoral este ano

Foi por volta das 9h, que a primeira ocorrência eleitoral foi registrada pela Polícia Militar, em frente ao Jacy. A Corporação foi chamada por um fiscal de uma coligação, dizendo que viu um membro da equipe adversária, tirando fotos de carros que passavam pela rua e sendo coagidas. Quando os policiais chegaram, abordaram o denunciado, que negou que estivesse tirando fotos. Ao ser submetido a busca pessoal, nada foi encontrado e como não houve o flagrante, ninguém foi preso.

Na Escola Estadual Deputado Teodósio Bandeira, houve dois registros. Um candidato que estaria fazendo boca de urna em torno da escola e um carro adesivado com material de campanha, que estava estacionado em frente ao colégio foi apreendido. O candidato que é suspeito de fazer a boca de urna não foi encontrado, mas foi identificado de acordo com testemunhas e confeccionado um boletim de ocorrência. O acusado será ouvido posteriormente e terá que se explicar com a justiça eleitoral.

Foram três registros ao todo, mas nada referente ao derrame de santinhos. A sujeira estava nas ruas e calçadas. A cidade amanheceu com muito material em torno dos colégios eleitorais. O “derramamento” disto, sujando a cidade, é considerado crime eleitoral.

A Polícia Militar montou um forte esquema de segurança em torno do Cartório Eleitoral, proibindo o trânsito de veículos e pedestres e recebeu reforço na equipe vindo do 24º Batalhão de Polícia Militar de Varginha.

Cinco urnas trocadas

Nas eleições deste domingo, o Cartório Eleitoral precisou substituir 5 urnas eletrônicas. De manhã, antes de 10h já haviam sido trocadas duas, nas escolas João de Abreu Salgado e Maria Augusta em Três Pontas e uma na Escola Padre José Ribeiro, em Santana da Vargem. No período da tarde, mais duas foram substituídas em Três Pontas, em seções das escolas Antonieta Ferracioli Duarte e Marieta Castro.

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here