s

Se existe um tópico que deve sempre estar presente em um currículo, é a experiência. Pensando nisso e no desenvolvimento dos jovens da região e do município de Três Pontas, os vereadores Maycon Machado (PDT) e Marlene Lima (PDT), não pouparam esforços para trazer a Rede Cidadã ao cenário trespontano. O empenho teve sucesso, muito também pelo apoio de algumas empresas que são essenciais para o projeto.

A Rede funciona como um programa que visa o aperfeiçoamento das condições de trabalho dos jovens entre 14 a 24 anos de idade. A realidade que a juventude brasileira atravessa, não é simples, muitas vezes em situação de vulnerabilidade e falta de estrutura, tanto no campo familiar, quanto no campo público. Em uma cidade que oscila em relação a geração de empregos, por mais que no último mês de março o saldo tenha sido positivo, gerar oportunidade para o jovem, é mais do que uma chance de trabalhar, é oportunizar uma vida melhor como ser humano e como cidadão.

O que é, como funciona e qual o intuito da Rede Cidadã?

A Rede Cidadã é uma organização sem fins lucrativos que tem como objetivo transformar a vida de jovens que buscam e necessitam ter um emprego ou uma renda. A Rede foi criada em 2009, atualmente abrange sete estados e estão em mais de 62 cidades, o intuito é formar cidadãos por todos os cantos.  Digamos que o “público-alvo” da Rede, sejam os jovens com maior vulnerabilidade social, principalmente no aspecto socioeconômico e cultural.

A Rede funciona como um “meio de campo” entre o jovem e o mercado de trabalho. É de tarefa do programa, ministrar aulas de aprendizagem teórica e contam é claro, com a aprendizagem prática nas empresas. A Coordenadora de Territórios na área de gerência de relacionamento e parceria da Rede Cidadã, Christiane Loureiro, aponta um fator motivacional para os jovens que buscam o primeiro emprego e acabam esbarrando nas dificuldades do mercado competitivo. “Ter na carteira profissional o mesmo código de admissão de um profissional é essencial, impulsiona o jovem e o motiva para o primeiro emprego. Então ao terminar o curso ele é um profissional registrado em carteira profissional”, detalha.

Propiciar o ensejo aos adolescentes, é algo que possuí suas peculiaridades. Segundo Christiane, por mais que exista obstáculos na questão de receptividade das empresas, tanto a instituição empresarial, quanto o jovem, vão sair ganhando. “A princípio sempre há uma resistência. A  gente costuma dizer o seguinte, nós preparamos o jovem para entrar na empresa e a empresa prepara o jovem para ele ser um futuro CLT. Porque ele vai entrar lá sem vícios algum, sem ter trabalhado em outro lugar, então é impossível a comparabilidade. O jovem vai ficar 1 ano e 4 meses tendo a cultura da empresa, então é muito mais fácil formar um profissional”.

A ideia é dar e receber. Quando uma empresa investe em um jovem, ela terá futuros funcionários capacitados, o mesmo acontece com o aprendiz. A pessoa que embarca nessa possibilidade, terá o conhecimento teórico e ao mesmo tempo a capacitação feita na empresa, uma forma de moldar um futuro e jovem profissional. A Rede conta e sempre pede o apoio de empresários e empresas, afinal de contas, sem elas não existem as portas de entrada para o emprego. A organização chegou a fazer cerca de 20 visitas, no entanto, turmas fechadas, somente com as cooperativas, pelo menos por enquanto.

No momento, a Rede Cidadã tem parceria com o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) e o Parlamento Jovem. Bom pontuar a importância da Cocatrel, onde serão inseridos 21 jovens na cooperativa, em diversas áreas. A rede terá o Centro Vocacional Tecnológico, o CVT como “casa” durante os períodos teóricos do programa. A responsável por acompanhar a turma no território de Três Pontas e ministrar as aulas de aprendizagem teórica, será a Educadora Social, Laís Geane Ribeiro Silva.

Entenda as determinações e cronogramas da Rede Cidadã

– Primeira turma em Três Pontas vai iniciar em 13 de maio, o programa já está em processo seletivo para as cooperativas: Unimed, Sicoob e Cocatrel;

*Junho e julho serão abertas outras turmas, assim aposta a Rede Cidadã;

– Idade: 14 a 24 anos;

– Tempo de duração do programa: 16 meses;

– Os 20 primeiros dias serão no CVT (aprendizagem teórica);

*O jovem aprendiz só ficará uma vez no CVT durante os 20 primeiros dias seguidos, isto é, após esse prazo, a sequência será outra;

– Após os 20 primeiros dias, a frequência será a seguinte: quatro dias na empresa (aprendizagem prática) e um dia no CVT, durante a semana;

– Aulas: Cidadania, relações interpessoais, finanças, empreendedorismo, etc;

– O jovem aprendiz pode atuar em diversas áreas, sem restrição;

– Carga horária: 4 horas;

– Horário: De acordo com a empresa, provavelmente das 13 horas às 17 horas;

– Faltas: Serão descontadas parcelas dos salários de jovens faltantes;

– Jovens menores de 18 anos, necessitam do acompanhamento do responsável para questões de contratos;

– Jovens interessados, procurar Laís Geane no CVT (UAI-TEC) na Travessa da Aparecida, nº 143. Horário para deixar currículo e preencher cadastro: das 11 horas às 17 horas.

O trabalho que faz a diferença

É de ressaltar o imprescindível trabalho e esforço de Maycon Machado e Marlene Lima, ambos vereadores do município de Três Pontas. Maycon é presidente da Câmara Municipal no biênio 2019-2020e presidente do Parlamento Jovem. Já Marlene é secretária da Mesa Diretora e está sempre presente nas ações e atividades do Parlamento Jovem.

Tudo começou quando os dois parlamentares foram convidados a participar de um evento na Faculdade de Três Pontas (FATEPS). Eles ficaram como jurados nas apresentações de trabalho do curso de Pedagogia. Marlene e Maycon na época escolheram o trabalho relacionado à Rede Cidadã para ser o vencedor entre os trabalhos apresentados. A proposta do trabalho já existia em outras cidades, os membros do legislativo foram procurados e demandados a tentarem trazer o programa para Três Pontas. Como são vereadores, Maycon e Marlene não só tentaram, como conseguiram ofertar para os jovens da cidade, uma ocasião que muitos precisam e esperam.

Os vereadores Marlene e Maycon com o gerente de parcerias Jonacir Dadalto, em setembro de 2017, quando da primeira visita ao Rede Cidadã

A dedicação foi retribuída com êxito. Para o presidente do Poder Legislativo no município, existia a necessidade de alguém tentar, e eles conseguiram. “Ficamos 1 ano e 8 meses correndo atrás, indo e vindo a Belo Horizonte, buscando informações e parcerias, e hoje graças a Deus nós temos aí a Rede Cidadã em Três Pontas. Embora não tenha muito cunho político nessa questão, necessitava de alguém ter essa iniciativa, e eu e a Marlene como representantes do povo, sabendo da necessidade não medimos esforços e agora conseguimos implantar isso no nosso município”.

O jovem presidente, sempre reiterou a importância da colega Marlene no processo de tentativas para se consolidar a vinda do programa. Maycon, tem capitaneado os assuntos relacionado aos jovens na política, sendo assim, ressaltou um olhar mais atento as dificuldades da juventude em conseguir o primeiro emprego. “Desde o primeiro ano que eu estou aqui como presidente da Escola Legislativa, como professor do estado, a gente vê que é uma demanda muito grande dos jovens em ter essa primeira oportunidade, porque muitas vezes pede experiência, mas ninguém dá essa primeira chance. Então, esse programa é muito interessante, porque eles trabalham, eles aprendem e posteriormente, podem até serem contratados por essas empresas”.

Certamente e infelizmente, por uma série de fatores, sem o esforço dos vereadores citados, dificilmente a Rede Cidadã estaria em Três Pontas. Prova disso, foi a declaração da coordenadora Christiane, enaltecendo o trabalho de equipe, em prol dos jovens que agora sim, possuem uma ajuda extra. “Fomos procurados pelo Maycon e pela Marlene para viabilizarmos a aprendizagem aqui na cidade de Três Pontas. Foi um pouco demorado devido a algumas burocracias de legalização, junto ao Ministério de trabalho e Secretaria Regional do Trabalho, mas o empenho entre ambas as partes foi bem-sucedido, tanto as visitas em Belo Horizonte, quanto as nossas visitas em Três Pontas”.

A tendência é a Rede se tornar a partir de agora uma ponte, ligando os jovens até uma profissão. A parceria do esforço aliada com o desejo de ocasionar a possibilidade real aos jovens de ganhar seu dinheiro, tornar um cidadão mais efetivo e principalmente, ancorar ideias de um presente melhor, para um futuro mais próximo e avantajado, é o que a Rede Cidadã e os trabalhos dos dois vereadores, Maycon e Marlene, proporcionarão a todos aqueles que buscarem seu lugar.

COMPARTILHAR